Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 06dez

    IMPRENSA VIVA

     

    Moro se encontra com o homem que desmascarou Lula perante o mundo

       

    “Lula não foi preso pelas boas coisas que fez durante seu governo, mas pelas ruins, e entre essas se encontra, por exemplo, a gigantesca corrupção na empresa estatal Petrobras e suas empreiteiras que custou à sofrida população brasileira nada menos do que dez bilhões de reais (desses, 7 bilhões em propinas)”.

    Foi desta forma que o escritor e vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, Mario Vargas Llosa, saudou a prisão do homem apontado como chefe da organização criminosa que comandou o saque aos cofres públicos do Brasil durante quase uma década e meia.

    Esta semana, o ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil, Sergio Moro, se encontrou com o dono da voz que impediu que Lula propagasse suas mentiras pelo mundo ao longo dos últimos anos. 

    Moro participou no início da semana do fórum da Fundação Internacional para a Liberdade (FIL) em Madri, na Espanha.
    O evento foi presidido pelo escritor Mario Vargas Llosa, que apresentou o juiz exonerado ao público chamando-o de um “exemplo da revolução silenciosa” dos brasileiros opostos à corrupção.

    Além de dedicar parte de sua vida a desmascarar o ex-presidente Lula, o escritor também é um severo crítico dos regimes corruptos latino-americanos.

    Na ocasião em que Lula foi preso e  seus aliados tentaram convencer o mundo de que o petista era vítima de perseguição política, Llosa lembrou que:
    “A entrada de Lula, ex-presidente do Brasil, em uma prisão de Curitiba para cumprir uma pena de doze anos de cadeia por corrupção deu origem a grandes protestos organizados pelo Partido dos Trabalhadores e homenagens de governos latino-americanos tão pouco democráticos como os da Venezuela e da Nicarágua, o que era previsível”.
     
    “Quem pensa tão bem de Lula, aliás, se esquece do feio papel de leva e traz que ele representou como emissário e cúmplice em várias operações da Odebrecht – no Peru, entre outros países – corrompendo com milhões de dólares presidentes e ministros para que favorecessem a transnacional com bilionários contratos de obras públicas”, observou o escritor peruano.
    Ele que viu o ex-presidente do Peru Ollanta Humala e sua mulher, Nadine Heredia, aliados de Lula, se entregarem à Polícia,  acusados de lavagem de dinheiro, relativa a doações feitas pelo grupo Odebrecht para o Partido Nacionalista nas campanhas presidenciais de 2006 e 2011, quando Humala era o candidato.


    Publicado por jagostinho @ 11:28



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.