Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 22nov

    ÉPOCA

     

    CUT vende prédio, demite e afunda na maior crise sindical já vivida

     

    A Central Única dos Trabalhadores se adapta aos tempos das vacas magras para o sindicalismo

     

    O presidente da CUT, Vagner de Freitas, em tempos minguantes. Acúmulo de derrotas eleitorais, políticas, judiciais e sindicais –  RICARDO STUCKERT

     

    Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), está cada vez mais longe do poder e mais perto de Deus.

    Para fazer dinheiro, a entidade — a maior das centrais sindicais, braço político do petismo agora derrotado — sairá do prédio próprio no bairro do Brás, em São Paulo, sua sede há 23 anos, para um endereço no centro antigo da cidade.

    No fim de julho, a Executiva da CUT aprovou a venda do local. Avaliado em R$ 40 milhões, o imóvel com sete andares está sendo negociado com a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ocupa um quarteirão inteiro do outro lado da rua.

    O negócio ainda não foi fechado, mas Freitas já decidiu pela saída do Brás, o berço do sindicalismo paulista.

    O fim da contribuição sindical obrigatória, levado a cabo pela reforma trabalhista do governo Michel Temer, levou a CUT à bancarrota.

    Apesar de todo o simbolismo da mudança, a decisão pela venda da sede parece fácil, quase corriqueira, diante do desafio de encarar o futuro governo de Jair Bolsonaro.

    Freitas lembrou o dia da votação do impeachment de Dilma Rousseff, quando deputados justificavam seus votos em voz alta no plenário.

    Um deles, Fernando Francischini, então do PSD, votou “pelo fim da CUT e seus marginais”.

    Francischini é um parlamentar próximo ao presidente eleito.

     

    Fernando Francischini, que em seu voto a favor do impeachment de Dilma defendeu “o fim da CUT e seus marginais”, foi eleito deputado estadual pelo PSL – REPRODUÇÃO

     

    Numa sexta-feira nublada do começo de novembro, um almoço de trabalho de Freitas com dirigentes dos maiores sindicatos filiados à central sindical avançou pela tarde.

    Químicos, bancários e metalúrgicos, entre outros, discutiam como dar a volta por cima diante de um governo assumidamente de direita, eleito com uma agenda liberal e com uma pauta que vai contra tudo o que os sindicatos cutistas defendem.

    Preocupam os discursos cada vez mais frequentes contra direitos como 13º salário, apelidados por bolsonaristas de “jabuticabas” — por existirem somente no Brasil, assim como a fruta.

    “Não é terrorismo, não é ameaça. Ele fala o que vai fazer, e não tenho dúvida de que fará. A reforma trabalhista aprovada pelo Michel Temer, para ele, é tímida, e o que ficou ele vai tirar”, disse.

    Freitas não vê possibilidade de moderação por parte do novo governo, mas ele próprio pregou o radicalismo.

    À época do impeachment da petista Dilma Rousseff, falou em pegar em armas contra a deposição da presidente.

    Hoje atribui sua afirmação a um “jargão sindical”.

    “Era a arma da greve, da manifestação e de ocupar Brasília democraticamente. Essa fala ficou démodé”, desconversou.

    As idas e vindas do governo Bolsonaro sobre a manutenção ou a extinção do Ministério do Trabalho são uma demonstração do desdém do eleito com os direitos dos trabalhadores, reclamou Freitas.

    Para o presidente da CUT, o contraste dos tempos atuais com os do governo de Luiz Inácio Lula da Silva não poderia ser maior.

    O PT, que nasceu das greves dos trabalhadores do ABC paulista já na fase final da ditadura militar, era praticamente a CUT no poder.

    Com a vitória de Lula em 2002, os sindicalistas ganharam acesso livre aos corredores de Brasília.

    Ao mesmo tempo, diminuíram a presença nas ruas. Quando lembrado dessa época, Freitas disse que, ao assumir a presidência da CUT, em 2013, já não era mais Lula no poder — e sim Dilma.

    A presidente era mais protocolar e seca, mas Freitas não tem do que se queixar.

    Um ano antes do impeachment, em fevereiro de 2015, ele foi ao Palácio do Planalto para uma audiência agendada com o então secretário-geral da Presidência, Miguel Rossetto, e acabou sendo recebido pela presidente num momento em que as centrais sindicais brigavam, no Congresso, para derrubar Medidas Provisórias (MPs) de interesse do governo.

    As MPs alteravam regras trabalhistas de forma muito mais branda que a reforma trabalhista de Temer. Na época, o Palácio do Planalto classificou o encontro não agendado como “uma cortesia”.

    Apesar da amabilidade, Dilma nunca chegou a ter a intimidade de Lula com o movimento sindical. Nem sempre havia entendimento, e a presidente sempre impôs um distanciamento respeitoso.

    Quem presenciou esse tipo de encontro afirmou que não era raro Dilma encerrar a discussão estabelecendo limites: “Só posso ceder até aí”, avisava.

    Com Temer, o clima mudou completamente. O primeiro sinal de como os ventos parariam de soprar a favor foi uma ligação no celular.

    “Era manhã, bem cedo, eu estava no carro, a caminho da CUT, e o celular tocou. Na linha, uma mulher muito educada, com voz lindíssima, um português da melhor qualidade”, lembrou Freitas.

    “Senhor Vagner”, disse a voz feminina, “eu queria lhe dizer que não é mais política deste governo contar com sua colaboração no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social e que, a partir deste momento, o senhor está desobrigado de participar. Agradecemos sua colaboração.”

    “Eu falei: ‘Ok’. E ela: ‘Tenha uma belíssima tarde’, com aquela voz plácida, educadíssima.

    Claramente não era alguém da política, era do cerimonial.

    Tempos depois viria a reforma trabalhista que quebrou a espinha dos sindicatos pelo bolso, com a extinção do imposto sindical.

    A CUT sempre defendeu o fim do imposto, por achar que o trabalhador deveria pagar o que fosse negociado com os sindicatos. Mas o problema foi que o imposto acabou do dia para a noite.

    Entre janeiro a agosto de 2017, antes da reforma trabalhista de Temer, a CUT havia recebido R$ 54 milhões a título de repasse de contribuição sindical.

    No mesmo período deste ano, foram apenas R$ 2,5 milhões. Embora não se sustente apenas por esse imposto, a entidade sofreu o baque.

    A outra fonte de receita — estatutária — vem de mensalidades pagas pelos sindicatos filiados, mas também foi reduzida devido às demissões e pela simples ausência de empregos formais.

    No começo deste ano, Freitas teve de fazer aquilo que, por dever de ofício, tenta evitar que as empresas façam: demitir.

    Com um Plano de Desligamento Incentivado, a CUT demitiu 65 pessoas, cerca de 45% do quadro de pessoal.

    Quem se inscreveu no plano recebeu entre 80% e 100% do salário por ano trabalhado, mais extensão do plano de saúde por três a seis meses e os demais benefícios previstos em lei.

    Sem dinheiro, Freitas disse ser possível que a CUT faça coisas que nunca fez, como abrir seus sites para a venda de patrocínio.

    “A CUT não tem capital financeiro para viver de rentismo, não é indústria para fabricar coisas e vender, não tem herança. Acabou o recurso, você precisa se adaptar, não tem jeito.” A venda da sede no Brás é parte dessa nova fase.

    Freitas afirmou que o maior problema para um líder sindical não é dinheiro, mas deixar de “ouvir as massas”.

    Para quem fez greve antes de receber seu primeiro salário no Bradesco, onde ingressou como caixa, o sindicalista contou que a mais difícil oposição que enfrentou veio das bases.

    Mais precisamente dos bancários, categoria em que despontou para a carreira sindical. O ano era 2004, o segundo do governo Lula, e ele era presidente da Confederação Nacional dos Bancários.

    Negociou com os banqueiros e recomendou aos sindicatos aprovar o acordo, que considerava excelente.

    “Foi a primeira vez que uma assembleia, com 4 mil pessoas, virou de costas para mim. Eles gritavam: ‘Fora, fora’. Aquilo vai ecoar em minha cabeça. Se eu viver 100 anos, vou lembrar.”

    Freitas construiu o que considerava a melhor proposta, muito melhor que a campanha salarial anterior, e achou que tinha cumprido seu papel.

    Mas a categoria vivia um processo de “Lula presidente”, de retomada de mobilizações, e queria fazer a greve.

    O resultado, contou, foi que a oposição cresceu, e ele e seus companheiros quase perderam o controle do sindicato.

    “Quem manda são os trabalhadores, e eles estão sempre certos. Naquela ocasião, não queriam só melhorar o tíquete-refeição, o salário, o plano de carreira. Queriam fazer a greve. Foi o dia em que mais aprendi em minha vida. E me lembrei muito de um grande presidente do Sindicato dos Bancários, o Augusto Campos, que morreu no ano passado. Ele sempre falava: ‘Vagner, na dúvida, vá com a massa’. Eu me esqueci dessa máxima, e a massa me deu uma lição.”

    Olhando para a frente, o que complica a vida de Freitas é que “a massa” está diminuindo.

    Nas grandes cidades, o emprego migra da indústria para os serviços e a configuração sindical se altera. Os bancários, que já foram 1 milhão, são hoje 470 mil.

    Os metalúrgicos do ABC paulista, um símbolo da indústria no Brasil, eram 110 mil em 2010 e hoje não passam de 70 mil.

    Outra área de força da CUT, o Banco do Brasil, perdeu 20 mil trabalhadores apenas por meio de um Plano de Demissão Voluntária (PDV), segundo Freitas.

    Ato do 1º de maio na Avenida Paulista. Nos tempos de vacas gordas, havia shows que atraíam multidões – EDILSON DANTAS / AGÊNCIA O GLOBO

    Não bastasse isso, os pequenos negócios estão cada vez mais como os responsáveis pela geração de renda.

    Um estudo do Sebrae mostrou que, dos 72 milhões empregados no setor privado, 24,7 milhões trabalham em empreendimentos de pequeno porte, com ou sem carteira assinada.

    Ou seja, os trabalhadores estão cada vez mais pulverizados, e não concentrados num único local, dificultando a abordagem dos representantes sindicais e até mesmo sua ação conjunta.

    Em busca de respostas rápidas para o novo governo que toma posse no dia 1º de janeiro, Freitas já pensa numa reformulação total da organização sindical.

    “O desafio é organizar de forma mais racional e menos fragmentada”, disse.

    O exemplo que a CUT mira é o da Alemanha, onde oito sindicatos representam os trabalhadores em todo o país. No Brasil, são cerca de 12 mil entidades.

    Sem fazer alarde, a central sindical já começou a setorizar seus sindicatos em quatro grupos: indústria e construção civil; comércio, serviços e logística; serviços públicos; e rurais.

    Freitas afirmou que as empresas têm o poder de demitir e contratar e acredita que a relação com os trabalhadores amadurece na negociação.

    Para o presidente da CUT, porém, nada melhor que trabalhar com a realidade: “O Bolsonaro tem de começar a governar para o povo saber o que faz. À medida que for fazendo, vamos reagindo. É assim que funciona, não tem outro jeito”.

    Dos tempos do Sindicato dos Bancários, Freitas não guarda apenas ensinamentos. Tem também uma dor de cabeça. O sindicalista participou da criação da Bancoop, a polêmica cooperativa que lançou o prédio no Guarujá onde fica o tríplex que levou Lula à prisão.

    Falida, a Bancoop transferiu vários prédios para a OAS, uma das empreiteiras da Lava Jato. Dono de um apartamento iniciado pela Bancoop, o presidente da CUT é também investigado pelo Ministério Público de São Paulo.

    O caso chegou a ser enviado para a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, mas foi devolvido aos promotores paulistas no fim de 2017, onde permanece como procedimento a ser investigado.

    Em abril de 2016, o apartamento, de 58 metros quadrados e três quartos, que estava em nome da OAS, foi transferido para o nome da mulher de Freitas. Na escritura lavrada no 18º Cartório de Imóveis da capital paulista, consta que a compra foi feita por meio de instrumento particular em 2013, não registrado na época.

    O presidente da CUT disse que esse foi o primeiro apartamento que teve na vida e que tem os comprovantes de pagamento.

    Por sorte, afirmou, não morava lá quando saíram as reportagens, pois manifestantes foram protestar na frente do prédio, mas ficou o constrangimento para ele, a mulher e os filhos.

    Freitas está confiante de que tudo será esclarecido sem problemas no caso do apartamento. Quanto ao governo Bolsonaro, sua avaliação é bem menos otimista.

    “Tentam nos secar financeiramente. Querem nos fazer abaixar a cabeça, mas quero dizer que continuamos aqui, continuamos incomodando”.

    “Defendemos nosso ponto de vista, mas aceitamos o ponto de vista contrário. Somos uma instituição vinda da democracia. Mas fomos forjados na ditadura e temos couro grosso.”



    Publicado por jagostinho @ 14:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.