Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 11out

    UCHO.INFO

     

    Após tirar Lula e a cor vermelha da campanha, só falta Haddad dizer que é de direita desde que nasceu

     

     

    Ciente de que precisa se reinventar, se é que isso é possível, mas acreditando que a candidatura à Presidência pode ser a tábua de salvação, o Partido dos Trabalhadores agora aposta no “faz de conta” para continuar corrida presidencial.

    Reunida nesta quarta-feira (10), em São Paulo, a coordenação da campanha petista decidiu que no segundo turno a candidatura do presidenciável Fernando Haddad será repaginada para passar a ideia de frente política.

    Para tal, o vermelho esquerdista perdeu espaço para o verde-louro da bandeira nacional no material de campanha, como se isso fosse suficiente para camuflar a ideologia.

    De igual modo, o slogan da campanha passou a ser “O Brasil para todos”, substituindo “O Brasil feliz de novo”.

    E nessas mudanças cosméticas a imagem de Lula, preso em Curitiba, desapareceu do material oficial da campanha de Haddad e Manuela D’Ávila.

    O PSOL e o PSB foram incorporados à estrutura da campanha, que já tinha PT e PCdoB.

    Ou seja, trocar o vermelho pelo verde e amarelo é mais uma estratégia para induzir o eleitor a erro.

    O próximo passo é abrir espaço para o PDT de Ciro Gomes, que já conversa com a cúpula petista para chegar a um acordo.

    Na televisão e nas redes sociais, a campanha petista decidiu com prioridade a desconstrução da imagem de Jair Bolsonaro (PSL).

    “Agora é partir para a desconstrução, mostrar que ele é um falso nacionalista e não é contra o sistema, ao contrário, é parte do sistema”, disse o presidente do PSOL, Juliano Medeiros.

    Integrantes da campanha petista orientaram a militância a explorar nas redes sociais as propostas econômicas de aliados do deputado, como o candidato a vice, Hamilton Mourão, que se manifestou contra o 13º salário e o adicional de férias, classificados pelo general reformado como “jabuticabas”.

    Com o anúncio de que Jaques Wagner, ex-governador da Bahia e senador eleito, assumiu o comando da campanha de Haddad, esperava-se que os rumos seriam outros.

    Contudo, as mudanças anunciadas são pífias e apostam em algo desnecessário e pouco convincente.

    Agora só falta Fernando Haddad vir a público para anunciar que sua candidatura é de direita.



    Publicado por jagostinho @ 15:26



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.