Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18set

    PODER 360

    *XICO GRAZIANO

     

    Jamais o PSDB deve apoiar Haddad, escreve Xico Graziano

     

    PT pedir apoio é ‘cara de pau’, escreve

    Bolsonaro é forte porque é verdadeiro

    Gostaria de ver Alckmin no 2º turno

     

    Para o PT, o Brasil começou em 2003, escreve autor

     

    O PT sacaneou a democracia, corrompeu a República, destruiu a esperança da política, e agora o Haddad vem candidamente solicitar apoio do PSDB para voltar ao poder.

    É muita cara de pau.

    Sou testemunha de que FHC, ainda no Ministério da Fazenda, em 1993, tentou compor com o PT na aprovação do Plano Real.

    Lula e Zé Dirceu, procurados pessoalmente, se negaram a ajudar na estabilização da economia.

    Para eles, quanto pior, melhor. Sempre pensaram assim.

    Anos mais tarde, após Lula ter recebido a faixa presidencial com distinção até exagerada por parte de FHC, o PT passou a tratar o PSDB como inimigo mortal.

    Sua (falsa) narrativa da “herança maldita” doía nos tucanos como uma punhalada nas costas.

    Os petistas se divertiam com a maldade contra FHC.

    Jamais o PT, nem seus aliados vermelhos, reconheceram um pingo que fosse da construção democrática erigida com decisiva participação de Franco Montoro, Mário Covas, José Richa, Sérgio Mota, Paulo Renato e tantos outros.

    Não. Para o PT, o Brasil havia começado em 2003.

    Locupletaram-se no poder, julgaram-se os donos do mundo.

    Quando trombaram com o Mensalão, inventaram um novo marketing: o “nós contra eles”.

    Favoreceram a dissensão social. Era um disfarce. Lula defendia abertamente os pobres e, escondido, fumava charuto cubano com os ricaços.

    A picaretagem lulista corria bem até surgir a Lava Jato. Deu no que deu.

    Essa esquerda vagabunda e corrupta que come eternamente na mão do Lula não entendeu ainda que foi ela quem criou o mito Bolsonaro.

    O capitão é uma reação popular contra a desordem petista.

    E não venham os moralistas da liberdade dizer que enfrentamos um dilema entre a democracia e a barbárie. Pura retórica.

    Há quem, em nome da aliança PT/PSDB, fale ter medo do “fascismo”.

    Conversa ridícula, antiga.

    Quando a Guerra Fria ainda dominava o mundo da política, fazia sentido raciocinar assim.

    Naquela época, fascismo, socialismo, comunismo, esquerda, direita, social democracia, essas categorias faziam sentido.

    Perderam valor no século 21.

    São outros os recortes que norteiam a política, no Brasil e afora.

    O povo quer bem-estar, qualidade de vida, por certo.

    Mas quer segurança também, quer viver em paz.

    Mais. Na era da democracia digital, a cidadania exige decência e coerência dos políticos.

    Que tirem as máscaras da falsidade. Goste-se ou não das suas ideias, Bolsonaro é forte porque é verdadeiro.

    Argumentar que nossa democracia está em jogo significa aprisionar o pensamento crítico.

    Nem os militares querem voltar ao poder, nem as instituições permitirão retrocesso nas liberdades humanas.

    Se Bolsonaro vencer haverá, é obvio, rupturas no sistema dominante, e estas causam compreensíveis temores no establishment.

    Talvez, contraditoriamente, por isso mesmo poderão ser positivas.

    Que ninguém tenha dúvidas: o verdadeiro veneno da democracia é secretado pela jararaca enjaulada.

    Nada será pior para o Brasil do que o retorno da quadrilha vermelha ao poder central.

    Eu gostaria de ver o Alckmin no 2º turno.

    Se não der, por mim, jamais o PSDB apoiará Haddad.

     

    *Xico Graziano, 65, é engenheiro agrônomo e doutor em Administração.

    Foi deputado federal pelo PSDB e integrou o governo de São Paulo.

    É professor de MBA da FGV e sócio-diretor da e-PoliticsGraziano.



    Publicado por jagostinho @ 16:51



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.