Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 30jun

    UCHO.INFO

     

    Supremo acaba com a farra dos sindicatos ao manter a não obrigatoriedade do imposto sindical

     

     

     

    O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta sexta-feira (29), por 6 votos a 3, manter a extinção da obrigatoriedade da contribuição sindical, aprovada pelo Congresso em 2017 como parte da reforma trabalhista.

    Desde a reforma, o desconto de um dia de trabalho por ano em favor do sindicato da categoria passou a ser opcional, desde que autorizado previamente pelo do trabalhador.

    A maioria dos ministros do STF concluiu que a mudança feita pelo Legislativo é constitucional.

    O ministro Alexandre de Moraes, que votou nesta sexta-feira para que o imposto seja facultativo, avaliou que a obrigatoriedade tem entre seus efeitos negativos uma baixa filiação de trabalhadores a entidades representativas.

    Para o magistrado, a Constituição de 1988 privilegiou maior liberdade do sindicato em relação ao Estado e do indivíduo em relação ao sindicato, o que não ocorreria se o imposto for compulsório.

    “Não há autonomia, não há a liberdade se os sindicatos continuarem a depender de uma contribuição estatal para sobrevivência. Quanto mais independente economicamente, sem depender do dinheiro público, mais fortes serão, mais representativos serão”, afirmou Moraes.

    O ministro Marco Aurélio Mello, que concordou com o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, disse: “O hábito do cachimbo deixa a boca torta”.

    Como votaram os ministros

    Votaram a favor da não obrigatoriedade da contribuição sindical a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, e o os ministros Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Luiz Fux, primeiro a divergir e a quem caberá redigir o acórdão do julgamento.

    A favor do imposto compulsório votaram os ministros Dias Toffoli, Rosa Weber e Luiz Edson Fachin, relator das ações diretas de inconstitucionalidade que questionavam o fim da obrigatoriedade.

    Não participaram do julgamento os ministros Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

    Em seu voto, mesmo vencido, Fachin sustentou que a Constituição de 1988 foi precursora no reconhecimento de diretos nas relações entre capital e trabalho, entre os quais, a obrigatoriedade do imposto para custear o movimento sindical.

    “Entendo que a Constituição fez uma opção por definir-se em torno da compulsoriedade da contribuição sindical”, afirmou.

    O Supremo começou a julgar na quinta-feira (28) ações protocoladas por diversos sindicatos de trabalhadores contra alterações na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), feitas pela Lei 13.467/2017, a reforma trabalhista.

    Entre os pontos contestados está o fim da contribuição sindical obrigatória.

    Diferentemente das alegações apresentadas por dezenas de sindicatos, a contribuição compulsória servia na extensa maioria das vezes para enriquecer dirigentes sindicais e patrocinar movimentos e protestos em favor da esquerda nacional, responsável por levar o País à mais grave e múltipla crise de todos os tempos.

    Com a decisão do STF, chega ao fim a farra dos sindicatos.

    Por outro lado, o Supremo precisa analisar com afinco a realidade enfrentada por trabalhadores de algumas categorias, já que a obtenção de determinados registros profissionais depende do pagamento de contribuição sindical.

    Publicado por jagostinho @ 18:09



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.