Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15jan

    REINALDOBLOG DO REINALDO AZEVEDO – VEJA.COM

     

     

    A repatriação e o caixa de campanha: a preocupação faz sentido?

     

    Até faz, mas é preciso avançar na análise. O risco infinitamente mais grave vem de outro lugar: o STF encurtou a distância entre eleição e crime organizado

     

     

    É evidente que não se pode ignorar que a repatriação de recursos chega em ano eleitoral — no caso, eleições municipais. Mais: por obra e graça de oito ministros do Supremo — sete ainda estão no tribunal —, as eleições hoje não podem receber recursos nem de empresas nem do estado.

    Vale dizer: em princípio, a disputa não será financiada nem por dinheiro público — não há mais tempo de votar a regra — nem por dinheiro oriundo de pessoas jurídicas: sete doutores caíram na conversa de Roberto Barroso, e tal contribuição foi considerada inconstitucional.

    Restou a doação de pessoas físicas, limitada pela lei a 10% dos rendimentos brutos auferidos pelo doador no ano anterior à eleição.

    Para começo de conversa, o expediente vai gerar um verdadeiro laranjal de doadores.

    Estruturas partidárias repassarão a falsos doadores os recursos que depois serão legalizados com a doação.

    Vai ser o período do caça-CPF…

    E, mesmo assim, é evidente que o dinheiro será insuficiente. De algum lugar, convenham, virá a grana. Mas de onde?

    Pode vir de recursos oriundos da internalização? Olhem, até pode. Mas essa é apenas a hipótese benigna, meus caros.

    Nós estamos prestes, isto sim, por obra e graça de Barrosão e dos amestrados que o seguiram, a assistir a uma inundação de dinheiro no processo eleitoral oriundo do crime organizado.

    O que estou a dizer com isso? Para financiar as campanhas com caixa dois, nem será preciso recorrer a esse dinheiro que entrará legalmente no Brasil.

    O dinheiro ilegal pode dar conta do recado.

    Vale dizer: o fato de existir o risco de que parte da grana que está no exterior vá para a campanha eleitoral chega a ser, dos males, o menor, ainda que no caixa dois.

    E lembro, pois, que pessoas e empresas até podem fazer a partidos e candidatos a doação ilegal de recursos legais.

    O pior dos cenários é outro: a doação ilegal de dinheiro também ilegal, cuja origem é o crime mesmo.

    E, como sabe qualquer pessoa que lide com a lógica, as campanhas precisarão de dinheiro vivo, não é?, já que será ilegal.

    E nós sabemos bem quais setores lidam com moeda sonante.

    Encerro observando que a Justiça Eleitoral, que só age quando provocada, não tem estrutura para coibir a bandalheira.

    E a Polícia Federal não poderá parar tudo só para cuidar de eleições.

    O STF encurtou a distância entre a eleição e o crime organizado.



    Publicado por jagostinho @ 13:16



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.