Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 17dez

    Denise Silva <[email protected]>

     

    Brasília- DF- Brasil- 17/12/2015- Dep. Ricardo Barros (PP-PR) concede entrevista.Foto: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados

    Brasília- DF- Brasil- 17/12/2015- Dep. Ricardo Barros (PP-PR) concede entrevista.Foto: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados

    O deputado federal e relator-geral do Orçamento Ricardo Barros (PR-PR), lamentou a rejeição do plenário da Comissão Mista do Orçamento (CMO) do corte proposto de R$ 10 bilhões no Programa Bolsa Família.

    Barros vinha defendendo a redução do Bolsa Família depois de diversos estudos e análises sobre o assunto e de ter recebido números da Controladoria Geral da União (CGU) que ratificavam  fraudes no programa.

    “O debate sobre o Programa Bolsa Família foi intenso aqui na Comissão. Durante meses provei aos demais deputados das irregularidades nesse programa. O meu objetivo não era desamparar as famílias, e sim corrigir as deficiências apresentadas na execução do programa”, avaliou.

    O parlamentar lembrou que o Governo Federal reduziu em mais de 50% o Minha Casa Minha e fez grandes cortes no Ciências Sem Fronteiras e Pronatec.

    “Sinceramente, vejo como incoerência do Governo insistir em manter cerca de R$ 28 bilhões para um programa que todos sabem que existem fraudes constantes. Sugeri o corte de R$ 10 bilhões, ainda sobrariam R$ 18 bilhões. Recursos suficientes para atender as famílias que realmente precisam do benefíc

    Durante o período em que trabalhou em cima do relatório do Orçamento, Ricardo Barros se propôs em focar no equilíbrio das contas públicas visando a retomada do crescimento econômico do Brasil.  

    “Sempre defendi um orçamento equilibrado para 2016, todos os esforços, despesas e receitas foram avaliados com o objetivo de entregar um Orçamento Equilibrado e, assim o fiz”, disse.

    Segundo ele, algumas alterações foram feitas no texto-base devido a demandas emergenciais como a viabilização de recursos para o combate ao Aedes Aegypti e a meta fiscal foi diminuída em R$ 10 bilhões para justamente evitar o corte no Bolsa Família.

    A CMO concluiu a votação da peça orçamentária de 2016 na noite desta quarta-feira (16) e o Orçamento segue para votação no plenário em sessão conjunta do Congresso Nacional. 

    O deputado federal e relator-geral do Orçamento Ricardo Barros (PR-PR), lamentou a rejeição do plenário da Comissão Mista do Orçamento (CMO) do corte proposto de R$ 10 bilhões no Programa Bolsa Família.

    Barros vinha defendendo a redução do Bolsa Família depois de diversos estudos e análises sobre o assunto e de ter recebido números da Controladoria Geral da União (CGU) que ratificavam  fraudes no programa.

    “O debate sobre o Programa Bolsa Família foi intenso aqui na Comissão. Durante meses provei aos demais deputados das irregularidades nesse programa. O meu objetivo não era desamparar as famílias, e sim corrigir as deficiências apresentadas na execução do programa”, avaliou.

    O parlamentar lembrou que o Governo Federal reduziu em mais de 50% o Minha Casa Minha e fez grandes cortes no Ciências Sem Fronteiras e Pronatec.

    “Sinceramente, vejo como incoerência do Governo insistir em manter cerca de R$ 28 bilhões para um programa que todos sabem que existem fraudes constantes. Sugeri o corte de R$ 10 bilhões, ainda sobrariam R$ 18 bilhões. Recursos suficientes para atender as famílias que realmente precisam do benefício”.

    Durante o período em que trabalhou em cima do relatório do Orçamento, Ricardo Barros se propôs em focar no equilíbrio das contas públicas visando a retomada do crescimento econômico do Brasil.

     “Sempre defendi um orçamento equilibrado para 2016, todos os esforços, despesas e receitas foram avaliados com o objetivo de entregar um Orçamento Equilibrado e, assim o fiz”, disse.

    Segundo ele, algumas alterações foram feitas no texto-base devido a demandas emergenciais como a viabilização de recursos para o combate ao Aedes Aegypti e a meta fiscal foi diminuída em R$ 10 bilhões para justamente evitar o corte no Bolsa Família.

    A CMO concluiu a votação da peça orçamentária de 2016 na noite desta quarta-feira (16) e o Orçamento segue para votação no plenário em sessão conjunta do Congresso Nacional. 



    Publicado por jagostinho @ 16:37



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.