Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 08dez

    CONGRESSO EM FOCO

     

    Temer: há “lastro jurídico” para processo de impeachment

     

    Vice-presidente contesta ministros e diz que há fundamentação jurídica na decisão de Eduardo Cunha de dar andamento a pedido de impeachment.

    Peemedebista também acusa o Palácio do Planalto de divulgar “carta confidencial” enviada por ele a Dilma

     

     

    Temer: “Me surpreendi com o fato gravíssimo de o palácio ter divulgado uma carta confidencial”

     

    A relação entre o vice-presidente Michel Temer e a presidente Dilma Rousseff azedou de vez.

     Após a divulgação do teor de sua “carta confidencial” a Dilma, em que afirma se sentir um “vice decorativo” e menosprezado por ela, o peemedebista acusou o Palácio do Planalto de ter vazado o conteúdo para a imprensa.
    Para ele, o fato é “gravíssimo”. E mais: o vice-presidente disse que, ao contrário do que disseram dois ministros, ele vê, sim, embasamento jurídico para a tramitação de um processo de impeachment contra a presidente.
    “O acolhimento tem, sim, lastro jurídico”, afirmou em relação à decisão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de dar andamento ao processo contra a petista.

     

    As declarações foram dadas pelo vice-presidente ao blog do jornalista Jorge Bastos Moreno, de O Globo.

     

    Temer contestou explicitamente, os ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Edinho Silva (Comunicação Social da Presidência) que, segundo ele, o deixaram “mal jurídica e politicamente” ao informarem à imprensa que ele havia contestado a decisão de Cunha e prometera assessoria jurídica a Dilma.

     

    “O vice Michel Temer tem longa trajetória de democrata e constitucionalista. Assim como nós, Temer não vê nenhum lastro para esse processo de impeachment”, disse Jaques Wagner na última quinta.

     

    Edinho Silva chegou a dizer que Temer, que é constitucionalista, daria assessoramento jurídico a Dilma na defesa do processo de impeachment.

     

    O vice-presidente já havia retrucado os ministros também em entrevista a Moreno.

     

    “Essa não é função do vice-presidente da República”, afirmou em relação ao possível assessoramento jurídico a Dilma.

     

    “Eu não disse isso em momento algum da minha conversa com a presidente”, retrucou a fala sobre a falta de lastro para o processo de impeachment.

     

    Leia o que Temer disse ao blog do Moreno:

     

    Escrevi uma carta confidencial e pessoa à presidente da República. Tive o cuidado de mandar pessoalmente a minha chefe de gabinete entregá-la.

     

    Mais uma vez avaliei mal. Desembarquei em Brasília agora à noite e me surpreendi com o fato gravíssimo de o palácio ter divulgado uma carta confidencial.

     

    Eu já tinha me decepcionado quando os ministros Edinho Silva e Jaques Wagner divulgaram versões equivocadas do meu último encontro com a presidente, me deixando mal jurídica e politicamente.

     

    Eu havia sido comunicado pelo Eduardo Cunha que ele acolheria o pedido de impeachment.

     

    Reconheci seu direito de fazê-lo e depois o ministro Jaques Wagner colocou na minha boca a afirmação de que a decisão não tinha lastro jurídico. Constrangido, tive que desmenti-lo.

     

    O acolhimento tem sim lastro jurídico.”



    Publicado por jagostinho @ 12:19



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.