Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 01out

    GAZETA DO POVO

     

    E-mails apreendidos revelam convite de Gleisi para empreiteiros investigados

     

    Senadora Gleisi Hoffmann voltou a aparecer na investigação da Lava Jato. Foto:- Wenderson Araujo Gazeta do Povo

    Senadora Gleisi Hoffmann voltou a aparecer na investigação da Lava Jato. Foto:- Wenderson Araujo Gazeta do Povo

     

    A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) voltou a aparecer nas investigações da Operação Lava Jato. Na análise dos e-mails apreendidos pela Polícia Federal (PF) na Odebrecht, o nome da senadora aparece em uma troca de mensagens entre executivos da empresa.

    Trata-se de um convite da Casa Civil para uma reunião na qual estariam presentes representantes de outras quatro empresas investigadas na operação.

    Na troca de e-mails, a secretária do presidente da Odebrecht informa que Marcelo Odebrecht teria sido convidado para uma reunião no dia 10 de abril de 2013.

    “Ligaram da Casa Civil [Min. Gleisi] lhe convidando para uma reunião no dia 10/04, quarta-feira, às 9h00. Assunto: seguro de obras, concessões e similares”, diz um trecho do e-mail enviado à Odebrecht.

    De acordo com o e-mail, também foram convidados para a reunião os presidentes da Camargo Correa, OAS, Queiroz Galvão e Andrade Gutierrez – todas empresas investigadas na Operação Lava Jato por suspeita de formação de cartel para concorrer a obras públicas no país.

    Em resposta, Odebrecht pede que a secretária verifique se o executivo Benedicto Barbosa da Silva Junior pode ir em seu lugar. Segundo o presidente da empreiteira, “Ele mesmo [Benedicto] fala na Casa Civil”. Barbosa afirma que se organizaria para participar do encontro.

    Marcelo Odebrecht está preso no Complexo Médico Penal, em Pinhais, desde junho desse ano, quando a PF deflagrou a 14ª fase da Operação Lava Jato. Ele foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por participar do esquema de corrupção investigado pela Lava Jato.

    Investigações

    Essa não é a primeira vez que o nome da senadora Gleisi Hoffmann aparece vinculado às investigações da Lava Jato.

    No Supremo Tribunal Federal (STF) há um inquérito que investiga a participação de Gleisi no esquema.

    Em depoimentos em regime de colaboração premiada o doleiro Alberto Youssef, disse que teria doado R$ 1 milhão para a campanha de Gleisi ao Senado, em 2010, por intermédio de um empresário, dono de um shopping center em Curitiba.

    O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, também disse em delação premiada que, em 2010, recebeu pedido “para ajudar a campanha” de Gleisi.

    Segundo ele, a solicitação foi feita por Paulo Bernardo.

    Mais recentemente, o juiz federal Sergio Moro encaminhou ao STF outros indícios de envolvimento da senadora na Lava Jato.

    Segundo o despacho, parte do dinheiro repassado da Consist – empresa investigada por irregularidades em contratos no âmbito do Ministério do Planejamento – ao escritório do advogado Guilherme Gonçalves – que trabalhou em campanhas de Gleisi – foi usado para pagar despesas da senadora.

    Um dos exemplos citados no despacho de Moro é o pagamento do salário de um motorista de Gleisi.

    De acordo com os investigadores, a Consist teria iniciado pagamentos de vantagens indevidas depois da celebração de um acordo de cooperação entre o Ministério do Planejamento, a Associação Brasileira dos Bancos (ABBC) e o Sindicato das Entidades Abertas de Previdência Privada (Sinapp).

    O objetivo do acordo era a disponibilização, pela internet, de serviços e sistema informatizado de gestão de margem consignável em folha de pagamento.

    Na semana passada, o STF aprovou o fatiamento das investigações referentes ao caso. A senadora será investigada no Supremo, mas o relator do caso não será o ministro Teori Zavascki, que atua nos casos da Lava Jato.

    Já os demais envolvidos, que não possuem prerrogativa de foro, serão investigados em São Paulo, e não mais no Paraná, onde atua a força-tarefa da Lava Jato.

    Outro lado

    Em nota, a senadora Gleisi Hoffmann afirmou que fez várias reuniões com os empresários para “discutir o tema de seguro de obras no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do Programa de Investimento em Logística (PIL)”.

    “Numa dessas reuniões foi chamada para ouvir as grandes empresas que respondiam por obras do PAC e também manifestavam interesse em concessões. Participaram também o diretor de infraestrutura em logística do PAC, o diretor de Grandes Riscos da BB Seguros e o subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil. Foi uma reunião divulgada na agenda diária e publicada no site da Casa Civil”.

    “Em outras oportunidades, nos reunimos com presidentes de associações da área, como a Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) e a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC)”, diz a nota.

    A senadora nega qualquer relação com a Consist. Sobre a suposta doação de R$ 1 milhão, Gleisi se defende.

    “Foram ouvidos todos os empresários que contribuíram para a minha campanha, foi levantado sigilo telefônico, tudo. E não apareceu absolutamente nada. Resta saber como vai ser finalizada”, diz.

    Publicado por jagostinho @ 10:26



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.