Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19ago

    ESTADÃO

     

     Cunha parodia Dilma e diz que País sofre crise de confiança

     

    Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em Brasília
    Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, parodia Dilma em palestra realizada para empresários, nesta terça-feira(Ueslei Marcelino/Reuters)

     

    Em palestra para empresários da região Centro Oeste nesta terça-feira (18), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), criticou o ajuste fiscal promovido pelo governo federal, classificando-o como “pífio”.

    Cunha disse que o País vive uma “crise de confiança” e, sem citar nominalmente a presidente Dilma Rousseff, parodiou a declaração da petista sobre dobrar metas não estabelecidas.

    Cunha disse que as crises política e econômica enfrentadas pelo Brasil são “irmãs siamesas”, mas que a prioridade é debelar os entraves políticos.

    “É preciso que a gente saiba enfrentar as duas separadamente, mas a prioridade é sempre resolver a crise política porque ela te proporciona as condições políticas para enfrentar a crise econômica.

    A crise política permite a imagem da segurança para aqueles que querem enfrentar a crise econômica”, disse Cunha em palestra na terceira edição do evento “Visão Capital”, promovido pelo “Jornal de Brasília”.

    Cunha afirmou que o País vive uma “crise de confiança” e que o ajuste fiscal promovido pelo governo é “pífio”.

    “Muito do que a gente vive da crise econômica de hoje não (é) só por modelos equivocados que possam ter sido implantados no passado na administração da economia, mas é também pela perda da confiança que a sociedade tem no comando da economia”, afirmou.

    “Vivemos, mais que a crise econômica, a crise de confiança. O ajuste fiscal, em si, é pífio e ele não tem nem relevância numérica no problema da falta de superávit. Ele é muito mais simbólico, com o objetivo de mostrar que se tem controle sobre as contas públicas e, consequentemente, você gerar perante os investidores a segurança de que o dinheiro vai ser aplicado num País que vai dar certo”, disse Cunha, acrescentando que “a confiança tem que ser restabelecida”.

    “Deixamos de ser a bola da vez aos olhos da comunidade internacional. Precisamos voltar a ser a bola da vez”, disse o peemedebista.

    Reforma tributária

    Aos empresários, Eduardo Cunha falou da discussão que corre na Câmara sobre reforma tributária. Ele se posicionou contra o aumento da carga tributária, solução, segundo o peemedebista, “longe de ser inteligente”.

    Ao prometer colocar em votação o texto que sair da comissão que discute o tema na Casa entre setembro e outubro, concluindo-a até o final do ano, Eduardo Cunha parodiou uma declaração de Dilma Rousseff feita em julho deste ano, quando ela tentava explicar a meta estabelecida para o Pronatec.

    “Como diria…, primeiro a gente atinge a meta. Depois a gente dobra a meta. (risos) Vamos tentar atingir a meta e, depois, se possível, a gente dobra. Vamos chegar e atingir esse objetivo e, atingido esse objetivo, a gente espera poder tratar de coisas que tenham a ver com o Centro Oeste, ver o que é possível dentro do nosso País atingir”, afirmou Cunha, sem mencionar o nome de Dilma, arrancando risos contidos da plateia.

    A frase utilizada por adversários para ironizar a presidente ganhou grande repercussão nas redes sociais: “Não vamos colocar meta. Vamos deixar a meta aberta, mas, quando atingirmos a meta, vamos dobrar a meta”, disse Dilma sobre o Pronatec Aprendiz em 28 de julho.

    Questionado por um dos empresários sobre o “clima político” para que a presidente Dilma conclua seu mandato, Cunha se esquivou.

    “Prefiro não entrar neste tipo de debate. Seria alimentar um tipo de debate que não cabe a mim. Prefiro não responder. O dia a dia vai acabar respondendo”, afirmou.

    Publicado por jagostinho @ 13:17



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.