Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 27mar

    UCHO.INFO

    PF afirma que montante da corrupção na Receita Federal pode ser quase o dobro da Lava-Jato

     

    corrupcao_15Nesta quinta-feira (26), a Polícia Federal iniciou a Operação Zelotes, que investiga crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, advocacia administrativa, tráfico de influência e associação criminosa no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), uma espécie de tribunal da Receita Federal.

    A PF acredita que os desvios investigados na Operação Zelotes podem superar os valores da Operação Lava Jato, que foi cerca de R$ 10 bilhões.

    Há suspeitas que os valores ultrapassem os R$ 19 bilhões, referentes a 70 processos investigados. Até agora já foram apurados desvios de R$ 5,7 bilhões.

    Nas operações de busca realizadas durante a manhã em Brasília, São Paulo e Ceará, já foram apreendidos R$ 1 milhão em dinheiro vivo e carros de luxo.

    O termo ‘Zelotes’ foi escolhido para descrever falso zelo ou cuidado fingido.

    Foram cumpridos mandados em dois gabinetes na sede do Carf, em Brasília.

    As investigações apontam para o suposto envolvimento do atual conselheiro Paulo Roberto Cortez e do ex-presidente do Carf em 2005, Edison Pereira Rodrigues.

    A PF cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços dos dois.

    O Carf é um colegiado formado por funcionários do Ministério da Fazenda e representantes da sociedade, cuja função é julgar recursos em que contribuintes questionam a cobrança de tributos, multas e juros.

    Segundo informações, a organização atuava no órgão patrocinando interesses privados, buscando influenciar e corromper conselheiros com o objetivo de conseguir a anulação ou diminuir os valores dos autos de infração e da Receita, resultando em milhões de reais economizados pelas empresas autuadas em detrimento do erário da União.

    Servidores repassavam informações privilegiadas para escritórios de assessoria, consultoria ou advocacia em Brasília, São Paulo e outras localidades para que realizassem captação de clientes e oferecessem facilidades no Carf.

    Segundo notas divulgadas pela Receita e pela Corregedoria da Fazenda, “constatou-se que muitas dessas consultorias teriam como sócios conselheiros e ex-conselheiros do Carf.”

    As investigações foram iniciadas em 2013 e apontaram que grupos de servidores estariam manipulando o trâmite de processos e o resultado de julgamentos no conselho.

    A investigação se estende sobre julgamentos suspeitos desde 2005. No total foram expedidos 41 mandados de busca e apreensão e determinado sequestro de bens e bloqueio de recursos financeiros dos principais envolvidos.

    A RF e a Corregedoria informaram que as operações se estenderam a escritórios de advocacia e a salas de conselheiros do Carf.

    A operação abrange Distrito Federal, São Paulo e Ceará, e conta com a participação de 180 policiais federais, 60 servidores da Receita e três servidores da Corregedoria Geral do Ministério da Fazenda. (Por Danielle Cabral Távora)

    Publicado por jagostinho @ 16:21



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.