Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 23mar

    BLOG DO JOSIAS – UOL

    O PSDB decidiu se opor às propostas de ajuste fiscal enviadas pelo governo ao Congresso. Isso levará o tucanato a viver uma experiência paradoxal.

    Acusado por Dilma Rousseff durante a campanha presidencial de tramar medidas impopulares, o ex-presidenciável Aécio Neves comandará a resistência ao pacote indigesto embrulhado por Joaquim Levy, um ex-colaborador do time econômico do seu comitê eleitoral.

    Ao nomear para o Ministério da Fazenda Joaquim Levy, egresso da diretoria do Bradesco, Dilma parecia ter sequestrado a agenda do seu ex-oponente, condenando-o ao silêncio.

    Mas Aécio e o tucanato refinam o discurso. Além de realçar o “estelionato eleitoral” praticado pelo petismo, sustentarão que o ajuste encampado por Dilma a contragosto é “tímido”.

    Limita-se a “aumentar impostos” e a “suprimir direitos” trabalhistas e previdenciários.

    Para não ser acusado de repetir a oposição radical que o PT fazia ao governo Fernando Henrique Cardoso, o tucanato planeja defender a adoção de uma pauta alternativa.

    Nela, o ajuste fiscal é parte de um amplo programa de “reformas estruturais”.

    De resto, planeja-se emendar as propostas do governo.

    Alega-se que faltam ao embrulho de Dilma, por exemplo, medidas que imponham sacrifícios maiores à União e estimulem os investimentos, indispensáveis à retomada do crescimento da economia.

    O PSDB sinalizou seus planos aos parceiros de oposição —DEM, PPS e Solidariedade.

    Sem prejuízo de que cada legenda formule suas emendas, espera-se que a oposição atue em conjunto, forçando o PT de Dilma a defender as medidas impopulares que ela dizia na campanha que não eram necessárias.

    — Atualização feita às 3h13 desta segunda-feira (23):

    Em artigo veiculado na ‘Folha’, sob o título “Pagando a conta”, Aécio Neves anotou:

    “Temos hoje um governo sem qualquer diálogo com a sociedade, que faz o que quer, como quer e quando quer”.

    “Sem um plano de desenvolvimento, e eleito com base em promessas que não serão cumpridas, entrega ao país um ajuste rudimentar que terá um custo muito elevado para a sociedade, pois será baseado na redução de direitos dos trabalhadores, cortes do investimento público e aumento de carga tributária.”

    Publicado por jagostinho @ 10:26



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.