Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19mar

    romanelli

    LONDRINA E CURITIBA – Fábio Silveira, do Jornal de Londrina, e Euclides Lucas Garcia

    Advogado do primo de Richa trabalha para o líder do governo na Alep

    Marcello Panizzi diz que conhece Luiz Abi “do governo”

    Palácio Iguaçu tem negado que o parente de Beto tenha influência no Executivo

    O advogado do empresário Luiz Abi Antoun, primo do governador Beto Richa preso em Londrina, ocupou cargos no Executivo do estado e trabalha atualmente na liderança do governo na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

    O advogado, Marcello Alvarenga Panizzi, compareceu nesta quarta-feira (18) ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) para acompanhar depoimento de Abi, que é acusado de fraudar licitação de R$ 1,5 milhão para o conserto de carros do governo do Paraná.

    Panizzi disse estar licenciado do trabalho no gabinete da liderança. Mas, até esta quarta, não havia sido publicado nenhum ato confirmando exoneração ou licença dele das funções.

    O deputado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), líder do governo na Assembleia, disse que o fato do seu funcionário advogar para o primo do governador não significa que haja relação institucional entre Abi e o governo.

    Mais tarde, Romanelli emitiu nota informando que Panizzi exerce a função de assessor jurídico de plenário, o que não gera incompatibilidade legal no exercício da advocacia privada.

    Segundo a nota, Panizzi prestou o primeiro atendimento a Luiz Abi a pedido do advogado de defesa do caso, Sérgio Botto de Lacerda – que é procurador do estado lotado na coordenadoria de recursos e ações rescisórias.

    No governo de Requião, Botto foi procurador-geral do estado.

    O líder do governo ainda informou que os dois dias em que Panizzi prestou serviços fora da Assembleia serão descontados de seu salário.

    De acordo com o site da Transparência da Assembleia, Panizzi recebe salário bruto de R$ 12.083,34 – o valor líquido é de R$ 9.891,31.

    “Do governo”

    Em seu depoimento ao Gaeco, Abi permaneceu em silêncio. Acabou sendo o seu advogado quem deu a principal informação do dia.

    Questionado sobre de onde conhecia Abi, Panizzi respondeu: “do governo”.

    O governo tem negado que Abi tenha influência na administração. Apesar de não ter cargo formal, o primo de Beto Richa é considerado “influente”.

    Silêncio

    Assim como Abi, Ismael Ieger, dono da oficina Providence, e Roberto Tsuneda, sócio do empresário na KLM Brasil, também permaneceram em silêncio nos seus depoimentos desta quarta ao Gaeco.

    As duas empresas são investigadas por suposta participação na fraude da licitação para contratar o serviço de manutenção de veículos oficiais na região de Londrina.

    Demissão do chefe da Receita é publicada após oposição dizer que Abi o indicou ao cargo

    Um dia antes de o deputado Requião Filho (PMDB) acusar Luiz Abi de ter influência suficiente no governo do estado para indicar nomes para vários cargos, entre eles o de delegado da Receita Estadual em Curitiba, o Executivo exonerou o atual ocupante da vaga.

    Conforme Diário Oficial publicado nesta quarta-feira (18), Roberto Pizzatto foi exonerado do comando do órgão na segunda-feira (16).

    Na terça-feira (17), dia seguinte à prisão de Abi, Requião usou a tribuna da Assembleia Legislativa para afirmar que o primo do governador Beto Richa (PSDB) tem um “poder enorme” no governo.

    Como exemplo, o vice-líder da oposição questionou se Abi não seria o “lastro político” que impedia o desmonte do suposto esquema de corrupção envolvendo auditores da Delegacia da Receita Estadual em Londrina.

    Ao Jornal de Londrina, o ex-secretário da Fazenda Luiz Carlos Hauly disse que a equipe técnica que montou à frente da pasta, entre 2011 e 2013, “teve que conviver com a política”.

    No momento, Requião tenta coletar as 18 assinaturas necessárias para instalar na Assembleia uma CPI para investigar o caso. Por enquanto, porém, a oposição tem apenas sete apoios.

    Nenhum representante da Secretaria da Fazenda foi encontrado para explicar os motivos da exoneração de Roberto Pizzatto. (ELG)

    Publicado por jagostinho @ 11:04



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.