Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 11mar

    repassando6

    CELSO NASCIMENTO/GAZETA DO POVO

    Não se faz jornalismo sem boas fontes. E foi graças a uma boa fonte que esta coluna informou no dia 20 de fevereiro que a secretária da Fazenda, Jozélia Nogueira, desocuparia a cadeira logo depois do carnaval.

    A secretária desmentiu: apenas se submeteria a uma simples cirurgia de hérnia de hiato durante os dias momescos e, em seguida, voltaria ao posto onde se dedicava a recuperar as finanças do estado.

    As fontes de Jozélia estavam mal informadas: ontem, em seu primeiro dia de trabalho após voltar de férias caribenhas, o governador Beto Richa anunciou a demissão de Jozélia, ainda mal restabelecida da cirurgia.

    Para seu lugar, nomeou Luiz Eduardo Sebastiani, que já fora seu secretário municipal da Fazenda quando prefeito de Curitiba. Eleito governador, Richa levou-o para a Secretaria da Administração. Ultimamente ocupava uma diretoria da Copel.

    Richa também foi obrigado a refazer seus planos para preencher a vaga de secretário da Segurança deixada pelo procurador Cid Vasques.

    O governador pretendia nomear o delegado da Polícia Federal José Alberto Iegas. Chegou a anunciar a escolha, mas em seguida levou um rotundo “não” do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que se recusou a liberar o delegado.

    Sem alternativa melhor, Richa buscou no Instituto Médico Legal (IML) o legista Leon Grupenmacher, que deixa de lidar com a paz dos mortos para agora cuidar da segurança dos vivos.

    O novo secretário é médico oftalmologista, o que levou um delegado a brincar: “Enfim, um homem de visão na Segurança”.

    Cristaleira

    A procuradora Jozélia Nogueira assumiu a Fazenda em outubro num momento delicado.

    Pouco antes, o cargo fora abandonado pelo ex-secretário Luiz Carlos Hauly após constatar que, diante do descontrole das finanças provocado pelo “xoque de jestão” e pela prodigalidade de gastos determinados pelo Palácio Iguaçu, corria o risco de ser apontado como culpado pelo caos. Não era.

    Político vivo que depende de votos, preferiu reassumir a cadeira de deputado federal para não morrer sob o desgaste que sofreria em razão dos cortes brutais de despesas que teria de fazer para poder pagar o 13.º do funcionalismo.

    Jozélia, cuja única ambição era a de simplesmente chegar ao cume da carreira de gestora pública, aceitou o desafio.

    Abriu a porta da cristaleira e começou o serviço: suspendeu o pagamento de fornecedores, deixou viaturas policiais sem gasolina, paralisou obras, cortou telefones da Segurança Pública, racionou a comida dos cachorros da Polícia Militar e, sobretudo, estabeleceu confrontos até pessoais com colegas secretários.

    Enquanto livrava o governador do vexame de não pagar o 13.º, recebia dele carta branca.

    Agora a hora é outra. É hora de sepultar a política de terra arrasada que Jozélia pôs em prática e fazer ressuscitar a paz. E ninguém melhor do que o paciente e educado Luiz Eduardo Sebastiani para cumprir a missão pacificadora.

    A dúvida é se conseguirá cumprir a missão principal: reorganizar as finanças.

    Publicado por jagostinho @ 09:12



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.