Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 24nov

    FOLHA.COM

    O ano da Copa não será a salvação das companhias aéreas, que amargam prejuízos bilionários e devem registrar crescimento zero neste ano.

    Devido ao Mundial, as empresas estimam queda de receita e de demanda no tráfego aéreo doméstico em 2014.

    “O viajante a negócios que compra passagem dois dias antes pagando tarifa cheia vai desaparecer nesse período”, afirma o presidente da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), Eduardo Sanovicz.

    O segmento de negócios e eventos empresariais representa mais de 65% da demanda no transporte aéreo. O temor é que haja uma substituição da demanda.

    No lugar do passageiro que viaja a negócios, entra o turista esportivo, que paga menos pelos bilhetes.

    As empresas dizem que é cedo para fazer previsão de quanto seria a queda no movimento de passageiros, mas baseiam a previsão negativa no comportamento da demanda nos Mundiais anteriores.

    Na Alemanha, o aeroporto de Berlim viu o movimento de passageiros encolher 18% em 2006, ano da Copa.

    Nos dois anos seguintes, contudo, o movimento não só se recuperou como deu um salto.

      Editoria de Arte/Folhapress  

    Já na África do Sul, a Copa não foi capaz nem de recuperar o movimento perdido com a crise financeira global.

    O movimento de passageiros em Johannesburgo, principal porta de entrada do país, em 2010, foi inferior ao de 2008. Lá, o efeito da exposição internacional do destino durante o Mundial ainda não foi sentido.

    O movimento de passageiros em 2012 (18,6 milhões) foi similar ao de 2008.

    No longo prazo, as empresas estão otimistas e esperam um aumento no fluxo de turistas diante da exposição do Brasil na mídia internacional.

    Esse sentimento misto com relação aos efeitos do Mundial também é sentido em outros segmentos do turismo, como o mercado hoteleiro.

    Depois da euforia de investimentos, o Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil já fala em riscos de superoferta de leitos em sete cidades-sede: Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Manaus, Salvador, Porto Alegre e Recife.

    A entidade também reduziu a previsão de crescimento acumulado para a demanda no período de 2012 a 2015, de 18% para 16%.

    Estudos sobre eventos esportivos mostram que o efeito positivo, através de investimento, se dá dois anos antes.

    “É cedo para prever o impacto na economia. O ritmo de produção deve aumentar antes da Copa, com muitas empresas antecipando produção para compensar o mês parado”, diz Frederico Turolla, sócio da Pezco Consultoria e professor da ESPM.

    “Se a Copa fosse há três anos, ia bombar em termos de benefício para o Brasil. Mas, hoje, como a imagem não está mais lá essas coisas, o resultado não deve ser tão positivo”, completa.

    O desempenho do país nos jogos também deve influenciar no impacto para a economia em 2014, já que mais feriados serão decretados caso o Brasil avance no torneio.

    Publicado por jagostinho @ 16:25



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.