Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 25ago

    FOLHA.COM

    O senador de oposição Roger Pinto, em foto de 2010, que estava asilado na embaixada brasileira de La Paz - Gaston Brito/Reuters

    O senador de oposição Roger Pinto, em foto de 2010, que estava asilado na embaixada brasileira de La Paz – Gaston Brito/Reuters

    O senador boliviano Roger Pinto Molina, que estava há quase 15 meses na embaixada brasileira em La Paz, chegou neste sábado a Cuiabá (Mato Grosso).

    A informação foi confirmada à Folha por seu advogado, Luís Vasquez. O Itamaraty disse que não comentaria a informação

    O parlamentar recebeu asilo do Brasil em junho do ano passado com o argumento de que é perseguido pelo governo Evo Morales –alegava sofrer ameaças de morte.

    Mas ele não podia deixar a embaixada por falta de salvo-conduto da Bolívia –permissão necessária para que o asilado deixe o país em segurança.

    Vasquez diz que foi informado sobre a saída do parlamentar do local quando Molina já estava no Brasil.

    Segundo ele, a estratégia para a viagem do boliviano foi traçada por funcionários da embaixada brasileira –o governo boliviano não teria concedido o salvo-conduto.

    Ele teria viajado em um carro da embaixada.

    O advogado afirma que o parlamentar ainda não decidiu onde vai morar.

    O senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), presidente da comissão de Relações Exteriores do Senado, disse que, até amanhã, Molina deverá ir a Brasília.

    À família, Molina não informou nem em que cidade estava. “Por segurança dele e da família, ele apenas nos disse que estava bem, que havia chegado ao Brasil, e que nós não nos preocupássemos”, disse à Folha Denise Pinto, filha do boliviano.

    Em junho, Molina recebeu sentença de um ano de prisão após ser acusado de causar danos econômicos ao Estado.

    Segundo a acusação, enquanto era diretor da Zona Franca de Cobija, em 2000, Pinto teria desviado cerca de R$ 3,5 milhões para a Universidade Amazônica de Pando.

    O senador nega que tenha havido desvio e defende que o dinheiro foi aplicado na universidade.

    Foi a primeira sentença contra o oposicionista, que enfrenta mais de 20 processos no país.

    O parlamentar e seu partido, o Convergência Nacional, argumentavam que os processos eram arranjados e que ele não tinha acesso a um julgamento imparcial.

    Em junho, o advogado dele no Brasil, Fernando Tibúrcio, protocolou no STF (Supremo Tribunal Federal) um habeas corpus extraterritorial –classificado no documento como o primeiro caso na Justiça do país.

    Uma das possibilidades era que o STF determinasse a concessão de um carro diplomático para Molina deixar a Bolívia.

     

    Publicado por jagostinho @ 09:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.