Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 15ago

    TIJOLAÇO/FERNANDO BRITO

    Finalmente, já que os jornais – exceto O Globo, que publicou uma pequena matéria na noite de sábado – não quiseram dar um pulinho logo ali em Itajubá, o ex-presidente da Siemens, Adilson Primo, demitido desonrosamente em 2011.

    Segundo a imprensa, Primo teria “preferido”o silêncio, durante três longas horas.

    Apesar de poucas revelações, a matéria de sábado, assinada por Flávio Freire e Thiago Herdy, tem um trecho mostrando como é explosivo o homem-bomba deste caso:

    Primo é visto como um homem intempestivo: fala alto e bate na mesa, quando quer impor suas decisão.

    Teria dificuldade de lidar com subalternos. É pouco paciente para explicar uma decisão pela segunda vez.

    No entanto, criou fama de sempre acertar, quando o assunto é estratégia de venda, de marketing ou de qualquer outro tema.

    Foi esse jeito truculento que fez com que a empresa tivesse dificuldade de encontrar um funcionário para testemunhar contra ele no processo trabalhista.

    — O funcionário mal conseguia falar na frente, tremiam as mãos, realmente ele era muito temido — conta um funcionário da empresa.

    Hoje, Primo pouco vai a São Paulo. E tem evitado a imprensa. Para isso, tem ajuda da secretária pessoal Jociléia, que não esconde a preocupação com o humor do chefe:

    — Ele foi bem claro comigo: “não quero atender ninguém para falar de Siemens, muito menos a imprensa”. E eu vou fazer exatamente o que ele pediu, sem mais nem menos. Será que deu para você entender? — disse a fiel Jociléia.

    Sim, Jociléia, deu para entender.

    De qualquer forma, republico a matéria de hoje O Globo, acrescentando que, segundo o Jornal Nacional ele disse não lembrar de muita coisa e que, como presidente na empresa, não acompanhava as licitações das quais a Siemens participava.

    Claro.

    Ex-presidente da Siemens presta depoimento ao MP de São Paulo

    “O ex-presidente da Siemens Adilson Primo prestou depoimento de três horas na tarde dessa quarta-feira na sede da Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social da Capital, no Centro de São Paulo.

    No entanto, de acordo com pessoas presentes no depoimento, ele preferiu o silêncio e pouco contribuiu com as investigações.

    Primo trabalhou na Siemens por 34 anos e foi demitido da empresa em 2011, suspeito de desviar aproximadamente 7 milhões de euros por meio de uma conta bancária em Luxemburgo.

    Atualmente ele cobra da sua antiga empregadora cerca de R$ 50 milhões em indenizações na Justiça. Hoje ele é secretário de administração e gestão em Itajubá, no interior de Minas Gerais.

    Primo dirigia a multinacional alemã durante o período em que teria ocorrido formação de cartel para licitações de obras de trens e metrô em São Paulo, entre 1999 e 2009, nas gestões dos governadores tucanos Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra.

    Pelo menos quatro dezenas de inquéritos envolvendo suspeitas de fraude em licitações do metrô neste período estão em curso na Promotoria do Patrimônio Público.

    Segundo o promotor César Dario Mariano, responsável pela convocação de Primo, o ex-executivo foi ouvido na condição de testemunha, e não como investigado. Outros dirigentes da Siemens devem ser ouvidos nos próximos dias.

    — Como o depoimento ocorreu sob sigilo, não posso entrar em detalhes. Mas, pelo material que já temos, há provas fortes e substanciais de formação de cartel. O que buscamos agora é envolvimento de agentes públicos — diz o promotor.

    Além de Mariano, promotores que atuam em outros processos relacionados à Siemens também participaram do depoimento.”

    Publicado por jagostinho @ 16:28



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.