Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 09ago

    GAZETA DO POVO

    Policiais apreenderam documentos na sede do IFPR, em Curitiba: 43 mandados de busca e apreensão foram cumpridos

    Policiais apreenderam documentos na sede do IFPR, em Curitiba: 43 mandados de busca e apreensão foram cumpridos

    A Polícia Federal desarticulou ontem um esquema que teria desviado R$ 6,6 milhões do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR).

    Dezoito pessoas foram presas na Operação Sinapse – entre elas, 3 professores da unidade e 15 funcionários de duas Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscips). A PF apura a participação da diretoria do IFPR no crime.

    A investigação apontou fraudes na aplicação de recursos repassados pelo Ministério da Educação ao IFPR para a celebração de convênios com as Oscips Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas para Otimização da Tecnologia e da Qualidade Aplicada (Ibepoteq) e Agência Brasileira de Desenvolvimento Econômico e Social (Abdes), ambas sediadas em Curitiba.

    Entre 2009 e 2011, de acordo com a Controladoria-Geral da União (CGU), foram firmados contratos na ordem de R$ 78 milhões, e R$ 43 milhões já foram aplicados.

    “Em uma análise cautelosa, chegamos aos R$ 6,6 milhões [de desvio]. Mas esse valor pode ser ainda maior, tendo em vista que havia ainda R$ 11 milhões para serem contratados”, explica o delegado Felipe Hideo Hayashi, da Delegacia de Combate ao Crime Financeiro da PF.

    De acordo com o delegado Igor Romário de Paula, da Delegacia de Crimes Fa­zendários da PF, o papel da direção na fraude ainda é objeto da investigação.

    “Ainda não podemos confirmar essa participação, mas há fortes indícios de que há o envolvimento de membros da diretoria”, afirmou.

    O reitor da IFPR, Irineu Colombo, foi afastado do cargo por 90 dias a fim de resguardar o andamento das investigações. Interrogado pela PF, ele negou qualquer participação nas fraudes.

    Colombo é filiado ao Par­tido dos Trabalhadores (PT), legenda pela qual foi vereador em Medianeira (Oeste do Paraná), duas vezes deputado estadual e uma vez deputado federal.

    Em junho de 2006, foi eleito com 77,38% dos votos válidos para a reitoria do IFPR, sucedendo no cargo Apílio Leal, atual secretário de Ciência Tecnologia e Ensino Superior do governo Beto Richa.

    Os contratos sob suspeita englobam as gestões de Colombo e Leal. A investigação começou em março do ano passado, quando a PF foi acionada pela CGU.

    A fraude, segundo a PF, consistia em firmar contratos para serviços que não eram prestados em sua totalidade. Além disso, para mascarar os crimes, o grupo usava contratos falsos e fazia prestações de contas inexistentes.

    A operação, que envolveu 200 policiais, ocorreu em Curitiba e Cascavel, no Oeste do Paraná, e em São Carlos e Sorocaba, no interior de São Paulo.

    Reitor diz que ele próprio solicitou a investigação

    O atual reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR), Irineu Colombo, disse em entrevista coletiva que foi ele próprio quem solicitou a apuração da Controladoria-Geral da União sobre os contratos firmados com Oscips.

    “Identificamos problemas quando tomei posse e, por isso, solicitei o apoio da CGU para analisar os contratos.

    Assim que percebemos indícios de irregularidades, afastamos três gestores da Diretoria de Educação a Distância (EAD/IFPR) e, em dezembro de 2013, suspendemos um contrato de R$ 20 milhões com uma Oscip.

    “Não fizemos antes para não prejudicar 20 mil alunos matriculados nos cursos a distância”, disse Colombo.

    De acordo com o reitor, que foi afastado do cargo pela Justiça Federal pelos próximos 90 dias, foram tomadas medidas para evitar a sangria dos cofres públicos, como passar a licitar livros que eram impressos, sem licitação, via Oscips.

    “Havia um preço majorado nessas impressões e passamos a licitar a gráfica assim que isso foi identificado”, afirmou.

    O IFPR informou ainda que está colaborando com as investigações da Polícia Federal e da CGU, e que todos os documentos solicitados foram entregues durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão na sede do IFPR, emitidos pela 2.ª Vara Criminal do Paraná.

    Outros lados

    Procurada pela Gazeta do Povo, a assessoria da Se­­cretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, pasta hoje ocupada por Apílio Leal, ex-reitor do IFPR, disse que o secretário estava em agenda externa e que não conseguiu localizá-lo para comentar a investigação.

    A reportagem também tentou contato com as Oscips citadas via números de telefones disponibilizados nos sites do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas para Otimização da Tecnologia e da Qualidade Aplicada (Ibepoteq) e da Agência Brasileira de Desenvolvimento Econômico e Social (Abdes), mas não conseguiu contato com os responsáveis pelas instituições.

     

    Publicado por jagostinho @ 09:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.