Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 25jun

    FERNANDO RODRIGUES/FOLHA DE SÃO PAULO

    Ao propor pactos para governadores e prefeitos, a presidente Dilma Rousseff emparedou os políticos de maneira geral e fez uma aposta na retórica.

    O anúncio de grandes acordos tem efeito limitado e incerto no curto prazo.

    Soou estranho que Dilma tenha falado de maneira aberta às TVs antes de ter combinado com os seus interlocutores sobre as ideias apresentadas.

    Deixou os colegas numa situação desconfortável.

    Yasuyoshi Chiba/AFP
    Pessoas assistem ao pronunciamento oficial em que Dilma propõe plebiscito
    Pessoas assistem ao pronunciamento oficial em que Dilma propõe plebiscito

     

    Se algum prefeito ou governador titubear, será acusado de fazer corpo mole. Se todos aceitam, ficam a reboque da presidente.

    É difícil construir um consenso quando se começa a negociar emparedando uma das partes.

    Os políticos tradicionais estão sendo questionados nas ruas. Lutam de forma frenética por sobrevivência. Querem tentar sair da atual barafunda. Só que aderir de maneira incondicional à pouco carismática Dilma pode não ser a melhor ou única saída viável.

    Para a reforma política, Dilma propõe um curioso “plebiscito popular” (possível confusão com “iniciativa popular”) e um “processo constituinte específico”. Há aí, pelo menos, duas interpretações possíveis.

    Numa delas o Congresso teria poderes para alterar de forma facilitada certos itens da Carta. A outra possibilidade desse processo “específico” é que pessoas seriam eleitas com o fim “específico” de reescrever o sistema político –depois voltariam para casa.

    É ínfima a chance de o Congresso aprovar uma emenda constitucional concedendo a estranhos o poder de reescrever o sistema político. Os congressistas acham arriscado dar a alguém de fora do seu universo o direito de definir como serão eleições futuras.

    Por outro lado, se for para os atuais deputados e senadores (ou os eleitos em 2014) refazerem tudo e depois continuarem legislando, o sistema político pode resultar em algo pior do que já é.

    Dilma quis sair da defensiva. Saiu. Mas deixou seus possíveis aliados, os políticos, no mesmo lugar e apenas com uma escolha: aderir a ela ou arderem nas ruas como insensíveis à demanda dos cidadãos. Outros presidentes tentaram essa usar essa tática e não deu certo.

    Publicado por jagostinho @ 16:31



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.