Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 28jan

    RUY CASTRORUY CASTRO  –  escritor e jornalista, já trabalhou nos jornais e nas revistas mais importantes do Rio e de São Paulo. Considerado um dos maiores biógrafos brasileiros, escreveu sobre Nelson Rodrigues, Garrincha e Carmen Miranda

     

    Todos os jornais do mundo já têm pronto o obituário do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, internado para tratamento de saúde em Cuba e dado como morto desde o fim do ano –mas, parece, ainda exuberantemente vivo, apenas fora do ar.

    É praxe dos jornais preparar obituários com antecedência sobre celebridades acima de certa idade ou já pela bola sete.

    O problema é quando o morto em potencial se recusa a ir embora. Passei por isso em 1989, ao escrever um artigo para uma revista de avião.

    Por algum motivo, eu precisava citar a morte do imperador japonês Hiroíto, que ainda não acontecera, mas que os médicos davam como certa por aqueles dias.

    Como a revista só sairia dali a três meses, sapequei Hiroíto como morto. Mas as semanas se passaram e Hiroíto não morria. Àquela altura, a revista fora para a gráfica, e seu editor, desesperado, já considerava a ideia de fazer “harakiri”.

    Por sorte, Hiroíto morreu no dia em que a revista rodou.

    Pior foi em 1990, quando um jornal me pediu o obituário de Ella Fitzgerald, então com 73 anos e, tudo indicava, a próxima diva do jazz a morrer.

    Contra minha vontade, “matei” Ella e opinei que, a partir dali, seu manto iria para a grande Carmen McRae, muito mais jovem.

    Mas, antes de Ella, quem morreu foi Carmen, em 1994, e o obituário não foi corrigido. Quando a própria Ella morreu, em 1996, o obituário saiu e lá estava eu, coroando a falecida McRae.

    Ou quando me pediram de São Paulo o obituário de Dercy Gonçalves, em 1996. Estranhei porque, naquela semana, Dercy, aos 91 anos, ia começar uma temporada no Canecão, aqui no Rio.

    Mas aceitei a tarefa, e Dercy “morria” lindamente no meu texto. Na vida real, só foi morrer 12 anos depois, em 2008, e, quando isso aconteceu, seu obituário tinha caducado por completo.

    Na verdade, eu é que quase morri antes dela.



    Publicado por jagostinho @ 12:29



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.