Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19jan

    FRANCE PRESSE
    Simpatizantes do presidente Hugo Chávez durante manifestação, em Caracas

    Simpatizantes do presidente Hugo Chávez durante manifestação, em Caracas (Leo Ramirez/AFP)

    Os médicos cubanos que atendem Hugo Chávez em Havana estão sendo pressionados pelo governo de Raúl Castro para estabilizar a situação do mandatário venezuelano ao ponto de, pelo menos, permitir que ele tome posse do cargo e nomeie Nicolás Maduro vice-presidente.

    A informação foi divulgada nesta sexta-feira pelo jornal espanhol ABC, o mesmo que publicou reportagem, no início deste mês, apontando que o caudilho estava em coma induzido.

    A posse de Chávez para o mandato 2013-2019 estava prevista na Constituição venezuelana para ocorrer no último dia 10.

    Na véspera, contudo, o Supremo Tribunal de Justiça endossou a tese chavista de que o juramento em Caracas seria mera “formalidade”, e afirmou que há uma “continuidade administrativa” no país, uma vez que Chávez foi reeleito em outubro.

    Na esteira da decisão judicial, os ministros e o vice-presidente – que não é eleito, mas nomeado – permaneceram em suas funções.

    Segundo o ABC, está sendo considerada a possibilidade de transferir Chávez – apesar dos riscos – para o Hospital Militar de Caracas, onde ele continuaria internado, mas poderia prestar juramento e confirmar Maduro como vice, acabando com os questionamentos sobre suas funções.

    A prioridade de Cuba, diz a reportagem, seria impedir que o chefe da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, assumisse o comando do país – os Castro, que dependem do petróleo venezuelano, confiam mais no vice para manter a relação entre os dois países.

    A oposição questionou a interpretação dada pelo chavismo à Constituição, defendendo que fosse declarada ausência temporária ou absoluta do coronel. Neste caso, uma nova eleição seria convocada e, até que fosse realizada, Cabello ficaria no poder.

    Citando fontes ligadas à equipe médica que atende Chávez, o jornal afirma que o mandatário sofreu uma parada cardíaca no último dia 5. E que, apesar da melhora em relação a uma pneumonia sofrida há alguns dias, sua condição geral segue crítica.

    OEA – O chanceler do Panamá, Rómulo Roux, negou nesta sexta-feira que a Venezuela tenha pressionado o governo panamenho para que destituísse seu embaixador na Organização dos Estados Americanos, Guillermo Cochez, informou o jornal venezuelano El Universal.

    Cochez foi destituído depois de fazer críticas à situação política na Venezuela. Segundo o ministro, as declarações do embaixador não correspondem à posição do Panamá em relação ao caso.

    Em uma reunião da OEA na última quarta-feira, Cochez pediu que a “potencial violação” da Constituição Venezuelana não seja ignorada e considerou que a organização “se precipitou ao convalidar uma série de eventos sem precedente histórico” no país.



    Publicado por jagostinho @ 18:28



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • Jacob Mazalotti Cardoso Disse:

    Prezado Jota Agostinho, oposição Venezuelana… Não tem votos e nem apoio popular já “jogou a toalha”! CHÁVEZ, assumirá a Presidência por mais 6 anos…VIVA CHÁVEZ…Viva o BOLIVARISMO…!

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.