Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19dez

    GAZETA DO POVO/EUCLIDES LUCAS GARCIA

    Paranaprevidência: rombo técnico é estimado em R$ 7,3 bilhões – Foto :- Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

    Sob forte pressão dos servidores estaduais, a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) aprovou ontem, em terceira discussão, o projeto do Executivo que prevê a reestruturação do plano de custeio da Paranaprevidência.

    Com isso, a contribuição mínima mensal dos servidores ativos passará de 10% para 11% do salário. Além disso, será criado um fundo de previdência específico para os policiais militares.

    As novas regras são uma tentativa do governo de contornar o “rombo” de R$ 7,3 bilhões da previdência estadual – responsável por administrar e pagar as aposentadorias dos servidores estaduais e pensões dos dependentes deles.

    Protocolada na Assem­bleia no último dia 4, a proposta foi aprovada em apenas duas semanas. A pressa do governo em liquidar o assunto ainda neste ano e a suposta falta de debate em torno do tema criou um embate diário na Casa, que recebeu a presença maciça de servidores nas duas últimas semanas.

    Como forma de atender às reivindicações do funcionalismo, a bancada de oposição apresentou uma série de emendas ao texto da proposta.

    Entre elas, a transformação da ParanaPrevidência em uma autarquia; a paridade entre os representantes dos funcionários e do governo na composição do Conselho de Administração do fundo; e a realização de uma auditoria detalhada do sistema de previdência estadual.

    Todas as alterações, porém, foram rejeitadas em plenário. Com isso, a proposta deve seguir para sanção governamental da forma como queria o Executivo – hoje, ainda precisa passar por votação em redação final.

    Queda de braço

    Grande parte do déficit técnico bilionário – diferença entre o que se tem e o que seria necessário para pagar os benefícios futuros – da ParanaPrevidência se deve a aportes financeiros que deixaram de ser feitos ao longo dos últimos anos pelo governo estadual, que deveria contribuir com o mesmo valor pago pelos servidores.

    De acordo com o Tribunal de Contas do Estado (TC), o rombo é antigo e só nos últimos quatro anos o seu crescimento foi de 5.400%, “colocando em risco o sistema previdenciário dos servidores públicos estaduais”.

    É justamente essa uma das principais reclamações dos servidores: assumir a responsabilidade por problemas criados pelo próprio governo.

    Talvez a única conquista do funcionalismo nesse processo tenha sido a desistência do governo de taxar os aposentados e pensionistas que recebem acima do teto do INSS.

     



    Publicado por jagostinho @ 12:17



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.