Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 03dez

    FOLHA PRESS

    A mulher que há poucos dias se tornou a primeira oficial general das Forças Armadas brasileiras pede cautela no avanço feminino na carreira militar.

    A contra-almirante médica Dalva Maria Carvalho Mendes, carioca de 56 anos, na Marinha desde 1981, defende “um estudo muito aprofundado” antes de inserir mulheres na linha bélica.

    Atualmente elas ocupam funções nas áreas administrativas, de saúde e no magistrado. Só a Aeronáutica tem pilotos do sexo feminino. O Exército tem prazo de cinco anos para inserir mulheres na frente de combate. A Marinha ainda não tem norma.

    Daniel Marenco/Folhapress
    Dalva Mendes, da Marinha, a primeira oficial general das Forças Armadas brasileiras
    Dalva Mendes, da Marinha, a primeira oficial general das Forças Armadas brasileiras

    Folha – Por que a senhora entrou para a Marinha?
    Dalva Mendes – O mercado estava difícil e uma colega chegou com a novidade de que mulheres poderiam entrar na Marinha. Nós mulheres gostamos de desafio.

    E qual foi o maior deles?
    Justamente a entrada, porque era uma adaptação.

    Alguma história marcante?
    Na entrada, os uniformes tinham sido feitos para manequins e não para mulheres normais como nós. Evidentemente que na hora que os modelitos chegaram, não entrávamos neles.

    Tiveram de chamar as costureiras para aprontarem os uniformes da noite para o dia. E eu engravidei durante o curso [de adaptação]. Eles me deixaram presa lá [no internato, por quatro meses], quando me soltaram eu engravidei [risos]. Eu era uma das quatro mulheres que se formaram grávidas. Meu uniforme era uma batinha.

    A senhora era casada?
    Com um engenheiro que não era militar. Fui a um clube com os meus pais e ele me tirou pra dançar. No mesmo dia me pediu para namorar. Falei que tinha 14 anos e meu pai não ia deixar.

    Meu pai é cearense, aquela mentalidade de “filha minha é no cabresto”. Mas ele não se intimidou. Meu pai ficou tão desconcertado que mandou ele ir lá em casa no dia seguinte.

    Em agosto, a presidente Dilma assinou a lei estabelecendo que o Exército coloque mulheres na linha bélica em até cinco anos. E a Marinha?
    A Marinha estuda isso há algum tempo, mas tem especificidades diferentes.

    O que falta?
    Um estudo muito aprofundado. A gravidez é um problema. Já entrou num navio de guerra? Aquele cheiro de óleo é um problema. Já pensou para quem está grávida? É incompatível. Mulher não vai suportar aquilo. E quando estiver amamentando? Não é simplesmente colocar a mulher no navio.

    A senhora é contra a mulher ocupar algum tipo de função?
    Não, desde que a pessoa tenha o pendor. Nem todas as mulheres terão o pendor de ir pro mar. É uma coisa que tem de ser vista com calma.

    Conhece a presidente?
    Só pela televisão.

    O que vai dizer a ela na apresentação de novos oficiais?
    A solenidade não prevê que se diga nada, mas é claro [que pode ser diferente]… Ela que é a chefe maior. Vou responder aquilo que me perguntar.



    Publicado por jagostinho @ 18:57



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.