Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 14nov

    FOLHA DE SÃO PAULO

     

    A condenação a 10 anos e 10 meses de prisão de José Dirceu pelo STF (Supremo Tribunal Federal) na segunda-feira (12) foi destaque na imprensa internacional.

    Além de Dirceu, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o ex-presidente do partido José Genoino, também foram condenados por corrupção ativa e formação de quadrilha. Os três formam o “núcleo político” do mensalão, segundo a denúncia.

    Para “The New York Times”, a condenação de Dirceu, “uma das figuras mais importantes no governo do PT”, causa um “choque” no sistema político brasileiro, e é um “divisor de águas” num país acostumado a ver a impunidade prevalecer sobre casos de corrupção.

    O jornal ainda fala que, no Brasil, é “muito raro” políticos passarem muito tempo presos, seja por corrupção ou outros crimes.

    O espanhol “El país” fala sobre a condenação do núcleo político e o desentendimento entre o relator Joaquim Barbosa e o revisor Ricardo Lewandowski sobre a ordem da decisão das penas.

    Ontem, Lewandowski se irritou com a mudança de ordem da dosimetria aplicada por Barbosa e deixou a sala. O jornal fala que Dirceu afirma que sua condenação foi “política” e que irá recorrer da condenação internacionalmente.

    O periódico francês “Le Monde” registra a condenação do ex-primeiro-ministro do governo Lula, que foi considerado culpado por usar sua posição de liderança tanto no governo, quanto no PT para corromper parlamentares.

    O argentino “El Clarín” diz que “quem desejava ver o ex-ministro José Dirceu atrás das grades, provavelmente poderá desfrutar do momento em breve”.

    O jornal diz que a condenação de Dirceu, dirigente histórico do PT, não foi unanimidade no STF. Eles comparam a punição do ex-ministro com a dada a Genoino, que deve cumprir a pena em regime semiaberto, levando uma vida “relativamente normal”.

    A rede britânica de notícias BBC diz que o julgamento é um “marco” no combate a corrupção no Brasil, e que os brasileiros só irão acreditar que haverá punição para os culpados quando os condenados realmente forem presos.

    Nos Estados Unidos, além do “The New York Times”, a rede de televisão CNN e o jornal Finacial Times também deram destaque para a condenação de Dirceu, e a possibilidade do ex-homem forte do primeiro governo Lula cumprir a pena na prisão.

    Publicado por jagostinho @ 09:38



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • Valmor Stédile Disse:

    E como diz Carlos Chagas, Lula está caladinho da Silva (texto abaixo)…

    Falta uma palavra. Se possível, um manifesto. Ao menos uma declaração de solidariedade a José Dirceu, mais até do que a José Genoíno e a Delúbio Soares.

    Da parte de quem? Do Lula. Afinal, sabendo ou não sabendo das lambanças do mensalão, trata-se de seu ex-chefe da Casa Civil, seu braço direito, comandante da primeira campanha e capitão do time. Sem precisar avançar críticas ao Supremo Tribunal Federal, o ex-presidente está devendo um gesto de apoio a José Dirceu. Dizer que não assistiu à sessão do julgamento só piora as coisas.

    Condenado a dez anos e dez meses de prisão, ainda se ignora quando a pena de José Dirceu começará a ser cumprida. Pode não demorar muito, pode estender-se até meados do ano que vem, mas a hora dele ser amparado pelo ex-chefe é agora. Ou foi na noite de segunda-feira. A alternativa do silêncio demonstrará o lado obscuro das relações humanas, tão comum entre nós desde que o mundo é mundo.

    Importa menos, no caso, se José Dirceu é culpado e mereceu a condenação. Não pode ser lançado pelo dono do barco como carga ao mar em meio à tempestade. Tem direito à solidariedade do primeiro-companheiro.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.