Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 12nov

    CLÓVIS ROSSI/FOLHA DE SÃO PAULO

    Entrava a madrugada de 24 de março de 1976. A presidente da Argentina, Isabelita Perón, deixava de helicóptero a Casa Rosada, a sede do governo.

    Logo em seguida, toca o telefone no escritório de Flávio Tavares, então correspondente do jornal mexicano “Excelsior” e “free-lancer” do “Estadão”, para o qual eu trabalhava à época.

    Assessores da presidente nos ofereciam uma entrevista exclusiva, na Quinta de Olivos, a residência oficial.

    Olhamo-nos perplexos. Sabíamos que um golpe militar estava em marcha há dias e tínhamos todas as razões para crer que o helicóptero não estava levando Isabelita para Olivos mas para algum dependência militar, como prisioneira.

    De fato, o golpe consumou-se minutos depois.

    Conto o episódio para ilustrar a capacidade que têm muitos governantes, em especial na Argentina, de isolar-se da realidade que os rodeia.

    Temo que Cristina Fernández de Kirchner possa estar sendo vítima de idêntico autismo político, a julgar por sua reação à impressionante manifestação da quinta-feira em Buenos Aires, com atos menos espetaculares em vários outros pontos do país.

    Antes que os hidrófobos do kirchnerismo me fuzilem, deixo claro que não há termo de comparação entre Isabelita e Cristina.

    A atual presidente é uma política de raça, goste-se ou não dela, e Isabelita nunca passou de uma cantora de cabaré que chegou à Presidência pelo compartilhamento da cama com o general Juan Domingo Perón.

    Mas o risco de não entender os ruídos da rua é permanente, para todos os governantes, de raça ou não. Atribuir a uma suposta conspiração da direita o megapanelaço de quinta é fingir desconhecer a história.

    A direita argentina jamais teve capacidade de mobilização popular. Sempre que ficava descontente, mobilizava os militares, como o fez contra Isabelita.

    A manifestação de quinta leva todo o jeito de uma repetição dos panelaços espontâneos de 2001 que forçaram outro presidente, Fernando de la Rúa, a fugir, também de helicóptero, depois de decretar um estado de sítio tão irrealista quanto a entrevista que a assessoria de Isabelita nos prometia.

    Cristina não tem o direito de ignorar que a popularidade que lhe permitiu reeleger-se, em 2011, está sendo crescentemente corroída pelos problemas econômicos visíveis até a olho nu.

    Basta lembrar que, se o crescimento econômico em seus cinco anos de governo foi de apreciáveis 5,5% ao ano na média (mais que a média de Lula no Brasil), agora a economia está praticamente estancada (crescimento de 1,4% de agosto-2011 a agosto-12).

    Sem falar na maquiagem da inflação ou nos problemas de energia elétrica ou nos controles cambiais, que nunca funcionaram na Argentina, ainda que repetidamente ensaiados.

    Cercar-se de incondicionais e brigar com o resto dos argentinos pode não levar a presidente a fugir de helicóptero, mas é a melhor maneira de enterrar os sonhos, dela ou de seus próximos, de uma re-reeleição e de levar o kirchnerismo a não fazer sucessor em 2015.

    Publicado por jagostinho @ 17:51



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.