Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 09maio

    GAZETA DO POVO

    A Câmara de Almirante Tamandaré deu início, na tarde desta terça-feira (8), a um processo que pode terminar com a instauração de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar contratos firmados entre a prefeitura e o Hospital Nossa Senhora da Conceição.

    Os contratos já são alvo de uma ação civil pública movida pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR). A Justiça já determinou o bloqueio dos bens do prefeito, dos sócios do hospital e do ex-secretário municipal de Saúde.

    As investigações do MP-PR correm sob segredo de Justiça, mas um resumo da ação civil pública foi lida em plenário na sessão legislativa desta terça-feira.

    Dois vereadores – Tonhão da Saúde (PTC) e Aldair de Souza (PSB) – já se manifestaram favoravelmente à instauração da CPI da Saúde. “Com a comissão, poderemos verificar outras irregularidades na Saúde do município”, disse Tonhão.

    Será necessária a assinatura de um terceiro vereador, para que o pedido de CPI seja votado na próxima sessão.

    Com sete votos favoráveis (de um total de 11 vereadores), a comissão parlamentar de inquérito é instaurada. “Com certeza, conseguiremos a terceira assinatura, sem problema nenhum”, complementou Tonhão.

    O presidente da Câmara, Aldinei Siqueira (DEM), ressalta que o MP-PR tem mais poderes de investigação que o legislativo municipal e que já está com os trabalhos adiantados.

    Apesar disso, ele considera que a instauração da comissão pode ser positiva. “Seria interessante para levantar o que houve, para darmos uma resposta aos cidadãos”, avaliou.

    A investigação

    A ação civil pública foi ajuizada pelo MP-PR em abril deste ano. O órgão pede a condenação por improbidade administrativa do prefeito Vilson Goinski, dos sócios do hospital, do ex-secretário de Saúde e de uma farmacêutica da Secretaria Municipal de Saúde.

    Segundo a promotora de Justiça Maria Aparecida Mello da Silva, responsável pela ação, teriam sido firmados contratos entre a prefeitura e o hospital sem a devida licitação.

    Além disso, de acordo com a promotora, há indícios de desvio de verbas que deveriam ser destinadas à saúde.

    Se condenados, os agentes públicos podem perder os cargos, além de terem que ressarcir o erário.

    Na semana passada, a Vara Cível de Almirante Tamandaré determinou o bloqueio dos bens dos acusados.

    Na noite desta terça-feira, a Gazeta do Povo tentou contato com o prefeito, mas ele não foi localizado.

    Os responsáveis pelo Hospital Nossa Senhora da Conceição também não foram encontrados.

    Publicado por jagostinho @ 13:06



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.