Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 06mar

    O presidente nacional do PMDB, senador Valdir Raupp, recebendo o manifesto do PMDB de Curitiba, entregue pelo deputado João Arruda Foto: Gabinete do João Arruda

    Curitiba, 5 de março de 2012

    Senhor Senador Presidente do PMDB

    O PMDB-Curitiba, diretório municipal eleito em convenção celebrada a 17 de julho de 2011, na pessoa do seu presidente Roberto Requião, do seu vice-presidente e pré-candidato a prefeito Rafael Valdomiro Greca de Macedo e de seu deputado federal João Arruda, todos militantes de sabida participação nas campanhas dos presidentes Luis Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, vem respeitosamente expor:

    1. Temos apoiado o PT – Partido dos Trabalhadores – em sucessivas eleições majoritárias, e recebido apoio recíproco em várias ocasiões. Desde a eleição municipal curitibana de 2004 em que fomos com o então candidato Ângelo Vanhoni, até as duas eleições presidenciais em que apoiamos o presidente Lula.

    2. Repetimos isto, aqui na cidade de Curitiba, e no estado do Paraná, nas eleições de 2010, quando o PMDB indicou Michel Temer para vice de Dilma Rousseff, reproduzindo a exitosa aliança que se estendeu ao Amazonas, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Maranhão, Minas Gerais, Tocantins, Espírito Santo, Ceará, Paraíba e Alagoas.

    3. Para a eleição deste ano, o noticiário político recente nos causa apreensão. Numa cidade onde nossos adversários – prefeito Luciano Ducci (PSB) e o então candidato ao senado Gustavo Fruet (na época no PSDB) – apoiaram veementemente o candidato derrotado José Serra, dando-lhe expressiva vitória…

    O diretório municipal do PT de Curitiba – por influência de atuais ministros – não só seria proibido de lançar candidatura própria ao pleito municipal, e/ou de celebrar acordo estratégico com o PMDB de Curitiba, como estaria sendo impelido a apoiar o ex-deputado federal Gustavo Fruet, ex-PSDB, neo-PDT, partido que parece já não integrar a base do governo Dilma Rousseff, cf. se desprende da recente votação da Lei de Previdência Complementar dos Servidores Públicos.

    4. Será que se vai cometer um erro histórico em Curitiba, dividindo a base mais fiel e expressiva do Governo Dilma, para apoiar o algoz de tantos companheiros – já astro dos noticiários – quando se inventou a demolidora denominação marqueteira de direita chamada “caso Mensalão”?

    5. Será que vamos ser incoerentes por capricho ou estratégia equivocada para 2014?
    A maioria do eleitorado esclarecido de Curitiba veria esse possível e desastroso apoio a Gustavo Fruet soando como uma confissão de culpa. Política se faz assim? Conhecedores de sua ilibada moral, trazemos ao seu conhecimento nossa posição contrária a essa possibilidade que, sinceramente, esperamos não aconteça. E deixe de acontecer por sua ação política.

    6. Em, consumando-se este rompimento do PT com o PMDB, na cidade de Curitiba, estaria anulado o pensamento estratégico em boa hora expresso pelo ex-ministro José Dirceu no seu blog, na edição do último dia 2 de março:

    “É importante termos em mente que, no pleito de 2012, o número de alianças no primeiro turno não reflete a realidade do amplo arco de alianças entre os dois partidos. É no segundo turno que vemos o quanto a aliança PT-PMDB é vital para ambos. Como vemos a aliança PT-PMDB não é pouca coisa. Então, vamos deixar os municípios em paz e discutir o que interessa ao PMDB: suas relações com o governo federal.”

    7. Alternativa construtiva ao equívoco político demolidor, que se desenha sombrio – pragmatismo provocado pela divulgação no ano passado de pesquisas de opinião sem qualquer fundamento, num momento em que 88% do eleitorado ainda não pensou na eleição e não decidiu em quem votar – seriam duas:

    A aliança entre os dois partidos, mesmo que informalmente no primeiro turno.

    Uma sólida cooperação, alicerçada em programa comum, no segundo turno.

    O esclarecido eleitorado da cidade de Curitiba não vai acatar a transformação, em trampolim político de uma Prefeitura – que já foi modelo em planejamento urbano, soluções inovadoras e administração pública para o Brasil e o mundo.

    Sinceramente, saudações democráticas e curitibanas.

    Roberto Requião
    Presidente do PMDB de Curitiba
    Senador do Paraná

    Rafael Valdomiro Greca de Macedo
    Vice-presidente do PMDB-Curitiba
    Prefeito de Curitiba 1993-1996

    João Arruda
    Deputado federal
    Secretário-geral do PMDB do Paraná

    Publicado por jagostinho @ 18:15



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

4 Respostas

WP_Cloudy
  • Rabucentauro Disse:

    Esta encenação toda é para se agarrar na candidatura do Ducci. Vindo de Greca e Requião, tudo pode acontecer.

  • Nascimento Disse:

    Estou sabendo que o requião e o Ducci se telefonam todos os dias. O Greca é a noiva traída. De olho Grequinha !!!!

  • Cícero Disse:

    O Requião fala para quem quer ouvir, pois é um bocudo, que acha o Ducci fraquinho, mas para destruir o Fruet ele faz qualquer coisa. Quanto ódio hein, senador ?

  • kianardi Disse:

    Quero ver se o Greca leva sua candidatura até o final… E se for será que vai bater no Ducci??? Até agora não ouvi nada.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.