Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 30dez

    GAZETA DO POVO/CHICO MARÉS

    O atual prefeito de Cascavel, Edgar Bueno (PDT), deve encontrar dificuldades para se reeleger. Em sondagem realizada pelo instituto Paraná Pesquisas para a Gazeta do Povo, o pedetista está na frente em todos os cenários.

    Entretanto, caso haja um segundo turno, o deputado estadual Leonaldo Paranhos (PSC) aparece empatado tecnicamente com o prefeito, com uma vantagem de 2%.

    A margem de erro é de 4%, para mais ou para menos.

    A disputa em Cascavel passa, necessariamente, pelo número de eleitores que a cidade terá em 2012.

    Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de novembro de 2011, o município tem 195 mil eleitores.

    Entretanto, caso a cidade atinja a marca dos 200 mil eleitores até maio de 2012, existe a possibilidade de as eleições irem para o segundo turno – caso nenhum dos candidatos consiga 50% dos votos válidos ainda no primeiro turno.

    “O número de eleitores cadastrados tem flutuado muito, não havendo certezas em relação à configuração de um segundo turno em Cascavel”, comenta a cientista política da Unioeste Rosana Kátia Nazzari.

    A média de eleitores em relação ao número de habitantes de um município, no Brasil, é de 71%, mas em Cascavel esse índice flutua entre 64% e 67%.

    A cientista política conta, também, que grupos políticos da oposição fazem campanha para que pessoas da região transfiram seus títulos eleitorais para o município, para tentar forçar esse crescimento.

    Cenário incerto

    Para Rosana, o alto número de indecisos na pesquisa espontânea – mais de 80% – indica que o eleitor ainda não tem um quadro claro da disputa política em Cascavel no ano que vem e, portanto, os números atuais ainda devem mudar bastante ao longo dos próximos meses.

    Além disso, denúncias de corrupção na prefeitura da cidade também po­­­dem mudar esse quadro. Em 2011, um suposto superfaturamento de uniformes quase custou o mandato de Bueno. A Câ­­­mara votou um pedido de cassação ao prefeito e o absolveu.

    “O caso dos unifomes escolares ficou mal explicado. A derrubada do barracão do teatro do Lago (patrimônio cultural da cidade), a construção do shopping sobre as nascentes do Rio Cascavel, que provocará um drama ambiental para a cidade, isto tudo virá tona no auge da campanha, o que pode mudar os resultados”, comenta Rosana.

    A cientista política avalia, entretanto, que a falta de opções politicamente viáveis e um predomínio do voto governista entre os eleitores pode beneficiar a reeleição de Bueno.

    “A cultura política em Cascavel ainda é clientelista e os nomes são sempre os mesmos. Com poucas novidades no cenário, fica difícil uma alternativa diferenciada para os eleitores”, comenta.

    Além da questão do segundo turno, Cascavel se destaca pelo grande número de postulantes à cadeira de prefeito.

    Além de Bueno e Paranhos, dois deputados federais, Frangão (PMDB) e Alfredo Kaefer (PSDB) e um deputado estadual, Professor Lemos (PT), também podem disputar as eleições.

    Além disso, Chico Menin (PPS) aparece com uma boa votação entre a população de escolaridade mais baixa. Todos esses candidatos têm capital político e capacidade de angariar apoios importantes, e podem crescer na disputa – e deixar o cenário ainda mais incerto.

    Colaborou Rosana Félix

     



    Publicado por jagostinho @ 09:40



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.