Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 22jul

    GAZETA DO POVO

    Fotos - Antonio Costa e Marcelo Elias/Gazeta do Povo

    A oposição à gestão Marcos Malucelli, presidente do Atlético, se articula para derrubá-lo na próxima segunda-feira – data da reunião administrativa entre os conselheiros do clube.

    Durante o encontro, que tem como pauta principal discussões em torno das obras na Arena, um grupo pretende colocar em votação o impeachment do dirigente, com mandato até o fim do ano.

    Na noite desta quinta, simpatizantes de Mario Celso Petraglia – o candidato opositor – fizeram uma confraternização na Sociedade Mor­genau. A ideia é justamente encorpar a estratégia.

    O adversário da situação e líder da chapa “CAP Gigante” nega qualquer trama. “Nunca houve isso. A parte de impeachment não conheço; e nem se cogitou”, diz Petraglia.

    Fora do clube, um movimento orquestrado pelo Esquadrão da Torcida Atleticana (ETA), confraria que apoia a volta do ex-dirigente, tenta arrecadar assinaturas para fragilizar ainda mais o mandatário rubro-negro.

    Um manifesto – intitulado “Xô Malucelli” – teria hoje, segundo os organizadores, 31 mil assinaturas. Dessas, 19 mil foram feitas pela internet. As outras 12 mil foram recolhidas na Boca Maldita, no Centro de Curitiba.

    O objetivo, fala Doático Santos, idealizador do manifesto, é fazer com que o Conselho Deliberativo atleticano coloque a demanda em votação na segunda-feira.

    A inclusão da apreciação não será fácil. De acordo com Gláucio Geara, presidente do Deliberativo, o documento é ilegítimo, já que não partiu da iniciativa dos conselheiros – motivo usado pelo dirigente para não receber o abaixo-assinado.

    Porém o estatuto atleticano abre a brecha para que o impedimento de Malucelli seja apreciado. O artigo 55, parágrafo 2.º, do documento diz que “…O Conselho poderá apreciar e decidir assunto que não conste da pauta se houver manifestação favorável da maioria dos membros presentes.”

    Outra estratégia dos opositores seria lançar o nome de Petraglia a uma das duas vice-presidências vagas. No início do mês, Enio Fornea e Yára Eisenbach, primeiro e segundo vice, respectivamente, deixaram o cargo. “Não raciocínio sobre hipóteses, só sobre coisa real”, esquivou-se Petraglia.

    O ETA deve encaminhar o caderno do manifesto ao vice-presidente do colegiado, o deputado estadual Alexandre Curi (PMDB).

    “É um manifesto popular. É a vontade dos torcedores do Atlético revoltados com a situação da equipe. E vale lembrar que 80, das mais de 30 mil assinaturas, são de conselheiros. Não se pode dizer que não é um movimento legítimo”, ressaltou o insurgente Doático Santos – em 2005, o mesmo fez campanha para a renúncia de Petraglia.

    Marcos Malucelli foi procurado sem sucesso pela reportagem para comentar as articulações contra sua administração. O dirigente, conforme interlocutores, está sendo preservado neste momento.



    Publicado por jagostinho @ 10:39



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.