Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 21jul

    COLUNA DE AUGUSTO MAFUZ/PARANÁ ONLINE

    Mário Petraglia nunca negou a sua proposta para construir a Arena da Baixada de acordo com os encargos da Fifa: o Atlético dispensa qualquer administração de terceiro (construtora) da obra, reduz para no máximo 180 milhões de reais e busca recursos usando o potencial construtivo cedido pelo município, e de outras fontes.

    Há um mês a empreiteira OAS era a menina dos olhos. A proposta de Petraglia, e que se confundia com interesses próprios, era inviável. Agora que a OAS e a Triunfo oficializaram as propostas, entendo que só a de Mário Celso Petraglia não irá alienar o patrimônio do Atlético em beneficio de terceiros.

    A proposta da OAS, que será feita na reunião de segunda-feira é a seguinte, e se ocorrer alguma mudança será em razão desta coluna. Ei-la, decomposta por letras:

    A) Constitui-se uma Sociedade de Propósito Especifico que fica responsável pela construção do estádio e da sua exploração por 20 anos;

    B) É feito um contrato de exploração de superfície, para explorar na Baixada bilheteria, sócios, publicidade nome do estádio, shows e qualquer fonte da qual se origine benefício financeiro;

    C) A OAS garante para o Atlético 4,5 milhões de reais por ano por conta do que já construiu;

    D) Do lucro líquido, fica 50% para a OAS e para o Atlético;

    E) A OAS fica com o poder de administrar o estádio por 20 anos e o direito do Atlético é limitado a indicar conselheiros;

    F) Atlético se obriga a participar com 30 milhões de reais durante os 20 meses de construção, desconsiderando o que gastou até agora para construir o estádio.

    G) Atlético assina como responsável solidário à OAS, em possíveis empréstimos que serão tomados no mercado.

    Analisando o objetivo do contrato, sob o ponto de vista jurídico, a proposta fere o princípio da boa fé.

    Os conselheiros não deveriam nem ouvir essa proposta por contrariar todos os interesses do Atlético.

    Embora, diga-se, seja a proposta de preferência do secretário da Copa.

    A proposta da Construtora Triunfo é simples: só quer ser remunerada em 5% pela administração da obra, que orçou em 210 milhões de reais.

    O Atlético seria responsável por tudo: teria que negociar no mercado o potencial construtivo e lhe entregar o dinheiro, buscar em outras fontes de renda o restante do custo, isentando a construtora de qualquer responsabilidade solidária.

    A proposta parece honesta, mas deixa de ser interessante na medida em que transfere todo o risco para o Atlético.

    E nunca foi essa a função social do contrato de construção da Baixada.

    Sem fazer esforço, executando um trabalho que lhe é inerente ao seu objeto social, a construtora já começa com um lucro de 10,5 milhões de reais.

    A proposta de Petráglia seria a única viável, desde que ele próprio a executasse.

    Mas aí tem que se resolver as questões pessoais que, se serviam para estimular o Atlético, agora só estão atrapalhando.

    Publicado por jagostinho @ 13:48



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.