Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 23mar

    FOLHA DE LONDRINA

    A proposta aprovada ontem em uma reunião que durou quase cinco horas, ainda terá que ser votada na Assembleia Legislativa


    Depois de muita discussão e uma reunião que durou quase cinco horas, trabalhadores, empresários e o governo do Estado chegaram a um consenso sobre o reajuste do salário mínimo regional.

    O aumento será de 6,9% e, com isso, acaba repondo praticamente só a inflação.

    Os trabalhadores queriam 14,34%, dos quais 6,04% seriam a reposição do índice inflacionário e 8,3% equivaleriam ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Paraná. Os sindicatos patronais tinham oferecido inicialmente 4,5%.

    Mas, as centrais sindicais só aceitaram o reajuste de 6,9% depois que tiveram o compromisso por parte do governo do Estado de discutir uma política de reajuste do mínimo.

    A exigência dos trabalhadores é que esta política seja definida em um prazo máximo de 120 dias depois que o novo salário entrar em vigor em 1º de maio.

    Esse encaminhamento será realizado por uma comissão tripartite formada por trabalhadores, empresários e governo. A discussão teve muitas divergências e o acordo foi fechado sem a concordância da Central Única dos Trabalhadores (CUT-PR).

    Antes mesmo que o acordo estivesse concluído, o secretário estadual de Trabalho, Luiz Claudio Romanelli, tinha anunciado que as partes tinham conseguido avançar e que o reajuste ficaria em 6,9%.

    Depois, disso o assunto voltou à mesa de discussão. Os trabalhadores queriam garantias não apenas do reajuste do salário, mas de uma política de aumento para os próximos anos e, condicionaram o fechamento do acordo a esta cláusula.

    Com o aumento, o mínimo ficará entre R$ 708,74 e R$ 819,00, dependendo de cada faixa que faz parte cada categoria de trabalhadores.

    O reajuste atinge cerca de 350 mil paranaenses de categorias sem sindicato ou convenção coletiva de trabalho.

    No entanto, apesar de não atingir diretamente um número maior de trabalhadores, o aumento do mínimo foi muito discutido porque o índice deve influenciar e servir como uma espécie de referência para as negociações coletivas que acontecem no Estado.

    A previsão de Romanelli é que o assunto seja levado para o governador Beto Richa ainda nesta semana e, em seguida encaminhado à Assembleia Legislativa para votação. Ele acredita que a votação aconteça na primeira semana de abril. O reajuste deve entrar em vigor em maio.

    O vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná e coordenador do Conselho Temático de Assuntos Legislativos, Sebastião Martins Junior, disse que não há porque manter o salário mínimo regional do Paraná como é atualmente, o maior do País.

    Um reajuste muito alto, segundo ele, poderia inibir até a vinda de novos investimentos para o Estado. Ele defende que fosse realizada uma negocição a cada ano sem a definição de uma política de aumento até porque os cenários econômicos mudam muito.

    O presidente da CUT-PR, Roni Anderson Barbosa, acredita que ocorrerão ainda muitas discussões até definir a política do mínimo. As centrais queriam mais tempo para avaliar a proposta, mas não foi possível.

    ”O governo está aliado aos empresários. Isso é jogar o piso em uma grande aventura para os trabalhadores”, declarou.

    Segundo Romanelli, a discussão da política de aumento terá a participação do Ministério Público do Trabalho e da Superintendência Regional do Trabalho e com base em estudos técnicos do Observatório do Trabalho.



    Publicado por jagostinho @ 11:08



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Uma resposta

WP_Cloudy
  • Míriam Disse:

    ” Meu pai me disse que uma vez um homem que era presidente falou que se ganhasse um salário mínimo ,dava um tiro na cabeça , mas eu acho que ele estava brincando, porque quem ganha salário mínimo não tem dinheiro para comprar revólver……
    Meu avô é aposentado …..ouvi dizer que o salário mínimo não aumentou mais, por causa dele.
    Eu não sabia que meu avô era tão importante”…

    “O salário mínimo ” Jô Soares – veja, São Paulo, 15 mai 1996 .

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.