Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 29dez

    Fonte:- Folha de São Paulo/Cotidiano

    Não houve noivos no ano passado entre os 2.526 habitantes de Bom Jesus, a 550

    Aline, na direita, é a única solteira da cidade.

    km de Florianópolis. Os moradores dizem que nem perceberam o fato, registrado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

    Mas a falta de casamentos e nascimentos e uma profusão de homens solteiros -que cuidam ao mesmo tempo da roça e dos afazeres domésticos- já são cada vez mais comuns em comunidades rurais do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

    O motivo é que as dificuldades da vida no campo afastam cada vez mais os jovens, em especial mulheres, que migram sozinhas para as cidades para trabalhar no ramo de serviços.

    O resultado é que os homens acabam ficando para cuidar da propriedade herdada da família.

    A vida de homens solteiros no interior de Santa Catarina virou até filme. O documentário “Celibato no Campo”, dos cineastas Ilka Goldschmidt e Cassemiro Vitorino, foi lançado no mês passado e deve ser exibido em mostras de cinema e cineclubes.

    Os catarinenses têm a maior sobra de homens solteiros no país, diz o IBGE. Santa Catarina tem 15 cidades que não tiveram casamentos em 2009, quase todas no oeste.

    Em propriedades familiares sem funcionários, onde a própria família cuida das plantações ou do gado, o trabalho braçal e a falta de períodos de descanso, como férias, desestimulam a permanência dos mais jovens.

    Também pesam a dependência financeira dos pais e a falta de alternativas de lazer.
    Cansada de lidar com essa situação na adolescência, Enelsi Mariani, 37, acabou deixando o campo e a propriedade dos pais.

    Ao se casar, foi para a cidade, onde hoje dirige um sindicato de agricultores de Seara (527 km de Florianópolis).

    “Com 15 anos, eu tinha que lavrar, roçar, carregar cestos, saco de ração. Trabalhava pesado, carregava peso.”

    Esse êxodo também tem relação, relatam moradores e especialistas, com o aumento da escolaridade da população.

    Mais jovens concluem o ensino médio e chegam à faculdade, o que desencoraja um retorno ao campo.

    Outro fator é a falta de espaço para mulheres na administração das propriedades.

    AS ÚNICAS SOLTEIRAS

    As únicas moças na Linha Narciso, comunidade rural de Bom Jesus, são as irmãs Aline, 17, e Adelita Malinski, 19.

    Adelita trabalha na cidade e namora. Aline é solteira e começará a faculdade no ano que vem.

    Apesar da necessidade de se deslocar todo dia para estudar, Aline diz gostar de morar na propriedade rural do pai.

    Mas a própria mãe, Janete Malinski, 39, estimula as filhas a saírem do campo. “[Aqui] é mais sofrido”, diz.

    Vizinho de Janete, Ildo Gilmar dos Santos, 34, mora com os pais e cria gado.
    Solteiro, com uma renda líquida de R$ 1.400, lamenta o desinteresse dos jovens.

    “A mulherada hoje, o pouco que tem, vai mesmo embora. O homem fica mais ainda no interior do que a mulher. A mulher vai cuidar de criança, estudar. Tem mais chance de sair”, diz.

    Santos já teve namorada, mas conta que as mulheres não se interessam pela roça.

    Publicado por jagostinho @ 16:08



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

4 Respostas

WP_Cloudy

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.