Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 10dez

    Fonte:- Revista Conhecer

    De acordo com uma nova pesquisa da Northwestern University, quando estamos no estado de sono mais profundo, nosso cérebro está ocupado consolidando memórias. E mais, somos capazes de ouvir sons que nos ajudam a lembrar de informações.

    O professor de psicologia Ken Paller tocou uma série de sons, que incluíam o assobio de uma chaleira e o miado de um gato para um grupo de indivíduos. Com cada objeto associado a um som, os indivíduos aprenderam a relacionar 50 objetos a um local na tela de um computador (por exemplo, um gato foi associado a um miado).

    Metade dos sons foi então tocada novamente enquanto os indivíduos se encontravam no período mais profundo do ciclo de sono. Após despertar, os voluntários visualizaram todos os objetos e tentaram posicionar cada um deles no local original.

    Aqueles que haviam sido vinculados a um som durante o sono tinham mais probabilidade de ser colocados no lugar certo. Paller, coautor de The brain advantage (Prometheus Books, 2009), diz:

    “Agora podemos pesquisar a possibilidade de que �deixas� sonoras possam influenciar e talvez aprimorar o armazenamento de lembranças referentes a vários tipos de informação que as pessoas querem obter”.

    Em outro experimento, Kimberly Fenn, professor-assistente de psicologia da Michigan State University, descobriu que o sono ajuda os humanos a corrigir erros de memória.

    Voluntários foram expostos a listas de palavras e, 12 horas depois, pediu-se que identificassem as que haviam visto ou ouvido anteriormente. Um grupo foi treinado pela manhã e testado ao fim de um dia normal, enquanto outro foi treinado à noite e testado depois de seis horas de sono.

    Os alunos que haviam dormido tinham mais probabilidade de dar a resposta certa. “Acreditamos que essa descoberta tem fortes implicações para os estudantes, particularmente quando forem fazer testes de múltipa escolha ou exames-padrão”, diz Fenn.

    “Muitas vezes eles sacrificam o sono para estudar a noite inteira, e nosso trabalho mostra que isso pode ser prejudicial ao desempenho.”

    Então, tendo esses estudos como base, quanto nós entendemos sobre o vínculo entre sono e memória? “O campo está realmente na sua infância”, admite Fenn. “Houve muitos avanços nas duas últimas décadas, mas ainda temos um longo caminho a percorrer.”

    Publicado por jagostinho @ 11:15



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.