Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 01out

    COLUNA DE CELSO NASCIMENTO/GAZETA DO POVO

    Faz parte da psicologia do eleitor comum o desejo de “não perder o voto”: ele espreita a situação e vota naquele candidato que lhe parece ser o preferido da maioria. Trata-se de um comportamento típico daquele popularmente definido como de “maria vai com as outras”.

    Esse fenômeno realmente existe, ninguém nega. Ele atinge principalmente a camada dos que, após (e apesar de) vários meses de campanha e de exposição dos candidatos, não conseguiram ainda, às vésperas da eleição, se decidir por nenhum deles. Atinge também os que, até mais politizados do que outros, não conseguem ver diferenças e nem se mostram satisfeitos ou convencidos com a pregação de quaisquer candidatos.

    É esse o segmento mais vulnerável às pesquisas eleitorais. Se estas revelam que o X tem mais chances de ganhar a eleição do que o Y, é para o X que tende a se dirigir a maioria dos votos dos indecisos.

    Por isso, quando uma eleição se aproxima da hora final e se presume que o eleitorado está dividido em partes iguais (ou quase), os indecisos ganham importância. São eles que, teoricamente, terão a missão de desempatar a partida e sacramentar a vitória de um ou de outro.

    O último Ibope conhecido, datado do dia 9 de setembro, mostrava que 10% dos eleitores paranaenses ainda não sabiam em quem votar. E a diferença entre Beto Richa (47%) e Osmar Dias (38%) era de 9 pontos porcentuais – inferior, portanto, ao índice de indecisos de votos até então em branco.

    Vê-se, assim, o quanto pode pe­­­sar no resultado final da eleição a – desculpem o aparente para­­­doxo – decisão dos indecisos.

    Desde o último Ibope, aqui citado, houve apenas mais uma pesquisa Datafolha, de 14 de setembro, que dividia o eleitorado em proporções ainda mais apertadas. Beto somava 45% e Osmar, 40%. Cinco pontos de distância para um contingente indeciso de 11%. Situação, portanto, ainda mais dramática.

    É esse raciocínio que leva os observadores a interpretar que a decisão de Beto Richa de calar todos os institutos de pesquisas e os veículos de comunicação que encomendaram sondagens se deve, supostamente, ao fato de que suas aferições internas indicariam um forte aperto – ou até mesmo inversão – dos resultados. Nesse caso, para evitar o fenômeno “maria vai com as outras”, o melhor a fazer é não permitir que as novas pesquisas indiquem caminho para os indecisos.

    Resta uma

    Das sete pesquisas que apareciam como registradas no site do TRE até a noite de terça-feira, resta apenas uma não impugnada até ontem. Todas as demais foram derrubadas pelos juízes eleitorais que atenderam aos apelos judiciais da coligação de Beto Richa. A única ainda não barrada era a registrada pelo instituto Alvorada, de Londrina, prevista para divulgação amanhã.

    Ainda há esperanças para uma rodada do Ibope. O instituto contratou advogados brilhantes – Joaquim Munhoz de Mello e Fernando Neves, ex-ministro do STJ – para provar ao TRE que a questionada metodologia aplicada à sua pesquisa está correta. Se seus argumentos vingarem, é possível que o apagão se dissipe no sábado – apertada véspera e confortável data para diminuir o número de marias que pretendiam seguir com as outras.

    Olho vivo

    Muro 1

    “Conseguiram me derrubar do muro! A sorte é que caí do lado certo”. A frase é do senador Alvaro Dias que, ontem, em Londrina, intensificou a campanha em favor do irmão Osmar – em tese seu adversário político no estado e no país. Alvaro, como se sabe, é tucano e faz oposição cerrada a Lula e ao PT, que por sua vez apoiam Osmar, do PDT, partido da base do governo. Por esse motivo, o senador mantinha-se neutro na campanha paranaense.

    Muro 2

    Ontem, em entrevista coletiva, ele repetiu os argumentos que o fizeram definir-se. Além da questão familiar que o leva a apoiar o irmão, Alvaro acrescentou outro: ele considerou que ele e o presidenciável José Serra foram traídos pelo candidato do seu partido, por ter provocado a fragmentação de um grupo que, unido, poderia dar grande votação à oposição ao governo federal no Paraná.

    Chávez

    Setores da Igreja abrem fogo contra a candidata Dilma Rousseff. Em Minas, a pregação que se ouve nas missas é de que a petista seria favorável ao aborto. Em Curitiba, a linha é um pouco diferente: o padre Elmo Rek, da paróquia do Butiatuvinha, surpreendeu o fiéis com um sermão em que chama Dilma de “Hugo Chávez de saias”. O presidente venezuelano, como se sabe, foi declarado persona non grata no Paraná por uma proposição do deputado Ney Leprevost aprovada pela Assembleia em 2007.

    Publicado por jagostinho @ 14:36



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

2 Respostas

WP_Cloudy
  • Peter Disse:

    Vou acessar este blog no Domingo a noite e na segunda para ver a tristeza e choradeira das viúvas do Osmar!!!!!
    Pelo Paraná inteiro só dá BETO RICHA, contra tudo e contra todos, o Povo está do lado do melhor que é BETO que vai administrar o Novo Paraná que sonhamos!!!!!

  • JOSE FERREIRA Disse:

    PETER??? VC NÃO CONHECE O PARANA ASSIM COMO SEU CANDIDATO TURISTA;O POVO PARANAENSE JA DECIDIU E ESSE MAURICINHO CRIADO DENTRO DO CURITIBANO E GRACIOSA COUNTRY OU NAS PISTAS DE KART NÃO IMAGINA A FORÇA DOS PÉ VERMEIO;O CARA NÃO SOUBE ADMINISTRAR NEM A GUARDA MUNICIPAL DE CURITIBA AGORA VEM FALAR EM SEGURANÇA PÚBLICA? E LEMBRE-SE NOS PROFESSORES NÃO ESQUECEMOS DAS LARANJAS PODRES DOMINGO A LARANJA MECANICA ESTARA EM TODOS OS LOCAIS DE VOTAÇÃO NOS AGUARDE;E DIGA AO BETINHO QUE A PARTIR DE SEGUNDA FEIRA PASSE NA AGENCIA DO TRABALHADOR E SE CADASTRE KKKKK VAMO QUE VAMO É PE VERMEIO NA CABEÇA.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.