• 21jun

    GAZETA DO POVO

     

    Fui à Câmara sentir o clima: até a oposição está colocando a mão na consciência

     

    “Foto: Michel Jesus/ Câmara dos Deputados”

     

    Durante esta semana, eu estive pesquisando na Câmara Federal como está a reforma da Previdência.

    Depois das ultimas eleições, eu não acredito muito naquelas pesquisas que outros fazem.

    Aí fui lá sentir o ambiente, que está muito favorável para passar de 60% dos votos necessários de 513 deputados federais.

    Com a ajuda decisiva do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vota-se ainda neste período, antes das férias parlamentares de julho.

    O Maia está empenhado: é a favor da reforma, se dá muito bem com Paulo Guedes, e o resto é fofoca. O pessoal está muito otimista.

    A própria oposição está conversando para não fazer bloqueios, não atrasar e não impedir a votação ainda neste período parlamentar.

    Há uma grande esperança de que a reforma da Previdência passe. Provavelmente haverá emendas no Plenário, e alguns assuntos ficarão para lei complementar ou ordinária, que não precise constar na Constituição.

    Mas o fato é que há uma consciência grande de responsabilidade de fazer a reforma.

    Só para lembrar: Lula fez a reforma da Previdência de muita coisa que era necessária naquela época, inclusive com a oposição das centrais sindicais.

    Então, isso está acima de partido. E os partidos da oposição, ao que me parece, estão entendendo isso por responsabilidade com as gerações futuras. Nada a ver com o governo.

    O governo está em uma posição confortável. Simplesmente diz para o povo: “Eu prometi e me comprometi a apresentar uma reforma da Previdência. Apresentei e está nas mãos do Congresso Nacional agora.”

    “Se o Congresso não aprovar e as contas públicas quebrarem, e não houver mais aposentadoria lá na frente, aí o problema é do Congresso que vai precisar prestar contas aos eleitores e aos estados que eles representam”.

    Existe uma ideia fajuta sendo disseminada, estão usando os mais pobres que não estão bem informados a respeito.

    Os mais pobres vão pagar menos, vão recolher menos de contribuição. Os que ganham mais irão recolher mais.

    Vai haver uma justiça dentro dessa reforma da Previdência.

    E não tem como não mudar a idade da aposentadoria. As pessoas estão vivendo mais.

    Graças aos avanços da medicina, a gente tem mais disposição ao trabalho com mais idade. Isso tem que ser feito, não tem saída.

    Outra coisa que eu queria comentar…

    Outro dia 12 senadores votaram contra converter em lei uma medida provisória que diminui a fraude na Previdência.

    Ou seja, votaram a favor dos fraudadores e da fraude na Previdência. Não dá para entender.

    E outro dia 47 senadores votaram contra o direito natural de defesa. E eu nem chamo de legítima defesa porque não precisa de lei: é uma lei natural o direto de defesa da vida e da propriedade.

    O que tem nesse decreto é que ele amplia a possibilidade de, dentro dos rigores da lei, de pedir porte sendo motorista de caminhão, o que é justificável porque é uma atividade de risco; e sendo proprietário rural também, que é uma atividade que toda hora está sendo atacada por gente que quer invadir, matar gado, queimar trator.

    Então é direito defender a propriedade.

  • 18jun

    DIÁRIO DO PODER

     

     

    Depois de posar ao lado do beiçudo Raoni – cacique “globe-trotter”, pau de cabeleira do roqueiro Sting em saltitantes viagens internacionais -, o Papa Bergoglio anuncia para outubro próximo uma “Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Amazônica”.

    Boa coisa não vai sair desse convescote no que se refere à integridade da nação brasileira.

    Antes de enfocar o tal Encontro, convém mencionar recente estudo divulgado pela “From Rome”, publicação teológica de prestígio internacional, sobre o argentino Jorge Mario Bergoglio.

    Segundo FR, a leitura precisa do Código do Direito Canônico leva à conclusão inelutável de que Bergoglio é, em todos os sentidos da palavra, um “antipapa”.

    Assinala a publicação: “A renúncia do Papa Bento XVI é inválida. Não há outra leitura autêntica do Canon 332 além do fato de que a renúncia ao munus é a condição sine qua non necessária para uma renúncia papal”.

    A abdicação de Bento deve ser questionada porque a renúncia ao ministerium, na forma das declarações papais de 11 de fevereiro de 2013, avaliada por especialistas em Direito Canônico, não pode significar uma renúncia do munus a partir do Canon 332, 188 etc.

    Portanto, acentua FR: “O Papa Bento XVI continua sendo o único e verdadeiro Papa da Igreja Católica com todos os poderes e prerrogativas desse cargo”.

    Segue daí que o Colégio de Cardeais não tem autoridade para se reunir e reeleger um Papa quando houve uma renúncia inválida.

    “Bergoglio é um usurpador do escritório papal e deve ser punido de acordo com o Canon 1381 por esse crime”.

    Neste sentido, 40 bispos do Vaticano, onde a resistência às heresias do argentino crescem dia a dia, assinaram documento pedindo sua renúncia imediata.

    Sínodo do Vaticano, em outubro, pretende uma ‘força-tarefa’ internacional para retirar a soberania brasileira da nossa Amazônia

    Conclui a publicação católica:

    “Como Bergoglio nunca teve qualquer autoridade canônica como Papa, todas as suas indicações para a Cúria Romana são nulas e sem efeito”.

    Portanto, todas as ações tomadas pela Congregação de Religiosos, ou pela Congregação da Doutrina da Fé contra qualquer um, ou as do secretário de Estado em relação a nações como a China, incluindo nomeações de bispos, etc – são todas nulas e vazias.

    – Assim, os católicos podem e de fato são obrigados por Divina Fé a insistir para que ele seja expulso do Vaticano como um usurpador – acrescenta a publicação.

    Com efeito, significativa parte dos católicos já associa o argentino Bergoglio à figura do Demo. Seu objetivo claro é minar a Igreja por dentro.

    Distorcendo a verdade religiosa, o argentino verbera que Cristo não é só espírito, mas, sim, um homem como tantos outros. (No raso, tal como os mulçumanos, Bergoglio parece desacreditar da Santíssima Trindade).

    No mesmo diapasão, julga que a crucificação de Cristo, ato da redenção humana, “foi um fracasso”.

    Ademais, cortejando a teoria evolucionista de Darwin, já de há muito desmoralizada no campo científico, avalia Bregoglio que o verdadeiro Deus não tinha poder para criar a terra em seis dias, conforme consagrado no Gênesis.

    Por sua vez, em conclave aberto no Vaticano sobre o ateísmo (organizado por um grupo de acadêmicos do Reino Unido) chegou à conclusão, herético, que não será preciso ter crença alguma para ser “moralmente superior”:

    O pecador não precisa acreditar em Deus para ir para o Céu, “desde que faça o certo a partir dos seus próprios olhos”.

    Vale concluir: Che Guevara ou Átila, o Flagelo de Deus, que acreditavam fazer o certo a partir dos próprios conceitos, estariam agora nas hostes celestiais, entre liras e lírios.

    (Seguramente, por isso, em visita ao Marrocos, ano passado, Bergoglio considerou os muçulmanos como “nossos irmãos” – exatamente no Marrocos, onde foram eliminados, na Batalha de Alcácer-Quibir, em 1578, cerca de 50 mil cristãos, dando início a massacres ininterruptos que, de lá pra cá, exterminaram milhões de católicos.

    De início, visto pelos fiéis conscientes como um típico militante da esquerda festiva, Bergoglio, embora negue, ipsis literis, a cartilha da Teologia da Libertação, apostasia cultuada no Brasil pelas figuras de Leonardo Boff e de Frei Beto (vai com um “t”, só…), este, aliado de Fidel Castro e de sua ditadura sanguinária, mais viva do que nunca na Ilha (faminta) dominada pelo comunismo ateu.

    Mas o antipapa tem suas apelações.

    Ao pressentir que milhões de católicos tradicionais estão fugindo da teologia perfilada pelo Vaticano, Bergoglio, agraciado com o emblemático brasão da foice e do martelo explorado à exaustão na URSS de Stalin, advertiu aos evadidos que “ter relação pessoal com Cristo fora da Igreja é uma tentação danosa e perigosa”.

    Voltando às estripulias de Bergoglio com o “globe-trotter” Raoni, é certo que o tal “Sínodo do Vaticano”, a ocorrer em outubro, terá por objetivo criar uma “força-tarefa” internacional (quem sabe, comandada pelo próprio argentino) para retirar a soberania brasileira da nossa Amazônia – ameaçada, segundo o insaciável establisment europeu, pelo mitológico “efeito estufa”.

    Diga-se que o antipapa recebeu o cacique na condição de “adepto do “animismo” – credo segundo o qual as pedras, as árvores e os objetos inanimados têm alma.

    No frigir dos ovos, um aparato conceitual que une o movimento indigenista ao ambientalismo internacional para promover, a peso de ouro, com suas 200 mil ONGs bem abastecidas, “uma guerra civil de baixa intensidade” e se apossar – pela ocupação – das imensas riquezas da região.

    Para completar a obra do politiqueiro (esquerdista) ora hospedado no Vaticano, temos sua carta-resposta aos garranchos enviados por Lula, o prisioneiro mais corrupto do mundo ocidental.

    Nela, divisamos o spectrum do impostor que só olha o céu para ver se vai chover, pedindo que o Chacal do ABC “não desanime e continue acreditando em Deus”.

    Uma burla dessas só no Inferno!

    P S – Matteo Salvini, primeiro-ministro italiano que vive sendo sacaneado por Bergoglio porque reza de terço na mão, aconselhou ao antipapa abrir as portas do rico Estado do Vaticano, com centenas de imóveis desocupados, para acolher os contingentes de imigrantes estrangeiros visto que a Itália, em crise, já esgotou sua cota.

    Bergoglio, mendaz, deu o calado por resposta.

    Até.

  • 15jun

    JORNAL CA CIDADE ONLINE

     

     

    A julgar pelas suas últimas e desastrosas declarações à revista Época, a respeito do vazamento publicado pelo escroque Glenn Greenwald, onde o senhor diz que “O chefe da Lava Jato não era ninguém mais, ninguém menos do que Moro. O Dallagnol, está provado, é um bobinho. É um bobinho. Quem operava a Lava Jato era o Moro”, tiramos algumas conclusões.

    A primeira delas é que a inveja e o ódio que o senhor tem do Moro, do MPF e especificamente do Dallagnol demonstram no senhor um caráter vil e uma absoluta incapacidade de usar o bom senso.

    O senhor, como “juiz”, comete o despautério de fazer juízo de valores a respeito de dois agentes públicos, mesmo diante de gravações obtidas por meios ilegais, não periciadas, editadas e cujo teor foi propositalmente colocado fora de contexto.

    Que juiz toma partido de um acusador sem antes ouvir os acusados? Que juiz subverte qualquer senso de Justiça e permite-se alimentar de provas frágeis e discutíveis apenas porque não gosta dos acusados? O senhor.

    A segunda conclusão a que chegamos se refere à sua imensa cara de pau, ao medir os outros pela régua com a qual o senhor é quem deveria ser medido.

    Um Juiz conversar com um Promotor ou até mesmo com um advogado a respeito de procedimentos processuais e adequação de uma causa aos ditames do devido processo legal não é crime.

    Isso acontece todos os dias e em todas as instâncias. Será que só o senhor não sabe disso? Não há nada de estranho nisso, que mereça uma atenção e uma observação tão rigorosa de V.Excrescência.

    Estranho, insólito, descabido e vergonhoso é um Ministro do Supremo Tribunal Federal manter comunicações com investigados, acusados e réus em ações criminais, como o senhor manteve com Aloysio Nunes, investigado por ter recebido um cartão corporativo do Paulo Preto, apontado como operador do PSDB no esquema de propinas com a Odebrecht.

    A sua ligação com Aécio Neves, investigado e agora réu também não deixou de ser vergonhosa.

    E o que dizer da sua afetuosa ligação para o então Governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, onde o senhor troca afagos com um acusado confesso de participação em diversos crimes de corrupção contra o sistema financeiro, obtenção de vantagens indevidas, lavagem de dinheiro, constituição de organização criminosa e fraudes em licitações e contratos?

    Ah… Isso é lícito. Só lembrando, o seu amigo Silval foi condenado pelo seu colega Ministro Luis Fux a 20 anos e 3 meses de prisão.

    Exemplo de moral e isenção é a sua amizade com o mafioso dos transportes Jacob Barata Filho, de cuja filha o senhor foi padrinho de casamento, e ele mesmo, Jacob, é cliente do escritório de advocacia do qual sua esposa Guiomar faz parte.

    Que moral o senhor acha que tem para abrir essa bocarra, sobretudo depois de ouvir do próprio Ministro Barroso a verdade incontestável de que (sic) “Você é uma pessoa horrível. Uma mistura do mal com atraso e pitadas de psicopatia. (…) A vida para Vossa Excelência é ofender as pessoas. Vossa Excelência, sozinho, envergonha o tribunal. É muito ruim.

    É muito penoso para todos nós ter que conviver com Vossa Excelência aqui. Não tem ideia, não tem patriotismo, está sempre atrás de algum interesse que não é o da Justiça. É uma coisa horrorosa, uma vergonha, um constrangimento.”?

    Ministro, isso apenas reforça em nós uma certeza: O senhor no STF é como aquela tartaruga no alto do poste: Ninguém sabe como foi parar lá, ela não tem nada pra fazer lá, o lugar dela não é lá… Mas inexplicavelmente está lá.

    Esqueça a sua raiva, livre-se da toxidade que o senhor representa para a Justiça e para o Brasil. Abandone a soberba e a mesquinhez que norteiam a sua conduta e as suas ações.

    Tome uma dose de humildade e peça ao Moro uma aula particular sobre como é ser Juiz. Garanto que ele vai te ajudar.

    Como sabemos que o seu caráter não o deixará aprender, resta-nos torcer para que uma hora o Senado deixe de ser omisso e extirpe o mal ou os males que contaminam o STF, dentre eles o senhor.

  • 10jun

    DIÁRIO DO PODER

     

    *PERCIVAL PUGGINA

  • 07jun

    JORNAL DA CIDADE ONLINE/LUIZ CARLOS NEMETZ

     

    A Rede Globo e o fim de um império (Veja o Vídeo)

     

     

    Já vivi para ver muitos castelos empresariais desmoronarem. Sobretudo na mídia brasileira e internacional.

    Os Diários Associados, Tupy, Excelsior, Manchete, Jornal do Brasil, Jornal do Comércio, O Estado, Tribuna da Imprensa.

    No mundo, vários veículos sumiram. Que o diga Keith Rupert Murdoch.

     

    O conglomerado Globo tanto fez, tanto abusou da arrogância e da soberba, que perdeu a noção da realidade.

    Sem respeito e sem leitura do cenário social brasileiro resolveu enfrentar a soberania popular, tratando-a, como se fôssemos uma massa acéfala. Pagou para ver e se deu mal.

    Em que pese a sua inegável qualidade técnica, errou a mão, pensando ser hegemônica, imbatível, insuperável, indispensável e eterna!

    Até que um belo dia após o outro, a desconsideração com o senso comum foi percebida. E a reação popular veio. Devagarinho…

    E não parou mais! E a audiência disse não à continuidade da manipulação, da tentativa de direcionar, induzir e manobrar a opinião pública.

    Os fatos e a velocidade da informação atropelaram o gigantismo.

    E eis que a “Vênus Platinada – o Ópio do Povo”, está diante de um encontro histórico com o impossível:

    um governo parcimonioso na distribuição de verbas publicitárias (e de patrocínio via recursos advindos de renúncia fiscal) que fechou as torneiras dos milhões de reais conquistados e esbanjados na moleza que só o dinheiro fácil proporciona; e uma concorrente real chamada CNN Brasil que “chega, chegando!”.

    Então o dito popular se consuma:

    “Quanto maior a palmeira, maior o tombo!”.

    O desmonte começou com demissões em massa, corte de salários e mudanças radicais na grade de programações.

    A família Marinho, como imperadores que imaginam ser, tentará seguir no fausto. A ficha ainda não caiu…

    Mas vão arcar com sua pesadíssima cota de responsabilidade no drama em que o país se meteu com a cumplicidade deles.

    E os afetados submissos, verão o que os brasileiros já viram muito antes: a entrada acelerada na curva da vida aí na frente, dos tempos difíceis. Avisados foram!

    Assista ao vídeo:

« Entradas anteriores   



Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota