• 26nov

    GAZETA DO POVO/ ANNA PAULA FRANCO

    Rede de salões de beleza de Curitiba pretende dobrar de tamanho nos próximos dois anos e chegar a 40 lojas abertas no país

    Foto:- Hugo Harada/Gazeta do Povo

    Hugo Harada/Gazeta do Povo / O empresário Kyrlei Boff tornou o negócio fundado pelo pai em uma rede nacional, com 18 lojas

    O empresário Kyrlei Boff tornou o negócio fundado pelo pai em uma rede nacional, com 18 lojas

    A inauguração da nova unidade do Lady&Lord no Champagnat – a nona em Curitiba — consolida o modelo de negócios que a rede aplicou em 2011, quando o diretor da empresa, Kyrlei Boff, transformou a marca em franchising.

    Na época, dez lojas próprias foram vendidas e Boff iniciou a formatação do negócio fundado pelo pai, em 1983, na Galeria Minerva, em uma próspera rede de franquias na área de beleza.

    Hoje são 18 unidades, sendo 15 em operação, e a meta é chegar a 40 salões Lady&Lord no país até 2016.

    O que pareceu um recuo no mercado foi o impulso para sustentar o crescimento do negócio. Boff decidiu pela mudança para garantir a padronização das instalações e do atendimento.

    “Em salão de beleza, o administrador precisa acompanhar a rotina. E o franchising foi a melhor forma de garantir resultados.”

    Com a parceria do franqueado em cada empreendimento, Boff mantém o mesmo padrão em todos os salões da marca. Para isso, precisou descrever seus processos para formatar a franquia.

    Foi quando começou um novo aprendizado. “Uma coisa é você ter a mesma rotina todos os dias, a outra coisa é transferir esse conhecimento e criar os protocolos”, diz.

    Procedimentos de higiene e detalhes de identidade da marca são inflexíveis para garantir segurança na administração da franqueadora e a dos próprios clientes.

    As decisões comerciais são por conta do franqueado, que administra promoções e descontos na respectiva unidade.

    Muita coisa foi redefinida nesse momento, combinando a experiência do dia a dia com a formalização dos processos.

    Até mesmo ações corriqueiras, como a forma de atender ao telefone.

    “A saudação será a mesma, aqui ou na unidade do Amapá”, explica. Macapá é um dos próximos endereços do Lady&Lord no Norte do país. A marca também estará presente no Nordeste, em Recife e Olinda (PE).

    Estratégia

    A expansão para outras regiões brasileiras faz parte da estratégia para atingir a meta de 40 unidades até 2016, apoiado nos bons números do setor.

    De acordo com dados da Associação Brasileira de Franchising, as franquias do segmento de beleza cresceram 24% em 2013.

    Com serviços para atender as classes A, B e C, a rede Lady&Lord recebe 50 mil clientes por mês. No total, 2 mil pessoas trabalham nas unidades, entre profissionais e colaboradores.

    Mas não é preciso entender de cabelo ou maquiagem para abrir um salão de beleza. Boff negocia sua marca com administradores que tenham conhecimento de gestão empresarial.

    “O franqueado é orientado sobre como procurar os profissionais no mercado, que serão treinados para prestar o atendimento adequado ao cliente”, diz.

    O investimento inicial a partir de R$ 300 mil, para lojas de pelo menos 150 m², inclui todas as taxas, montagem, arquitetura e capital de giro para um salão com os serviços básicos de cabelo, maquiagem, manicure e depilação.

    “Áreas de estética e podologia exigem aportes maiores”, diz.

    Laboratório de beleza

    A única unidade do Lady&Lord que pertence à franqueadora é a do Shopping Mueller, a primeira inaugurada com o nome.

    A ideia de adicionar o “Lady” ao nome do salão foi de Samira, esposa de Kyrlei Boff, o engenheiro que herdou o negócio o pai.

    A sede funciona como um laboratório em que Boff realiza suas pesquisas para os dois lançamentos anuais que oferece a clientes e franqueados. Para 2014 a equipe desenvolveu o Summer Fit, uma coleção de coloração de cabeços com tratamento exclusivo da marca.

  • 29abr

    ANCELMO.COM/COLUNISTA DO JORNAL O GLOBO

     

     

    Os olhos lembram os de uma índia. O nariz é delicado; a boca, provocante. Cléo Pires tem aquela beleza incontestável. Zezé Macedo, a grande atriz das chanchadas, morta em 1999, a “Chaplin de saias”, como definiu Grande Otelo, fez sucesso como a rejeitada dos filmes.

    Papel que ela repetiu na TV como a feiosa Dona Bela, na “Escolinha do Professor Raimundo”. Mas veja só como é o mundo da internet: há dias cresce uma febre na rede com esta foto vendo semelhanças entre as duas.

    A coluna procurou uma sumidade em beleza para comentar essa comparação entre as duas atrizes queridas. Ivo Pitanguy, 86 anos, cirurgião plástico há mais de seis décadas, trocou dois dedos de prosa com Márcia Vieira na sua clínica em Botafogo, no Rio:

    >>> O senhor vê semelhanças entre elas?

    Elas se parecem. O traçado da face e o formato dos olhos são semelhantes. A Cléo, eu vejo em “Salve Jorge”, é interessante. As duas têm em comum também a boca.

    Repare só: elas não têm o arco do Cupido, esta reentrância no meio da covinha no centro da boca, formada por duas colunas abaixo do nariz que descem graciosamente.

    >>> Mas como podem ser parecidas e representarem padrões opostos de beleza?

    É porque são dois conceitos. São duas pessoas que têm personalidade própria. Uma pessoa transmite nos seus traços físicos algo maior do que a morfologia.

    É como olhar uma coluna. Se ela é da Grécia Antiga, você enxerga toda Troia ali.

    >>> É possível imaginar como Cléo Pires será mais velha?

    Não se pode prever. Ela terá uma maneira própria e, se tiver o privilégio, pode envelhecer como eu: não com tranquilidade, mas com alegria. Eu nunca fiz plástica. Tenho o ego complacente.

    >>> É possível definir a beleza?

    Vários poetas tentaram. Ninguém conseguiu. Eu nunca me preocupei com isso. Mas, quando ela está presente, sei encontrar.

    >>> Quem são seus símbolos de beleza?

    Tônia Carrero, sempre, e agora a Giovana Antonelli. Ela é muito bonita.

    Tem um olhar forte, e as formas do corpo bem definidas.

  • 22mar

    UOL/CORPO A CORPO

    Kate Middleton

    Kate Middleton, Victoria Beckham, Michelle Pfeiffer, Kylie Minogue e Gwyneth Paltrow se renderam aos efeitos de uma máscara formulada com veneno de abelha.

    Chamada de Bee Venom, a máscara possui cerca de 1% do veneno e atua na pele instantaneamente.

    “A proposta do creme Bee Venom Mask, da esteticista inglesa Deborah Mitchell, que deu fama ao ativo inusitado, é simples: uma máscara que tem como princípio ativo a melitina, aminoácido presente no veneno do inseto. O produto estimula a circulação do sangue e aumenta a produção de colágeno, além de impulsionar a renovação celular”, explica Bianca Gastaldi, dermatologista (SP).

    O novo ativo tem sido utilizado em produtos anti-idade, para prevenção da calvície, anti-inflamatórios e imunomoduladores.

    Não pense que essa história nasceu sem fundamento. Um médico chamado Sang Mi Han tem realizado diversas pesquisas para comprovar a contribuição do veneno de abelha na formação de colágeno da pele.

    “Há muitos estudos mostrando que uma proteína chamada calmodulina também tem sua atividade regulada pela melitina, e a estrutura tridimensional do complexo vem sendo estudada por diferentes pesquisadores.

    Existem também pesquisas sobre a ação dos compostos da melitina com resultados benéficos ao rejuvenescimento cutâneo, assim como os fatores de crescimento”, relata Analise H. Leite Taleb, farmacêutica, membro da Sociedade Francesa de Cosmetologia e da Sociedade Americana de Farmacêuticos, cientista e bioquímica da Tave Pharma (SP).

    Uma coisa é certa: a indústria cosmética está sempre à procura de algo que possa suavizar os efeitos do envelhecimento e substituir de forma tópica o procedimento mais realizado pelos dermatologistas de todo o mundo: a aplicação de toxina botulínica para suavizar rugas de expressão.

    “Como a toxina tem sua ação limitada a apenas três a quatro meses, quando existe a necessidade de reaplicação, a busca por um procedimento menos invasivo continua sendo alvo de muitas pessoas”, explica Bianca Gastaldi.

  • 13fev

    FOLHA.COM

    O promoter Leonardo Cardoso, 29, é o nome procurado por Neymar quando o atacante santista deseja organizar suas festas.

    Foi assim no último dia 6, quando o jovem festejou seus 20 anos na boate Villa Mix, na Vila Olímpia, e no dia 19 de janeiro, quando comemorou o prêmio que recebeu da Fifapor ter feito o gol mais bonito de 2011.

     

    Zanone Fraissat/Folhapress
    O promoter Leonardo Cardoso ao lado da modelo Day Isidoro (branco) e a atriz Suellen Andrade (vermelho) no Bar Disco
    O promoter Leonardo Cardoso ao lado da modelo Day Isidoro (branco) e a atriz Suellen Andrade (vermelho) no Bar Disco

    Leonardo conheceu Neymar por meio do pagodeiro Thiaguinho, do Exaltasamba, e diz que quando o santista liga já sabe que é para convidar apenas as “gostosas”.

    “Eu olho: se é feia, nem adiciono”, diz Cardoso, que já apelou ao Twitter para arrumar um trabalho. Agora, o que antes era apenas um bico virou profissão.

    O promoter trabalha com mais de 3.500 nomes, utiliza o chat do celular e o Facebook para convocar as mulheres e não trabalha com garotas de programa.

    O promoter também convidou mulheres para a festa do são-paulino Lucas, em agosto do ano passado, quando o meia festejou seus 19 anos.

    Zanone Fraissat/Folhapress
    A modelo Luciana Bremenkamp (branco), a atriz Suellen Andrade (vermelho) e a modelo Rebeca Giancursi no Bar Disco
    A modelo Luciana Bremenkamp (branco), a atriz Suellen Andrade (vermelho) e a modelo Rebeca Giancursi no Bar Disco
  • 31jan

    THE NEW YORK TIMES

    O período de festas já acabou faz tempo, mas a maquiagem brilhante para os olhos continua em evidência, talvez por ser uma maneira fácil de espantar o baixo astral causado pelo inverno.

    “O momento é adequado para uma maquiagem caprichada, dramática”, diz Rachel Goodwin, maquiadora da Chanel.

    “O estilo está mais para filme de ficção científica, aquele lance meio Stanley Kubrick.”

    Ou talvez seja a neve que estimule a mulherada a assumir o lado Ziggy Stardust, fazendo experimentos com strass, cristais e lantejoulas ou caprichando na sombra com glitter sobre as pálpebras.

    Não há dúvida de que as coleções outono/inverno foram extra luminosas: Rachel Goodwin pintou as modelos da Chanel com Illusion d’Ombre Mirifique, uma sombra superescura com efeito brilhante; na Christian Dior, Pat McGrath caprichou e deixou os rostos das tops parecidos com máscaras de baile, com discos iridescentes, lantejoulas douradas e strass cor de âmbar nas sobrancelhas e pálpebras das modelos.

    E o festival de glitter também esteve presente nas coleções prêt-à-porter primavera/verão: na Givenchy, Pat McGrath partiu uma lantejoula prateada ao meio, colocando cada metade nos cílios superior e inferior; na Dsquared, a maquiadora Charlotte Tilbury, que trabalha para a MAC, aplicou glitter ao redor dos olhos das meninas como se fosse kohl.

    Quando vista entre tantos outros itens brilhantes na passarela _ como os espartilhos coloridos de Dolce & Gabbana, as tiaras de Louis Vuitton, os brincos chandelier de cristal e os sapatos de glitter praticamente onipresentes, a maquiagem exagerada se adequa perfeitamente, como se fosse apenas mais um detalhe num visual carregado de luz.

    “O visual exagerado vai bombar na primavera”, previu Pat McGrath, que também caprichou nos tons coloridos no desfile da coleção primavera/verão de Dolce & Gabbana usando os delineadores Jade e Silvery Burgundy da Khol Collection da grife.

    “Depois de várias temporadas de visual minimalista, o pessoal quer mais é um toque de drama. Acho que essa tendência de muita cor só vai crescer, pois as mulheres estão cada vez mais entusiasmadas com os pigmentos diferentes e as texturas fortes.”

    As celebridades, e não estamos falando só de Lady Gaga ou Katy Perry, já arriscam um brilho extra no tapete vermelho _ como Emma Watson, que usou sombra metálica e aplicou sobre ela folhas de ouro para o lançamento de “Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2” em Nova York, em julho; Anne Hathaway usou cílios postiços com minúsculos cristais para apresentar a festa do Oscar em fevereiro.

    “Já vimos de tudo”, Rachel explica. “Lábios vermelhos, olhos esfumaçados e muita pele brilhante, mas eu adoraria ver a mulherada apostando nos experimentos e se arriscando um pouquinho mais. Poxa, meninas, já está na hora!”

    Em termos práticos, porém, você gostaria de andar com uma maquiagem espalhafatosa por aí? Nem sempre.

    “É meio exagerado se você for sair só para tomar uns drinques”, afirma Ricky Wilson, maquiador da Dior.

    Há, porém, maneiras mais sutis de dar brilho aos olhos e ainda parecer sofisticada.

« Entradas anteriores   



Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota