Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 05fev

    JORNAL DA CIDADE ONLINE

     

    (Texto de Mário Sérgio Melo Xavier)

     

     

    A erva petista e o erário em vertigem

     

     

    O que temos assistido nos últimos anos, com relação às brigas de direita versus esquerda, faz parte das pregações repetitivas dos petistas do “eles contra nós”. Fazem questão de dividir o país.

    As maiores corrupções e as crises políticas institucionais e até na América Latina, fazem parte da ação direta e indireta dos tentáculos de um partido que mudou o Brasil! O PT realmente revolucionou o modo de se fazer política no país. Inovou completamente em sua Gestão.

    O PT foi um partido que nasceu dentro das entranhas sindicais e se expandiu por de trás da explosão das chamadas ONG’S. Algumas que se formaram à época, até que foram fieis ao que propuseram e atuaram e atuam até hoje com excelência.
    Em muitas outras, houve a infiltração de militantes do PT, por ser o partido que na época agrupava a maior quantidade de gente com o perfil voluntarista, em sua maioria, os intelectuais, pessoas ricas metidas a comunas e que idealizavam uma sociedade quase que totalmente alternativa.
    O carnavalesco Joãozinho Trinta, já dizia:

    “Quem gosta de pobreza é intelectual. Pobre gosta mesmo é de riqueza e luxo!”

    Tudo era muito lindo no papel e na mente “entorpecida pela erva alucinógena petista”, mas diante das dificuldades, a tal sociedade alternativa e o ideário passou a ser: “Criar um quarto poder”, que fosse comandado pela sociedade civil organizada, atendendo tudo que o estado nunca resolveu ou iria resolver.

    Logo a coisa não se sustentou da forma sonhada e então muitas ONG’S passaram e alterar os seus estatutos sociais, permitindo o recebimento de dinheiro público e privado em grande escala.

    Daí em diante, a coisa descambou e estacionou na política. O PT veio então como a representação de todo esse ideário e caiu no imaginário de alguns brasileiros.

    Do rico ao pobre. A “esperança” deveria vencer o medo! Nós podemos! Chega de capital estrangeiro e oligopólios em nossas vidas!

    Com essa capa de bom moço, o sonho então tornou-se realidade e o PT pôs no poder um semi-analfabeto. Um ex-operário ladeado com um vice-presidente que era mega empresário, que trabalhou duro a vida inteira para bancar o ideário alucinógeno de alguns.

    Neste ínterim, o voluntariado foi sendo deixado de lado, a lombra da erva foi passando, o poder foi seduzindo e desfazendo a união do ideário e transformando tudo em “política nua e crua”.

    Muitos militantes das alas mais radicais foram perdendo a lombra e abandonaram o barco, outros se rebelaram ou até foram expulsos. Surgiu então a chamada centro-esquerda, um viés político que não comungava mais com essa “esquerda de gogó” capitalista adotada por Lula e o novo PT.

    Dos expurgos temos como exemplos a Professora Heloísa Helena e a Ex-Senadora Marina Silva.

    Ninguém no Brasil deu moral ou ouvidos para os dissidentes, todos os julgaram loucos e radicais alucinados. O PT estava inabalável, nem mesmo um tsunami derrubaria o PT naquele momento.

    Tudo era uma marolinha. O partido se fortalecia cada vez mais, infiltrando em todas as esferas sindicais possíveis, dentro das ONG’S que se multiplicavam, sindicatos e por todo o Estado nacional nos cargos políticos.

    Algumas ideias desse imaginário alternativo e irresponsável foram aplicadas na política social do governo, mas também muita sujeira que antes era apenas da seara política, passou a fazer parte dos meios associativos, desportivos e sindicais.

    Ninguém sabia mais o que o PT representava na verdade. O partido estava em todo lugar, em todos os partidos políticos e seus tentáculos se estendiam do campo a cidade, dos meios sindicais/associativos e empresariais até a imprensa.

    O PT aperfeiçoou o modus operandi de seus antecessores para se manter no Poder.

    O então Presidente Lula, dividia a cama com Maluf, Sarney, Collor, PSDB, PMDB…Não contente, o Partido expandiu seus tentáculos para outros países que compartilhavam do uso da mesma erva alucinógena/imaginária e irresponsável.

    O imaginário passou a ser de toda a América Latina. A esperança venceu o medo em outros países também.

    De sociedade alternativa irresponsável, nada restou, o plano agora era de Poder pelo Poder!

    Lula acima de tudo, Lula acima de todos. Ele se auto-intitulava o verdadeiro Padre Cícero.

    O mundo aplaudia de pé essa grande façanha “made in Brazil” e perguntavam:

    Como conseguiram unir em um só plano político a direita, a esquerda, a traseira, a frente e o lado?

    Enquanto outras democracias centenárias no mundo, nunca conseguiram sequer unir a própria esquerda ou a direita?

    Surgia o santo e o dono dos milagres, que carregava o codinome de “LULA”.

    Pronto, foi-se a fome, mas também a vontade de trabalhar. Foi-se o analfabetismo, mas também a vontade de aprender.

    oi-se a crise, mas também a preocupação de como pagar.

    Até os Estados Federados e Municípios passaram a receber uma boa mesada federal para tocar os seus caixas.

    Mesada no legislativo e no judiciário.

    O PT de Lula virou o papai noel dos pobres, dos Bancos, dos empresários e dos Gestores políticos, estes que até deixaram de se preocupar com arrecadação de seus estados e municípios.

    Se apertava as contas no município ou estado, era só pedir papai! Tudo estava maravilhoso, o país subia no ranking mundial das super potências.

    Bancou festas e convidou o mundo para curtir a farra na Copa – cabana. Foram todos de calça de veludo e bunda de fora, mas já teve quem protestasse.

    O grande empresário sorria, pois ficava cada vez mais bilionário. O microempresário agradecia de joelhos ao santo milagreiro pelos créditos concedidos que pareciam cair do céu.

    Todos os políticos abraçavam o santo bondoso.

    Sua imagem estava emoldurada nas paredes de todos os Gabinetes de prefeitos e Governadores.

    O patinho feio agora era um lindo cisne.

    Estava na moda andar com estrelinhas no peito. Lula dizia: Se eu por um cachorro como candidato no meu lugar eu consigo elegê-lo!

    Pronto, não cumpriu o que disse, mas elegeu uma anta. Foi a primeira mulher a ocupar um cargo de Presidanta no Brasil.

    Com ela, a erva alucinógena do ideário irresponsável começou a faltar, fabricaram mais dela nos fundos do quintal da Petrobrás, do Bacen e do BNDES.

    Deram uma retocada na maquiagem e mais uma vez, sabendo que os brasileiros mais fanáticos, pobres, alienados, leigos e desinformados não votam com a cabeça, encheram mais um pouco o bucho do povão e, como sempre, contaram a velha historinha do boi da cara preta.

    Mas não foi tão fácil, o povo queria mais, botaram então mais um pouco de erva importada e água no pirão do povo e tivemos mais uma vez a Presidenta.

    Enfim, vimos acabar de vez a erva petista, sem poder, vão fabricando em casa e o efeito alucinógeno e o imaginário irresponsável persiste ainda na cabeça dos vermelhinhos fanáticos espalhados pelo país.

    Agora não estão só, pois muita gente compartilhou da mesma erva na época e já estavam todos viciados.

    Mesmo sabendo que já não existe alma em Lula e o PT, pois estas o Diabo já carregou faz tempo, ainda vemos aqui e acolá defensores ferrenhos do indefensável.

    Estão como um bando de viciados em busca de uma pontinha que seja para saciar sua fissura. Continuam contando a mesma historinha do boi da cara preta e não falam mais coisa com coisa.

    Lula acredita mesmo que é um santo. Como uma quadrilha bem articulada, prende, solta e a postura não muda.

    Na cabeça dos petistas de hoje, que lasque todo mundo, o nosso povo é corrupto mesmo! Vamos engordar novamente o caixa e depois tudo fica beleza! O nosso povo é massa! Logo chega o carnaval.

    Ainda vemos aqui e acolá, soldadinhos enfileirados, como um bando de figurantes de um filme de terror, que virou foi comédia. Saem às ruas todos uniformizados para apoiar o Luladrão e o PT. Cada uma com uma pontinha de ervinha na mão.

    Enquanto isso, o nosso povo massa, briga pela liberação da maconha, pelo casamento gay, briga por direitos e pela liberdade de viver sozinho, de isso é meu e não seu.

    Brigam pelo que se foda o mundo! Brigam pela não prestação de contas da vida em sociedade. Protestos contra o bloqueio do WhatsApp são instantâneos. O governo pode bloquear tudo, menos o zap! Aí já é demais! Passaram dos limites!

    Total inversão de valores. Bandidagem sendo exaltada, a ostentação pregada, sem o menor esforço, nem a mega sena nos dá, pois custa seis reais um jogo.

    Sobra então partirem para o roubo! Família é coisa de careta, vale mais um parça da quebrada do que o meu pai careta. Vale mais a mina que me manda nudes, do que minha mamãezinha querida.

    Queremos é libertinagem, achar que tudo “Ipod” na base do “Iped”. Liberdade de ser e aparecer como bem quiser, revolucionar e criar uma anarquia com estilo…

    Quem banca a luz que ilumina o quarto, a água que consome, a comida que alimenta, a roupa que veste, o celular que vive pregado na mão, nenhum desse “povo massa” quer saber!

    Boa parte do povo vive hoje entorpecido pela erva criada pelo PT. Criou-se um bando de viciados, alucinados, que acham que dinheiro nasce em árvore.

    Que acham que o papai noel existe de verdade e possui um dedo a menos na mão, uma barbichinha e sai vestido de vermelho com uma estrelinha no peito.

    É meus amigos, como estava dizendo. Tudo isso faz parte dos tentáculos de um partido que mudou o Brasil !

    Por isso, não se faça de assustado com os posicionamentos sociais e políticos de hoje.

    São só os efeitos das ervas que deixaram a nossa democracia em vertigem.

    Publicado por jagostinho @ 16:58



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.