Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 29jan

    PARANÁ PORTAL / Andreza Rossini e Francielly Azevedo – CBN Curitiba

     

    “Corrupção no pedágio deixou um rastro de sangue e morte nas rodovias”, afirma Dallagnol

     

     

    O procurador da República, Deltan Dallagnol, atribuiu o número de mortes ocorridas nas rodovias do Anel de Integração, no Paraná, às obras não realizadas pelas concessionárias de pedágios.

    “A corrupção no pedágio deixou um rastro de sangue e morte nas rodovias do Paraná”, afirmou em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (28).

    “Há uma drástica redução no número de colisões frontais quando uma estrada é duplicada. Se tivéssemos todas as rodovias federais duplicadas no Paraná, poderíamos ter salvo 360 vidas nos últimos cinco anos, assumindo uma razóavel redução de 90% no número das colisões frontais no caso da duplicação”.

    A Força-Tarefa da Lava Jato e o Ministério Público de Ponta Grossa, Paranavaí e Apucarana apresentaram denúncia contra o ex-governador Beto Richa (PSDB), o ex-secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná e irmão de Beto, Pepe Richa e mais 31 pessoas, acusadas de desviar R$ 8,4 bilhões destinados a obras nas estradas.

    Saiba quais obras deixaram de ser entregues

    Ainda de acordo com os procuradores, o contrato inicial com as concessionárias de pedágios previam obras que jamais foram entregues.

    As empresas haviam se comprometido a duplicar 995,7 quilômetros de rodovias no estado, com as obras concluídas integralmente até 2016.

    Hoje, as estradas tem 273,5 km de duplicação, somente 27,4% do total previsto.

    Também estava prevista a construção de 136 interseções [cruzamentos] para entrega até 2017.

    Ocorreu a construção de apenas 29 unidades, 21,3% do total.

    Para o mesmo ano, existia em contrato a construção de 303,2 km de terceiras vias, apenas 59,3 km foram finalizados.

    Para construção de contornos, a previsão era de 174,5 km, com previsão de término para 2016 e apenas 43,2 km foram construídos.

    E entre os 15,2 km de marginais previstos, para entrega em 2016, nenhum quilometro foi construído.

    Mortes nas estradas

    Dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) apontam que foram registradas 1714 mortes nas rodovias do Anel de Integração, nos últimos cinco anos.

    Do total, 403 ocorreram em colisões frontais em trechos de pista simples.

    Segundo a corporação, o número de mortes cai em trechos duplicados.

    Em um trecho duplicado na BR-277 o número de óbitos caiu mais de 70%, de 14 antes das obras – entre 2012 e 2013 – e 4 mortes depois da duplicação, entre 2017 e 2018.

    Publicado por jagostinho @ 12:22



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.