Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18out

    PODER 360

     

    Não vem da ideologia a força política de Bolsonaro, escreve Xico Graziano

     

    Generais participam da democracia

     

    A essência não reside mais na ideologiaSérgio Lima/Poder 360 – 05.set.2018.

    Perdoem-me os tradicionais analistas políticos: vocês continuam errando. A essência não reside mais na ideologia.

    Jair Bolsonaro vencerá as eleições porque encarnou o reclamo popular pela decência na vida pública. Daí brota sua grande força.

    Esse velho costume em dividir o mundo entre “esquerda” e “direita”perdeu certo sentido na sociedade contemporânea, plena era digital.

    O cientista político Fernando Limongi afirmou noutro dia, me puxando as orelhas, que “está em jogo a barbárie”.

    Juro, bom caipira que sou, que fico em dúvida sobre o conceito. Os gregos diziam que, fora eles próprios, civilizados, os demais povos eram “bárbaros”.

    Barbárie, para os romanos, vinha dos germânicos.

    Quem acredita que Bolsonaro representa a barbárie se coloca no pedestal da sapiência.

    Lá no meu interior nós chamamos isso de pernóstico. Pessoas iluminadas, supostos intelectuais, se julgam superiores a nós, mortais comuns, e nos rebaixam pela nossa ignorância.

    Como pode alguém apoiar a “barbárie”?!

    Desde as enormes, e espontâneas, manifestações de rua havidas em junho de 2013, sabíamos que fermentava no país uma insatisfação, difusa, contra o “sistema político”.

    Muitos quiseram compreender aqueles inusitados acontecimentos pelo crivo da “esquerda x direita”.

    Não conseguiram, até hoje, entender nada.

    Foi nessa época que escutei Fernando Henrique Cardoso falar, pela primeira vez, em decência, referindo-se a um valor moral para capturar o momento político.

    As pessoas, jovens principalmente, estavam insatisfeitas, sem saber ao certo o porquê de suas angústias.

    Quebravam e queimavam à busca de respostas.

    Vieram depois as eleições de 2014, protagonizadas por Aécio Neves e Dilma Roussef.

    Avança a Lava Jato, vem o impeachment. Com a queda da petista, troca-se o comando da quadrilha. Mudava a cabeça, mas o poder carcomido continuava ereto.

    E o câncer da corrupção destruía a credibilidade da democracia.

    Aí surgiu Jair Bolsonaro. Moralista e militar, defensor da ordem, apareceu no cenário gritando: vamos acabar com essa putaria em Brasília!

    Pronunciado na hora certa, seu discurso ecoou longe, atingindo o âmago do “mecanismo” que alimenta a corrupção, e que a todos comandava e seduzia.

    O capitão caiu na graça do povo e ganhou notoriedade.

    Dizer que Bolsonaro é “de direita” é uma obviedade que pouco explica sua força política.

    Parte do seu eleitorado, claro, vem dessa vertente. Outro tanto, certamente, se arregimenta pelo sentimento “anti-PT”.

    Boa maioria de seus apoiadores, porém, oriundos no fundão do interior e da periferia das cidades, se move por um desejo ético: querem eleger alguém para moralizar a vida pública do país.

    A eleição de Bolsonaro poderá significar o início da reconstrução da democracia, e não sua derrocada.

    O fato de alguns militares participarem da campanha, preparando programas de governo e que tais, ao invés de temor, me causa satisfação: significa que os generais se expõem, aceitam as regras da democracia, dela participam. Fascismo zero.

    Há riscos, sempre os há. Quem poderia imaginar que Lula, o maior líder operário do país, organizasse tamanho assalto aos cofres públicos, locupletando-se ao destroçar o poder público nacional?

    Qual risco seria maior, à nossa democracia, que a volta da quadrilha vermelha ao poder?

    Socorro-me do filósofo José Arthur Giannotti.

    Ao finalizar uma recente entrevista onde comenta a provável vitória de Bolsonaro, o professor utiliza a pura dialética: “Agora desarrumou tudo. Que bom!”.

    Sensacional.



    Publicado por jagostinho @ 15:25



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.