Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 27ago

    G1 PARANÁ

     

    Moradores de Campo Magro dizem que ficam mais de 24 horas sem água

     

    Pelo menos, 60 famílias do Jardim Boa Vista 4 relatam conviver com a falta de água quase toda semana.

     

    Moradores de Campo Magro, na Região Metropolitana de Curitiba, dizem que costumam ficar sem água por mais de 24 horas durante os fins de semana.

    A dona de casa Valdira Gomes, por exemplo, sabe que precisa se preparar quando o fim de semana começa.

    Desde a tarde de sexta-feira (24), as torneiras da casa dela estão secas. Ela conseguir dar conta das tarefas domésticas, no sábado (25), porque guardou um pouco de água.

    “Aqui é assim: se você quiser um pouquinho de água, quando aparece aí 20 minutinhos, você tem que correr e por no tanque tudo o que tiver para no outro dia você ter água para beber, para tomar banho”, contou.

    Ela disse que, cuidar do marido, que está doente, fica ainda mais difícil quando a água acaba.

    “Já ficamos quatro dias sem tomar banho porque não tinha água. Não tem água para dar banho em uma pessoa em cima de uma cama, não tem água nem para lavar os forros da cama. Nós fomos no rio buscar água para matar a sede”, afirmou a dona de casa.

    Dona de casa Valdira Gomes reclama da falta de água (Foto: Reprodução/RPC)

    Dona de casa Valdira Gomes reclama da falta de água (Foto: Reprodução/RPC)

    ‘Já é normal’

    Valdira está entre, pelo menos, 60 famílias do Jardim Boa Vista 4 que relatam conviver com a falta de água quase toda semana.

    A costureira Silvana Campo Santana vive no bairro há 15 anos. Desde que chegou no local, diz não se lembrar se passar um mês inteiro com água na torneira todos os dias.

    “A gente já está acostumado a não ter. Então, quando tem, a gente dá graças a Deus, mas é difícil o fim de semana que tem água. É muito difícil: sexta, sábado e domingo sem água. Já é normal, e a gente já enche tanquinho de lavar roupa, enche os galões, e deixa para poder tomar a água e fazer comida”, disse Silvana.

    Não bastasse ter os galões sempre por perto em caso de qualquer emergência, a moradora ainda enfrenta os altos valores cobrados na conta de água. A fatura de junho deste ano foi de quase R$ 165.

    O que diz a Sanepar

    Em nota, a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) informou que o último chamado para falta de água foi registrado no último domingo (18).

    Segundo o comunicado, o problema foi causado pelo vazamento de uma tubulação e já foi resolvido.

    A companhia disse, ainda, que a falta de água no bairro não acontece sempre e informou que enviou uma equipe para o local para verificar a situação.

    Publicado por jagostinho @ 10:44



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.