Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 11ago

    VEJA.COM

    Suzane von Richthofen deixa prisão para saída do Dia dos Pais

     

    • Ela foi condenada em 2002 a 39 anos de prisão pelo assassinato de Manfred e Marísia von Richthofen

     

     

    Presa na penitenciária feminina de Tremembé (SP), Suzane von Richthofen deixou a unidade nesta quinta-feira (9) para o benefício de liberdade temporária do Dia dos Pais.

    Junto com o então namorado, Daniel Cravinhos, e o irmão mais velho del, Cristian, ela foi condenada em 2002 a 39 anos de prisão pelo assassinato de seus pais, Manfred e Marísia von Richthofen.

    Suzane era aguardada pelo noivo e foi recebida com um beijo. Os dois deixaram a saída da penitenciária rapidamente em um carro.

     A Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) não informou quando ela deve retornar à prisão.

    A saída é um benefício concedido até cinco vezes ao ano a detentos do regime semiaberto que possuem bom comportamento e podem ficar sem vigilância, no período limitado a até sete dias, mediante o registro de um endereço fixo de permanência fora do presídio.

    A lei não proíbe que criminosos condenados pelo assassinato dos pais tenham direito ao benefício nas datas comemorativas dos dias dos pais e das mães.

    Suzane conseguiu a progressão de pena para o regime semiaberto em outubro de 2015.

    Hoje ela tenta autorização para ir para o regime aberto — em que o condenado fica em liberdade supervisionada.

    Em janeiro, um laudo criminológico encomendado pelo Ministério Público de São Paulo atestou que Suzane tem condições de responder o restante da pena em liberdade. 

    O laudo foi produzido por uma junta médica nomeada pela Justiça.

    Na ocasião, os peritos avaliaram as condições clínicas e psicológicas da detenta e concluíram que ela reúne condições de voltar à vida social fora da prisão.

    Em maio, Suzane foi submetida a um exame extra, o teste de Rorschach, avaliação psicológica também conhecida como “teste do borrão de tinta”.

    Os resultados dos exames servirão para embasar a decisão judicial sobre o pedido da defesa.

    Não há prazo para isso acontecer.

    Publicado por jagostinho @ 18:34



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.