Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 26jun

    BEM PARANÁ 

     

    Moro envia inquérito de Richa para Justiça Eleitoral

     

    Juiz atende decisão do STJ, mas afirma que processo não se limita a caixa dois

     

    Moro envia inquérito de Richa para Justiça Eleitoral

    Moro: juiz citou gravação (Foto: Agência Senado)

     

    O juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, encaminhou à Justiça Eleitoral do Paraná ontem inquérito que investiga o ex-governador Beto Richa (PSDB) por suposto caixa dois em campanhas eleitorais de 2008, 2010 e 2014.

    O processo está em sigilo. Em despacho, Moro afirma que não se trata de “mero caixa dois de campanha”.

    O processo foi encaminhado à Justiça Eleitoral por determinação do Superior Tribunal Justiça (STJ), após recurso do ex-governador, quando Moro já havia determinado abertura de inquérito.

    Richa foi citado nos acordos de colaboração de executivos da empreiteira Odebrecht, no âmbito de investigações da Operação Lava Jato.

    Na decisão de ontem, Moro afirma que apesar de ter remetido o inquérito à Justiça Eleitoral, a competência para julgar o caso é da Justiça Federal. 

    “Embora seja prematura qualquer conclusão antes do encerramento das investigações e mesmo do contraditório, há, em cognição sumária, prova de que os pagamentos em 2014 tiveram presente contrapartida específica, e, portanto, os fatos possivelmente se enquadram no crime de corrupção, de lavagem de dinheiro (pelo emprego dos mecanismos de ocultação e dissimulação do Setor de Operações Estruturadas) e ainda de ajuste fraudulento de licitação”, escreveu Moro.

    Segundo o juiz, quatro pessoas relatam corrupção em processo de licitação da PR-323. Ele afirma que no inquérito depoimentos no sentido de que Deonilson Roldo, então chefe de gabinete de Beto Richa no governo do Paraná, trabalhou para que a Odebrecht fosse a única concorrente na licitação das obras. Roldo nega.

    Os relatos são de dois ex-executivos da Odebrecht, os delatores Luis Antônio Bueno Júnior e Luciano Ribeiro Pizzatto, e também do diretor executivo da empresa Contern Pedro Rache de Andrade.

    Além disso, o próprio ex-diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) Nelson Leal Júnior teria confirmado o direcionamento.

    Em delação, segundo o Ministério Público Federal informou a Moro, Nelson Leal Júnior teria confirmado a “prática de corrupção no caso em questão”.

    A delação do ex-diretor do DER foi homologada em 1º de junho pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre (RS).

    Vantagens –

    “Não se trata de “mero caixa dois” de campanha, mas sim de, pelo menos em cognição sumária, pagamento de vantagens financeiras por solicitação de agente público, no caso o ex-Chefe de Gabinete do então Governador, em troca da prática ou da omissão de ato de oficio”, disse o juiz Sérgio Moro no despacho.

    “Por outro lado, cumpre agregar que até o momento não há qualquer elemento probatório que permita concluir que os valores supostamente pagos pelo Setor de Operação Estruturadas foram destinados, no caso concreto, ao financiamento de campanhas eleitorais”, pondera o juiz da Lava Jato. 

    De acordo com as investigações, o ex-chefe de gabinete de Richa, Deonilson Rodo, teria pedido pagamento de vantagens indevidas “em troca da prática ou da omissão de ato de ofício”.

    O juiz Sergio Moro afirmou no despacho que espera que o processo seja devolvido à Justiça Federal.

    Inicialmente, os processos foram encaminhados para as duas esferas judiciárias, federal comum e eleitoral, com base nos acordos de colaboração e leniência.

    O caso trata principalmente da duplicação da PR-323 e investiga suposto favorecimento à Odebrecht em troca de dinheiro para a campanha de reeleição de Richa ao governo, em 2014.



    Publicado por jagostinho @ 10:31



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.