Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18jun

    GAZETA DO POVO

     

    A um mês de convenções, principais nomes ao governo do PR não têm vice definido

     

    Vaga de vice é uma das armas para barganhar a atração de legendas aliadas – garantia de mais dinheiro do fundo partidário/eleitoral e de tempo de televisão

     

    O Palácio Iguaçu, sede do governo do Paraná | Albari Rosa/Gazeta do Povo/Arquivo

    O Palácio Iguaçu, sede do governo do Paraná  Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo/Arquivo

     

    A cerca de um mês do início das convenções que definirão as chapas dos candidatos a governador, os principais postulantes ao Palácio Iguaçu têm na vaga de vice uma das armas para barganhar a atração de legendas aliadas – garantia de mais dinheiro do fundo partidário/eleitoral e de tempo de televisão.

    TODOS OS CANDIDATOS: confira os postulantes ao Palácio Iguaçu

    O prazo para que tudo se defina é entre 20 de julho e 5 de agosto. Até lá, as costuras nos bastidores seguirão intensas. Veja o cenário de momento:

    /ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/06/15/Parana/Imagens/Cortadas/_M6U2037-kMBG-ID000002-1024x341@GP-Web.jpg
    Foto – Alexandre Mazzo/Gazeta do Povo

    Ratinho Jr. (PSD)

     

    Por ora, a vice do deputado estadual Ratinho Jr. (PSD) tem sido a mais cobiçada.

    Os presidentes de duas das mais importantes federações do Paraná se licenciaram dos cargos com a perspectiva de ser o escolhido.

    Edson Campagnolo (PRB) se afastou da Federação das Indústrias (Fiep), enquanto Darci Piana (PSD) deixou temporariamente a Federação do Comércio (Fecomércio).

    Se ambos poderiam atrair a simpatia do setor produtivo e empresarial do estado, outros dois nomes são vistos como alternativa para neutralizar a ligação do ex-senador Osmar Dias (PDT) com o agronegócio.

    Norberto Ortigara (PSD) foi secretário de Agricultura na gestão Beto Richa (PSDB).

    Já Marcel Micheletto (PR) é prefeito da cidade de Assis Chateaubriand e ex-presidente da Associação dos Municípios do Paraná.

    A princípio, Piana e Ortigara parecem sair atrás na disputa por estarem filiados ao mesmo partido de Ratinho, o que significaria a formação de uma chapa pura e, portanto, o escanteamento de partidos aliados.

    /ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/06/15/Parana/Imagens/Cortadas/SABATINA OSMAR DIAS 2JC-kMBG-U203515029974dfE-1024x341@GP-Web.jpg
    Foto – Jonathan Campos/Gazeta do Povo

    Osmar Dias (PDT)

     

    Sempre que é questionado a respeito de alianças, o pedetista afirma que prioriza, na verdade, um projeto político para o estado.

    Nessa linha, tem conversado com diversos partidos, alguns deles, inclusive, propensos neste momento a integrarem a coligação de candidatos adversários.

    Aliados do ex-senador dizem ser muito cedo para falar em possíveis nomes de vice. Mas todos são unânimes em defender que o mais importante é que seja alguém “idôneo”.

    O próprio Osmar tem essa preocupação. Na eleição de 2006, a derrota por apenas 10 mil votos para Roberto Requião (MDB) é atribuída justamente ao vice.

    Ex-prefeito de Toledo, Derli Donin (PP) respondia então a oito processos administrativos e dois criminais.

    Para este ano, porém, o pedetista garante que não cometerá o erro de deixar partidos aliados escolherem o candidato a vice.

    /ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/06/15/Parana/Imagens/Cortadas/_88A1091-kMBG-U2035150299748zF-1024x341@GP-Web.jpg
    Foto – Daniel Caron/Gazeta do Povo

    Cida Borghetti (PP)

     

    O possível vice da atual governadora Cida Borghetti (PP)  é uma incógnita ainda maior que o de Osmar.

    Isso se deve, em grande medida, ao fato de ela ter por ora o maior leque de alianças, com mais de uma dezena de partidos. Logo, o número de opções é imenso.

    Ao mesmo tempo, há incerteza entre as legendas aliadas se ela se tornará um nome competitivo até a data das convenções, o que pode minguar o rol de apoiadores.

    Por isso, são diversas as correntes defendidas por pessoas próximas a Cida.

    Alguns avaliam que, pelo histórico do deputado federal Ricardo Barros (PP), marido da governadora, a escolha será de um político, justamente para atrair apoios.

    Se esse for o caminho, um dos entendimentos é que a vaga deveria ficar com o PSDB, partido de Richa e dono da maior estrutura no estado.

    Outra linha de raciocínio, porém, prega que o escolhido seja um nome de fora da política, ligado a alguma entidade ou instituição.

    Isso evitaria a descoberta de uma ficha corrida desabonadora a partir do escrutínio a ser feito pela imprensa e por adversários.



    Publicado por jagostinho @ 10:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.