Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 02ago

    GAZETA DO POVO

     

    Por Fábio Pegrucci

    E então, como se tivessem despertado de um longo sono, com olhos arregalados e em tom de voz assombrado, âncoras de telejornais hoje comunicaram aos brasileiros que a Venezuela caminha a passos largos para tornar-se uma ditadura:

    afinal – vejam vocês! -, o tiranete Nicolás Maduro resolveu convocar uma assembleia constituinte furadíssima, com o único intuito de tratorar o parlamento, calar opositores e censurar a imprensa.

    É certo que ainda compuseram seus textos com especial cuidado, evitando as expressões “esquerda” e “socialismo”; também não mencionaram que o regime chavista foi bajulado e em grande parte FINANCIADO durante anos pelo governo brasileiro, enquanto o mesmo teve à frente a quadrilha petista; e, enquanto limitaram-se a rapidamente informar que os governos de Bolívia e Nicarágua prestam total apoio ao regime bolivariano, sequer pensaram em explicar que uma ampla frente de partidos e organizações esquerdistas dominou quase toda a América Latina por longuíssimos anos, como resultado de estratégia de tomada de poder traçada muito tempo antes, como resposta à desintegração da União Soviética e ao esfacelamento do comunismo no leste europeu: não, o jornalismo brasileiro ainda não menciona o Foro de São Paulo – e possivelmente jamais o fará.

    Chega a ser indecente que só agora – quando os Estados Unidos já sinalizam com pesadas sanções e até a pálida União Europeia emite notas de repúdio às ações do governo venezuelano – a imprensa brasileira resolva dar um tom mais fidedigno à cobertura da situação no país vizinho.

    Enquanto isso, nós – os reaças, os coxinhas, os desatinados que enxergam comunistas debaixo da cama – que cantamos essa bola há ANOS – desde antes do delinquente Hugo Chavez ter sido mandado, pelo câncer e pela medicina cubana, para o quinto dos infernos – como ficamos?

    Cutuque aí seu amigo mortadela, que se informa pelos blogs da lacrosfera, pergunte se ele tem algo a lhe dizer; um pedido de desculpas, talvez?

    Esse é o momento de lembrarmo-nos de que política deve ser algo SEMPRE pragmático e da máxima que diz que “o inimigo de nosso inimigo é nosso amigo”:

    viva Roberto Jefferson, o corrupto que em algum momento de nossa história será devidamente homenageado com uma estátua, por ter sido o pivô da crise que apeou José Dirceu do governo e da linha sucessória – não fosse isso, NÓS seríamos a Venezuela;

    viva o providencial PORRE durante o qual Luís Inácio escolheu para sua sucessão a criatura mais parva, estúpida, grotesca, inábil e incompetente que a política brasileira já conheceu – e em cujos fundilhos nem foi assim tão difícil aplicar-lhe um pontapé na direção do esquecimento;

    viva Eduardo Cunha, que foi nosso amigo enquanto nos serviu;

    e viva Michel Temer, velha raposa conspiradora, que – contra tudo e contra todos – deverá completar seu mandato, dando uma banana para a “baixa popularidade” e conduzindo, ainda que parcialmente, as reformas urgentes que farão extremamente mais fácil a vida do futuro governante desta pocilga, seja ele quem for; a partir de 1º de Janeiro de 2019, com alguns milhões no bolso e ainda com algum tempo para namorar a bela Marcela, o velho Michel vai desaparecer das nossas vistas, só sendo lembrado eventualmente, quando os noticiários mencionarem que ele compareceu às audiências sobre os processos que responderá após deixar a presidência.

    Quanto aos nossos vizinhos venezuelanos, só nos resta torcer por eles: como não estamos mais no tempo em que tiranos eram arrancados do poder à bala e pendurados de ponta cabeça em praça pública até que os cadáveres apodrecessem, um dia desses vamos saber que Maduro renunciou e foi se esconder debaixo das asas de Raul Castro; e provavelmente assistiremos a uma guerra civil, antes que alguma normalidade seja reconquistada.

    Mas não devemos jamais nos esquecer: poderia ter acontecido conosco.



    Publicado por jagostinho @ 13:02



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.