Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 20abr

    CELSO NASCIMENTO – GAZETA DO POVO

     

    Greca cumpre a promessa: em 4 meses Curitiba volta 4 anos

     

     

    “Volta Curitiba!” era o grito de guerra do então candidato Rafael Greca durante a campanha eleitoral.

    Não só o slogan foi eficaz – ganhou a eleição – como o prefeito está procurando cumprir a promessa ao pé da letra.

    Exemplo disto pode ser encontrado em duas áreas muito sensíveis: saúde pública e moradores de rua.

    Em 2012, fim da gestão prefeitural do médico Luciano Ducci, apenas uma das 110 Unidades Básicas de Saúde (UBS), que o povo conhece por “postinho”, atendia em horário estendido – isto é, ficava aberta para atendimento a pacientes até às 22 horas.

    Era a UBS de Santa Felicidade.

    Ao longo dos anos seguintes, o horário estendido foi ampliado para outros nove postos – um em cada regional administrativa da cidade – totalizando dez os locais onde a população poderia buscar socorro para casos menos graves de saúde.

    A providência foi útil para diminuir a procura pelas UPA’s (Unidades de Pronto Atendimento), cuja função é prestar assistência a casos de maior complexidade.

    Pois bem: em menos de quatro meses, Curitiba já quase “voltou” a 2012, quase quatro anos.

    Com exceção de duas UBS (a mesma de Santa Felicidade e outra no bairro Concórdia), todas as demais agora voltaram a encerrar o expediente às 19h e não mais às 22h.

    Por que aconteceu isto? Segundo a secretaria municipal de Saúde, a eliminação do horário estendido foi recomendação do Conselho Municipal de Saúde, formado por 36 entidades governamentais e comunitárias, que teria alegado que a demanda de pacientes era pequena durante o período e não “compensava” deixar os postos abertos até mais tarde.

    Soa estranha a justificativa, mas o presidente do Conselho, Adílson Tremura, que nesta quarta-feira (19) estava em Brasília, não pôde ser contatado pela coluna para confirmar a informação.

    Um dos postos que já não funcionam à noite é o da praça Ouvidor Pardinho, que até há pouco dispunha de estrutura para atendimento aos moradores de rua.

    Era lá que funcionava em caráter permanente um “consultório na rua” – uma das vans que percorrem a cidade prestando serviços médicos, odontológicos, de enfermagem e psicológicos a moradores de rua.

    No horário estendido – mais adequado para o caso – funcionava a base de controle dos atendimentos e de agendamentos para este público carente.

    O Movimento Nacional da População de Rua já oficiou o Ministério Público pedindo sua intervenção para resolver problema.

    E está também recorrendo diretamente ao prefeito Rafael Greca e ao secretário de Saúde, João Carlos Baracho, para que se expliquem.



    Publicado por jagostinho @ 11:32



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.