Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 19ago

    PARANÁ PORTAL

     

    Teori libera denúncia contra Gleisi e Paulo Bernardo para julgamento no STF

     

    (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
    (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

    O ministro Teori Zavascki liberou nesta quinta-feira (18) para julgamento na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) a denúncia apresentada em maio pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e seu marido Paulo Bernardo decorrente da Operação Lava Jato.

    O julgamento irá definir se os dois serão transformados em réus no processo.

    O presidente da Segunda Turma é o ministro Gilmar Mendes e a data do julgamento será definida por ele.

    Até agora, o STF tornou dois parlamentares com mandato réus na Lava Jato: o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Nelson Meurer (PP-PR).

    No fim de julho, a PGR pediu ao STF urgência no julgamento de Gleisi e do marido.

    Em maio, Gleisi e Bernardo foram denunciados ao Supremo sob a acusação de receber R$ 1 milhão para campanha da senadora em 2010 e, de acordo com depoimentos de delatores, o valor é oriundo de desvios de contratos da Petrobras.

    Ambos foram citados nas delações do doleiro Alberto Youssef.

    Na manifestação enviada ao Supremo, a procuradoria sustenta que há provas evidentes dos crimes.

    “Há se reiterar que, segundo compreensão do MPF, há evidentes e hígidos elementos concretos para o recebimento da denúncia – que não deixam de existir diante das versões narradas nas respostas à acusação sob exame”, diz a PGR.

    Na defesa encaminhada ao Supremo, a defesa da senadora alegou que as acusações são “meras conjecturas feitas às pressas” em função de acordos de delação premiada.

    “A requerida [senadora] jamais praticou qualquer ato que pudesse ser caracterizado como ato ilícito, especialmente no bojo do pleito eleitoral ao Senado Federal no ano de 2010, na medida em que todas as suas contas de campanha foram declaradas e integralmente aprovadas pela Justiça Eleitoral”, diz a defesa.

    Em nota, a defesa da senadora criticou o pedido de urgência: “Reafirmando o que já disse anteriormente sobre esse assunto, a senadora Gleisi Hoffmann lamenta que a mesma denúncia, já feita pelo PGR no início do mês de maio, seja novamente motivo de notícia porque uma procuradora pediu agilidade no processo ao STF, mesmo este estando de recesso”.

    A manifestação foi assinada pela vice-procuradora da República, Ela Wiecko, responsável por atuar na ausência do procurador-geral, Rodrigo Janot, durante o período de recesso de julho no Supremo.



    Publicado por jagostinho @ 15:33



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.