Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 29out

    COLUNA DE AUGUSTO NUNES – VEJA.COM

     

    O silêncio cafajeste da comparsa brasileira acelera a marcha batida da Venezuela em direção à ditadura escancarada

     

     

     

     

     

    O vídeo que resume as denúncias do promotor venezuelano Franklin Nieves não se limita a confirmar que a prisão e o julgamento do líder oposicionista Leopoldo López foram uma farsa de quinta categoria.

    Também avisa que o governo de Nicolás Maduro resolveu rasgar a fantasia em frangalhos, fraudar a eleição, calar os adversários e instituir a ditadura sem maquiagem.

    A mudez cafajeste do governo Dilma inclui o Brasil na trama que pretende consumar o assassinato do Estado Democrático de Direito.

    Até dezembro de 2002, o Brasil liderou a América do Sul sem bravatas nem bazófias. Hugo Chávez, por exemplo, comportou-se com muito juízo desde o dia da posse em 1998: para não ser enquadrado pelo governo do vizinho poderoso, dispensou-se de provocações e palavrórios beligerantes.

    Ao fim de complicadas negociações conduzidas pessoalmente pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, o acordo entre o Equador e o Peru encerrou um dos mais antigos conflitos fronteiriços do subcontinente.

    O Paraguai abrandou a choradeira pela revisão do Tratado de Itaipu. A Bolívia entendeu que o preço do gás vendido ao vizinho tinha de levar em conta que o comprador havia bancado sozinho a construção do gasoduto bilionário.

    Até a Argentina permaneceu bem comportada. Ninguém ousou desafiar ou pareceu criar juízo, e o Brasil não foi desafiado por ninguém.

    As coisas começaram a mudar em janeiro de 2003, com a instauração da política externa da canalhice, fruto do acasalamento de stalinistas farofeiros que controlam o PT e dos marxistas de chanchada que infestam o Itamaraty,

    A abjeção nasceu já com 200 anos de idade. Teria morrido de velhice na primeira semana se não fossem os cuidados que lhe dispensaram o padrinho Lula, para quem o Oriente Próximo tem esse nome por ficar logo ali, e a dupla de babás formada por Celso Amorim e Marco Aurélio Garcia.

    Não teria chegado aos 212 anos sem a permanência de Garcia, homiziado no gabinete de Assessor Especial para Assuntos Internacionais, no cargo de chanceler.

    Nos oito anos de Lula, o Brasil fez concessões vergonhosas ao Paraguai e ao Equador, suportou com passividade bovina as bofetadas desferidas pela Argentina e pela Bolívia, hostilizou a Colômbia democrática enquanto afagava os narcoterroristas das FARC, curvou-se à vontade e aos caprichos da Venezuela chavista, deixou de ser sinuelo para virar mais um no rebanho.

    Simultaneamente, fantasiou-se de “potência emergente” para intrometer-se nos assuntos internos de outras nações. Reduzido a braço internacional da seita lulopetista, o Itamaraty aposentou valores morais e princípios éticos irrevogáveis. E não perdeu nenhuma chance de escolher o lado errado.

    Entre os Estados Unidos e qualquer obscenidade que se opusesse ao Grande Satã ianque, preferiu invariavelmente a segunda opção.

    Subordinado aos napoleões de hospício que proliferam nos grotões sul-americanos, Lula transformou a embaixada em Honduras na Pensão do Zelaya ─ Manuel Zelaya, aquele do chapelão que cobria o nada.

    Para prestar vassalagem a Fidel Castro, comparou os que discordam dos donos da ilha-presídio aos bandidos encarcerados em São Paulo e aprovou a deportação dos pugilistas Erislandy Lara e Guillermo Rigondeaux.

    O fundador do Brasil Maravilha escolheu sem hesitar quando instado a optar entre a barbárie e a civilização.

    Bajulou o faraó de cabaré Hosni Mubarak, o psicopata Muammar Kadafi, o genocida Omar al-Bashir e o iraniano atômico Mahmoud Ahmadinejad, fora o resto.

    Coerentemente, o penúltimo ato do homem que emasculou o Itamaraty foi promover a asilado político o assassino italiano Cesare Battisti.

    O último foi ordenar a Dilma Rousseff que desse prosseguimento ao cortejo de cafajestagens, iniquidades e vigarices.

    A afilhada fez mais que preservar a herança maldita. Conseguiu torná-la mais repulsiva com o engajamento na aliança golpista que tentou manter na presidência do Paraguai o reprodutor de batina Fernando Lugo, a manobra sórdida que infiltrou no Mercosul a Venezuela sem papel higiênico, os bilionários donativos secretos à tirania cubana, a importação de escravos de jaleco que rendem à ilha-presídio mais de 23 milhões de dólares por mês e a submissão a Evo Morales que fez da embaixada em La Paz o cárcere privado do senador boliviano Roger Morales ─ o acervo de bandalheiras internacionais é um malcheiroso colosso. Fora o resto.

    Para o governo brasileiro, parceiros ideológicos são tratados como menores de idade: seja qual for o crime cometido, a culpa é das injustiças sofridas durante a infância colonial.

    É natural que o Planalto governo brasileiro continue acompanhando com cara de paisagem a marcha batida da Venezuela em direção à ditadura escancarada, e se recuse a enxergar a feroz ofensiva liberticida comandada pelos herdeiros do bolívar-de-hospício que virou passarinho.

    A omissão diante das denúncias do promotor Franklin Nieves reafirma a obediência às regras do desregramento.

    Há dias, o líder oposicionista venezuelano Henrique Capriles afirmou que o silêncio do governo Dilma  dói.

    Essa mudez é dolorosa para todos os democratas do mundo. É escândalo que envergonha o Brasil que presta.

    E é um motivo a mais para apressar o fim da era da sordidez inaugurada há 13 anos.



    Publicado por jagostinho @ 17:19



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.