Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 24out

    COLUNA DE AUGUSTO NUNES – VEJA.COM

     

    A parceria entre a presidente e jornalistas estatizados confirma: demonstrações de sabujice explícita requerem mais coragem do que atos de bravura em combate

     

     

     

    Sobretudo com câmeras e gravadores por perto, certas demonstrações de vassalagem exigem mais coragem do que atos de bravura em combate ─ desses que rendem condecorações capazes de matar a família de orgulho e matar de inveja a vizinhança.
    A brasileiríssima tribo dos jornalistas a favor é imbatível nessa ousada forma de pusilanimidade.
    Se bajulação temerária fosse uma modalidade olímpica, os craques da imprensa fariam bonito nos Jogos do Rio.O vídeo que exibe trechos das entrevistas concedidas por Dilma Rousseff na Suécia e na Finlândia avisa que a turma está em ótima forma. Decididos a abater a pauladas quem sugere o atalho do impeachment para encurtar a passagem pelo Planalto da pior governante da história, os soldados da desinformação confirmaram que expor publicamente a alma subalterna não é para qualquer poltrão.

    Só não teme o espetáculo da sabujice quem tem coração valente.

    No dia 18 de outubro, um domingo, Dilma chegou para a conversa em Estocolmo compreensivelmente tensa.

    Acuado pela Operação Lava Jato, atarantado com a crise econômica ainda em seu começo, abandonado por aliados que fogem do naufrágio nas urnas, desprovido de programas ou ideias, o poste que Lula instalou no coração do poder tem um único projeto claramente definido: manter o emprego.

    Vai começar a sessão de tortura, parece murmurar a crispação do rosto, sublinhada pelas sobrancelhas arqueadas e pelos lábios irrequietos.

    O que vai começar é a vassalagem, corrige já na primeira pergunta um entrevistador estatizado. Ele não aparece na tela. Ouve-se apenas a voz de apresentador de desfile de escolas no 7 de Setembro formulando a questão inverossímil:

    “O caso do Eduardo Cunha repercutiu no mundo inteiro, foi notícia de jornais do mundo inteiro. Isso não causa um certo constrangimento ao governo brasileiro, embora seja o Poder Legislativo, como a senhora disse?”

    Quer dizer que no resto do planeta não se publicou sequer uma vírgula sobre a maior roubalheira ocorrida desde o Dia da Criação?

    Quer dizer que em todos os países só se fala em Eduardo Cunha?

    Até Dilma se mostra espantada com a novidade formidável: o correntista suíço ocupa tanto espaço no  noticiário em língua estrangeira sobre o Brasil que não sobram míseros cantos de página para tratar do monumental esquema corrupto que esvaziou os cofres da estatal indefesa.

    Com cara de quem achara aquilo bom demais para ser verdade, a entrevistada explica que a extraordinária notoriedade internacional do presidente da Câmara não lhe causa constrangimento.

    “Seria estranho se causasse… ele não integra o meu governo”. Pausa. Três ou quatro entrevistadores falam ao mesmo tempo. “Ah, eu lamento que seja um brasileiro, se é isso que você está perguntando”, prossegue Dilma.

    Outro entrevistador endossa os patrióticos receios do companheiro de profissão e de luta: “A senhora acha ruim para a imagem do país?”

    Quer dizer que o que deixa o Brasil mal no retrato não é o assombroso desempenho no campeonato mundial da corrupção institucionalizada, nem a vertiginosa ascensão no ranking planetário da incompetência administrativa, mas sim o parlamentar que engordou contas secretas com negociatas das quais participou por integrar a base alugada do governo Lula? Haja cinismo.

    “Olha, eu não diria…eu… eu acho que se distingue perfeitamente, no mundo, o país de qualquer um de seus integrantes”, segue em frente a sopa de letras servida pelo neurônio solitário.

    “Nenhum país pode ser julgado por isso ou por aquilo, nem o Brasil, nem a Suécia, nem os Estados Unidos”, desanda a Mãe do Petrolão antes de encerrar o palavrório: “Eu lamento que aconteça com um brasileiro, um cidadão brasileiro”.

    Cunha rebateu de bico no dia seguinte: “Eu lamento que seja com o governo brasileiro o maior escândalo de corrupção do mundo”.

    Na terça, em Helsinque, Dilma avisou que não iria responder a Eduardo Cunha antes de responder a Eduardo Cunha.

    “O meu governo não está envolvido em nenhum escândalo de corrupção”, delira no fim do vídeo a faxineira que vive cercada de lixo.

    “Não é o meu governo que está sendo acusado atualmente”. Como é que é?, teria berrado um jornalista independente se comitivas presidenciais reservassem alguma vaga a essa espécie em extinção.

    Como pode uma presidente da República tratar a verdade com tamanha selvageria?

    Nenhum dos presentes ousou assombrar-se com a desfaçatez da viajante.

    Nenhum se atreveu a balbuciar a obviedade evocada por Eduardo Cunha na quarta-feira: “Eu não sabia que a Petrobras não faz parte do governo”.

    O silêncio dos rapazes da imprensa confirmou que ali só havia gente sem medo de ser servil. O que deveria ser uma entrevista coletiva foi um chá de senhoras liberado para jornalistas domesticados.

    Dispostos a tudo para não melindrar o equilibrista que transformou pedidos de impeachment em instrumentos de sobrevivência política, os líderes da oposição oficial dispensaram-se de lembrar que, se os envolvidos no Petrolão interpretassem a si próprios num filme sobre a bandalheira sem precedentes, Eduardo Cunha apareceria nos créditos bem abaixo da dupla de astros formada por Lula e Dilma.

    Seu nome disputaria espaço com a multidão de coadjuvantes.

    Nela se acotovelam um ex-presidente da República, ministros e ex-ministros de Estado, senadores, deputados federais, governadores, empreiteiros, diretores da estatal saqueada, figurões dos partidos no poder, parentes de Lula, amigos de Lula, agregados de Lula, doleiros de alta patente, despachantes de propinas, consultores especializados em maracutaias, secretárias espertas, amantes gulosas, esposas ressentidas e, claro, tesoureiros do PT.

    E José Dirceu, naturalmente. Os oposicionistas de araque estarão espremidos no bloco de figurantes.

    O Brasil tem um governo com que sonha qualquer oposição.

    A sorte de Dilma é lidar com a espécie de oposição com que todo governo sonha.

    Publicado por jagostinho @ 15:51



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.