Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 18set

    UCHO.INFO

     

     

    Recessão eliminará 1 milhão de empregos somente em 2015

     

    Fora de controle, crise econômica avança

     

     

    desemprego_06Segundo as últimas estimativas de consultorias econômicas e órgãos oficiais, a crise pode fazer com que o País termine o ano de 2015 com 1 milhão de vagas formais a menos do que começou.

    “Dado à intensificação da crise, é possível que o ano se encerre com destruição total superior a um milhão de empregos formais”, afirma um documento recente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), vinculado à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência.

    A GO Associados e um estudo realizado no início do mês passado pelo Conselho Federal de Economia (Cofecon) também preveem saldo negativo de 1 milhão de vagas.

    A estimativa da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (FIRJAN) é de perda entre 1,17 milhão e 1,16 milhão.

    De acordo com a LCA Consultores, o número é ainda maior: cerca de 1,2 milhão de vagas formais.

    Também é o pior resultado da série histórica do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), que começou em 1992.

    Em termos relativos, o fim de 3% a 4% do total de vagas formais é próxima do que ocorreu em 1998, quando 581 mil foram eliminadas (cerca de 3% do estoque de trabalho na época, que dobrou desde então).

    O processo de piora do mercado de trabalho vem acontecendo de forma acelerada desde o começo do ano.

    O saldo de criação de vagas formais caiu todos os anos desde 2010, mas 2014 ainda teve resultado positivo.

    Quando se olha o acumulado dos últimos doze meses, até julho de 2015, encerraram-se 850 mil postos – pior número desde o começo da série em 1996.

    Além disso, conforme o IBGE, cerca de 8,3 milhões de brasileiros procuram emprego e não encontram.

    A taxa de desemprego pela Pesquisa Mensal de Emprego (PME) em 6 capitais pulou de 5,3% em janeiro para 7,5% em julho, maior patamar em 5 anos.

    A taxa de desemprego pela PNAD Contínua foi de 7,9% no 1º trimestre para 8,3% no 2º trimestre.

    O Ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias (PDT), declarou não acreditar em uma volta para os dois dígitos.

    Publicado por jagostinho @ 15:19



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.