Publicidade


      Red Apple Cosméticos

      CPV - Centro Paranaense da Visão

      Hospital Cardiológico Costantini

      Hotel Carimã

Twitter @blogdojota


  • 17set

    FOLHA.COM

     

    Golpismo é de quem fala, diz Bicudo sobre crítica de Dilma a impeachment

     

    Diego Padgurschi/Folhapress
    Sao Paulo 16.09.2015. Assinatura do pedido de impeachment - presenca : dr.Helio Bicudo, Miguel Reale Jr e Carla Zambelli - 4o Tabeliao de Notas. Foto: Diego Padgurschi /Folhapress
    Helio Bicudo reconhece firma de pedido de impeachment em cartório nos Jardins

     

    Na tarde desta quarta-feira (16) o ex-petista Hélio Bicudo, 93 anos, se reuniu com o jurista Miguel Reale Jr. e a professora de Direito da USP Janaina Paschoal em um cartório de notas nos Jardins, em São Paulo, para reconhecer firma do documento que pede o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

    Com as assinaturas, o pedido de impeachment do ex-petista passa a ter como denunciante também Reale Jr., além de Janaina, que já subscrevia a primeira versão.

    Também figuram na nova versão do documento como testemunhas Carla Zambelli, do Nas Ruas, que representa 40 movimentos sociais, Adelaide de Oliveira, do Vem Pra Rua, e Kim Kataguiri, do MBL (Movimento Brasil Livre).

    Questionado sobre a fala da presidente Dilma na manhã desta quarta a uma rádio de Presidente Prudente (SP) em que disse que usar a crise “como mecanismo para chegar ao poder é uma versão moderna do golpe”, Bicudo respondeu:

    “Esse negócio de falar que é golpismo, é golpismo de quem fala. Estamos agindo de acordo com o que a constituição diz”.

    O ex-petista também afirmou que preferia a convocação de novas eleições a um eventual mandato exercido pelo vice-presidente Michel Temer.

    “Temos que ter eleições livres e gerais para escolher um novo presidente”, disse, reconhecendo em seguida a dificuldade de se eleger um novo governante na atual conjuntura.

    O jurista Miguel Reale Jr. também rechaçou que haja qualquer tentativa de golpe, e comparou o governo petista à uma “ditadura da propina”.

    “Lutamos contra a ditadura do fuzil e agora lutamos contra a [ditadura] da propina”.

    Reale Jr., que foi ministro do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e ajudou a redigir petição do impeachment do ex-presidente Fernando Collor, em 1992, chegou a emitir uma manifestação em maio deste ano afirmando que não havia clima político para o impeachment de Dilma, mas disse que o cenário mudou.

    “Não teria passado em março, abril. Hoje há ambiente para isso (passar o impeachment em votação no Congresso Nacional).

    Depois da assinatura do documento, os integrantes dos movimentos presentes no cartório entoaram palavras de ordem contra o PT como “Olê, Olê, estamos na rua para derrubar o PT”.

    Eles também levaram miniaturas de bonecos do ex-presidente Lula vestido de presidiário, figura que ganhou o nome de “Puxileco” devido à operação Lava Jato.

    O documento de Bicudo deve ser protocolado na quinta-feira (17), na Câmara.

    Os movimentados anti-Dilma estão se organizando para fazer um grande ato em Brasília na data em que for marcada a votação do requerimento referente ao impeachment.

    NOVA VERSÃO

    Segundo a advogada Janaina Paschoal, que também assina o pedido de impeachment, o documento não teve que passar pelas alterações sugeridas pelo presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

    “O que ele enviou foi um ofício padrão para todos que entraram com pedidos de impeachment. A nossa solicitação já seguia todas as regras”.

    No entanto, a nova versão do pedido que tem Hélio Bicudo e Reale Jr. como principais signatários, passou a incluir o procurador do (TCU) Tribunal de Contas da União Júlio Marcelo de Oliveira como testemunha.

    O procurador é um dos nomes que mais incomoda o governo: assinou a representação que pede a investigação das pedaladas fiscais, foi contra a negociação de acordos de delação entre as empreiteiras investigadas na Lava Jato e a CGU (Controladoria-Geral da União) e solicitou a suspensão do empréstimo de US$ 3,7 bilhões do BNDES para a Sete Brasil, que fabricou as sondas para a Petrobras.

    Publicado por jagostinho @ 13:07



Os comentários NÃO representam a opinião do Blog do Jota Agostinho. A responsabilidade é EXCLUSIVA do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

Deixe um comentário

Por favor, atenção: A moderação de comentário está ativa e pode atrasar a exibição de seu comentário. Não há necessidade de reenviar o comentário.